COVID-19: onde estão os consumidores a gastar dinheiro?

Com uma possível recessão a caminho, as empresas devem estar atentas a oportunidades e nichos de negócio para que saibam em que direcção apontar todos os recursos e esforços. Um estudo realizado pela plataforma online Yelp revela que os comportamentos dos consumidores já estão a mudar, impactados pelo novo coronavírus e pelo cenário de pandemia em que o Mundo se encontra.

Em traços gerais, os bens que não sejam essenciais e os serviços deverão sofrer mais do que as empresas com soluções low-cost, por exemplo. Elaborado com base na realidade norte-americana, o estudo mostra que os interesses e as necessidades da população têm vindo a sofrer alterações desde meados de Fevereiro.

Desde então, negócios associados a locais onde as pessoas se encontram, como restaurantes, discotecas ou até estúdios de yoga, viram a procura afundar de uma forma generalizada (mesmo antes de se verem obrigados a fechar portas). Por outro lado, serviços de entrega de comida ao domicílio, farmácias e marcas de equipamento desportivo, por exemplo, apresentam subidas nas vendas.

A Inc. alerta, porém, que a análise a estes resultados evidencia uma conclusão menos óbvia: não é que a restauração seja, obrigatoriamente, um dos sectores mais afectados – até porque tem apostado em home delivery ou take-away para compensar a pouca afluência. Segundo o estudo da Yelp, pizzarias e cadeias de fast food dão conta de resultados positivos, o que poderá significar que os consuidores continuam a comprar refeições, mas optam por propostas mais baratas.

Além do factor dinheiro, pesa ainda o facto interacção. Os consumidores querem serviços que não impliquem muito contacto humano, seguindo as recomendações que começaram a ser divulgadas pelas autoridades de saúde no último mês.

Artigos relacionados

Exclusivo MIT - Massachusetts Institute of Technology

Dormir. Factor determinante no desempenho profissional?

Pesquisas mostram que a falta de sono tem várias consequências que podem afectar negativamente o desempenho profissional. Então por que razão tantos locais de trabalho modernos condenam práticas que não ajudam a bons horários de sono?
Comentários
Loading...

Multipublicações