IDEFE / ISEG Executive Education: Formação executiva com um todo

A formação é estratégica para profissionais e empresas. Em contextos incertos e turbulentos, a aposta em aquisição de competências é crucial para a obtenção de ferramentas que permitam, não só gerir o contexto, como criar disrupções e oportunidades para vencer. Nesse sentido, o ISEG tido uma excelente evolução, certamente fruto das necessidades existentes, mas também da forma como o mercado tem recebido os nossos programas. «A aposta é, sem dúvida, a formação executiva como um todo, onde se inclui o MBA, as Pós-Graduações, Programas Executivos de Curta Duração e Soluções Customizadas, assim como Programas Internacionais. As áreas encontram-se interligadas entre si, pois quanto mais oferecermos ao mercado o que ele necessita, seja para profissionais ou empresas, mais a instituição é reconhecida e procurada. Quer empresas quer profissionais procuram soluções de formação que lhes tragam benefícios, capacidade de resolver problemas e desenvolver a carreira e negócios. E é nisso que trabalhamos como um todo, da inscrição aberta aos customizados», explica Luís Cardoso, Presidente do ISEG Executive Education, à Executive Digest.

O actual contexto reforçou e acelerou a procura por programas estratégicos para a economia, em áreas como o digital, sustentabilidade e soft skills. «Compreendendo as necessidades actuais, mas também sempre as futuras, já dispúnhamos de oferta nessas áreas, o que nos permitiu uma resposta mais célere às necessidades das pessoas e empresas. No entanto, não definiríamos como uma procura por acesso mais rápido a competências o desafio actual, mas sim mais cómodo e seguro, independentemente da duração», acrescenta o responsável. Deste modo, a instituição lançou pós-graduações, que são programas estruturantes e tendencialmente longos, que o mercado está a acolher muito bem. As pessoas e empresas, mais do que nunca, compreendem que as decisões devem ser estratégicas e não focadas no curto prazo, e isso dá espaço a procura por programas mais curtos, mas sem quebra, pelo contrário até, em programas mais longos.

«O maior desafio será sempre ter uma oferta que responda às necessidades dos profissionais, empresas e organizações. O equilíbrio aparecerá sempre em função desse acerto. Pode acontecer chegarmos com programas cedo de mais ao mercado, não tendo a resposta imediata que contávamos, mas que a qualquer momento passarão a ter picos de procura», sublinha Luís Cardoso, Presidente do ISEG Executive Education, à Executive Digest.

SOLUÇÕES

A aposta nas Pós-Graduações Blended é algo que naturalmente vem dar resposta a muitos desafios que 2020 criou a todos, mas é mais do que isso. Há algum tempo que o ISEG Executive Education tinha estrategicamente definido esta aposta, principalmente para profissionais que não residem na zona da Grande Lisboa e, por esse motivo, apesar do interesse, não tinham a possibilidade de realizar uma Pós-Graduação na instituição. Com esta solução, mantendo momentos presenciais cruciais para o envolvimento com a escola, realização de metodologias activas e networking, que é tão importante neste tipo de programas. No que se refere às soluções customizadas, há mais tempo que este formato era aplicado e continuará naturalmente a sê-lo, pelas excelentes avaliações que tem recebido.

Os participantes procuram a melhor solução de formação para os seus objetivos, que nuns casos será o presencial noutros será o blended learning. «O que conseguimos concluir é que existindo a possibilidade de realizarem em presencial, no caso da formação executiva, é a opção primordial, pela consciência da importância que tem o networking e as metodologias activas, recai no presencial. No entanto, em alguns casos, como referido, o blended learning é uma excelente opção para realizar formações que há muito procuravam e ainda não tinham tido oportunidade, designadamente pela distância geográfica», sublinha Luís Cardoso.

As soft skills, que já estavam presentes na generalidade dos programas, têm vindo a tornar-se cada vez mais preponderantes, tal como as melhores escolas internacionais. Entretanto, o ISEG Executive Education tem vindo a lançar programas nessa área concretamente programas de curta duração, High Performance Leadership, e uma Pós-graduação em Liderança e Gestão de Equipas, que se revestem de especial importância num contexto em que muitas equipas trabalham à distância e não se pode perder o foco do que são os valores e objectivos da organização, mantendo a motivação e engagement de todos os colaboradores.

CUSTOMIZADOS

Em 2020, a instituição desenvolveu vários projectos customizados em áreas distintas. São de salientar pela sua envergadura, o trabalho desenvolvido com os managers da Fidelidade e com os coordenadores da CGD. Ambos os projectos assentam em mudança comportamental suportada por competências de gestão. A learning journey inclui um assessment 360º para que cada participante possa compreender o seu ponto de partida, através do debrief do relatório individual e da concepção de um plano de desenvolvimento individual suportado por acções concretas. Seguem-se os módulos em que, de forma muito prática, instrumental e interactiva são desenvolvidas várias competências indispensáveis ao bom desempenho das respectivas funções e um sprint de inovação que culmina com a apresentação de trabalhos de grupo aplicados à realidade da empresa. Esta sessão final, conta com responsáveis das organizações com poder para implementar as sugestões. «Temos recebido óptimo feedback deste trabalho quer dos participantes, quer das próprias empresas. Este modelo híbrido que combina diversas metodologias, formatos e métodos de trabalho tem-se mostrado muito valioso e estamos a trabalhar no seu aperfeiçoamento », revela Luís Cardoso.

Também o mercado internacional, nomeadamente de expressão portuguesa, faz parte da oferta da instituição e o online abre novas hipóteses. Um exemplo foi uma Pós-graduação realizada em Angola totalmente online, mas que não exclui a importância do presencial, tendo sido realizado um programa em São Tomé e Príncipe totalmente presencial. «Nesse sentido, a nossa aposta é encontrar a melhor solução para cada caso e contexto, como é apanágio das soluções customizadas. Em parceria com a empresa ou organização, desenhamos o programa que responde às necessidades identificadas – e muitas vezes a outras que ainda não tinham sido identificadas! – e o formato é apenas um dos pilares, que tem importância, mas não é central», conclui Luís Cardoso, Presidente do ISEG Executive Education, à Executive Digest.

Este artigo faz parte do Caderno Especial “MBA, Pós-Graduações & Formação de Executivos”, publicado na edição de Março (n.º 180) da Executive Digest.

Ler Mais


Artigos relacionados
Comentários
Loading...