Covid-19: Vacina da Moderna tem mais efeitos secundários do que a da Pfizer, apontam estudos

A vacina contra o coronavírus da Moderna é eficaz contra a propagação de novas variantes, mas é mais provável de causar efeitos secundários do que a da Pfizer, de acordo com estudos norte-americanos.

Os investigadores das universidades de Duke e Emory, nos Estados Unidos, descobriram que a vacina da Moderna funciona contra a variante britânica Kent, que é dominante tanto nos Estados Unidos como no Reino Unido, bem como contra a variante da Califórnia. Para alem disso, os resultados mostram que o mesmo fármaco origina anticorpos que se mantêm no sangue durante pelo menos seis meses após a segunda dose.

No entanto, os especialistas sublinham que a vacina pode causar mais efeitos secundários do que uma semelhante da Pfizer, com até três quartos dos recetores a reportar dor no local da infeção ou dores de cabeça.

Segundo a pesquisa, após a primeira dose, as pessoas que receberam a inoculação de Moderna tinham maior probabilidade de reportar efeitos secundários. Por exemplo, 73,9% dos vacinados com a Moderna reportaram uma reação no local da injeção, como dor ou vermelhidão, em comparação com 65,4% das pessoas que receberam a vacina da Pfizer.

Para além disso, 51,7% daqueles que receberam o fármaco da Moderna reportaram reações como dor de cabeça, febre ou arrepios, em comparação com 48% no caso da Pfizer.

A disparidade entre as duas vacinas aumentou após a segunda dose. Um total de 81,9% dos que receberam Moderna relataram uma reação no local da injeção e 74,8% relataram outros efeitos colaterais. Comparativamente, 68,6% daqueles que receberam a injeção da Pfizer relataram reações no local da vacina e 64,2% tiveram outros sintomas.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...