Delta Cafés: criação de valor

EXECUTIVE DIGEST CONTENTS

A inovação é, sem dúvida, um dos pilares estratégicos e uma área crítica para a sustentabilidade do negócio do grupo.

A Delta tem feito uma aposta clara na criação de valor, através da inovação que incorpora nos seus produtos, serviços e modelos de negócio. Essa aposta faz parte de uma estratégia traçada há uns anos atrás, formalizada na Diverge – Centro de Inovação do Grupo Nabeiro. Este centro é constituído por uma equipa multidisciplinar que assegura várias áreas de competência da área de inovação.

Para além da inovação corporativa, esta equipa multidisciplinar dedica-se à investigação científica e ao desenvolvimento de novos produtos. Por outras palavras, a Diverge trabalha transversalmente com todas as áreas do Grupo e unidades de negócio, garantindo o alinhamento e suportando a estratégia de inovação assente no Modelo de Inovação da Delta, o MIND.

«Garantimos o envolvimento de todos, e a possibilidade de participar no processo da inovação que chega a todas as camadas da organização. Qualquer colaborador da organização pode participar numa plataforma de ideias e é elegível para participar nas iniciativas do Programa de Inovação. Ao longo dos últimos anos, desenvolvemos programas presenciais que fomentam a cultura de inovação na organização e o empreendedorismo dos colaboradores de todas as áreas», explica Cláudia Figueira, Head of Innovation do Grupo Nabeiro.

A Inovação na Delta caracteriza- -se sobretudo, por ser um processo end-to-end innovation, ou seja, a equipa Diverge está capacitada para envolver a organização no processo de inovação, gerir o processo de geração e validação de ideias, desenvolver as actividades de investigação, vigilância tecnológica e de mercado e executar o desenvolvimento de produtos alimentares e equipamentos até à sua industrialização.

«Somos muito orientados ao mercado, daí transformarmos ideias em produtos e serviços com vida comercial», acrescenta Cláudia Figueira. A Inovação é, sem dúvida, um dos pilares estratégicos e uma área crítica para a sustentabilidade do negócio do Grupo. Hoje, mais de 80% do crescimento da organização advém de novos produtos que foram lançados nos últimos cinco anos, o que é um excelente indicativo dos resultados do investimento em inovação.

CRIATIVIDADE

«O investimento também é visível no que diz respeito às invenções criadas, pois já contamos com um portefólio de propriedade intelectual de 32 patentes concedidas. No mercado, foram lançados vários projectos inovadores como My Qoffee, blends Chef Collections, Go Chill, Croffee, Slow Coffee, Delta Q das farmácias MINDboost e OSTEOboost e os novos sistemas tecnológicos Qoffee Qar, WalQ, Bruma e o sistema revolucionário de extração RISe», refere a Head of Innovation do Grupo Nabeiro.

O desafio constante é ter a capacidade de criar tendências e oferecer ao mercado, produtos e serviços que surpreendam os consumidores. Só desde o ano passado é que são associados da Startup Lisboa, apesar de desde muito cedo partilharem a mesma visão. Esta é, sem dúvida, mais uma forma da Delta apoiar o ecossistema de inovação e estar mais próxima do tecido empreendedor.

De forma a beneficiar de todo este ambiente, logo que as obras estejam concluídas no edifício da Startup Lisboa, vão mobilizar a Diverge – Centro de Inovação do Grupo Nabeiro, que actualmente está sediada no Parque das Nações, para o Hub Criativo do Beato. Estar mais perto do ecossistema de inovação e poder contribuir e usufruir do espírito empreendedor e criativo dos restantes residentes, é uma mais valia para a Delta.

No mesmo edifício vão incluir também um espaço aberto ao público onde vão proporcionar um mundo de experiências à volta do café. O DisrUption foi o primeiro Programa de Inovação aberta do Grupo que veio reafirmar o compromisso no apoio às startups. «Logo no lançamento do programa tivemos bons indícios da nossa atractividade para as startups nacionais e internacionais, pois no espaço de um mês recebemos 115 candidaturas, das quais 49% startups internacionais.
Durante um período de cinco meses, estivemos a trabalhar com grande proximidade com as seis startups seleccionadas que foram orientadas por mentores internos da nossa organização e, também advisors externos. Durante todo este processo tivemos como objectivo validar o modelo de negócio e proposta de valor para a realidade do Grupo Nabeiro, preparando as startups da melhor forma para o Pitch final. Continuamos muito entusiasmados com estes projectos e actualmente estamos a desenvolver o projecto piloto já com o modelo de negócio adaptado à cadeia de valor do Grupo Nabeiro», sublinha Cláudia Figueira.

TRANSFORMAÇÃO

O Grupo procura ser um agente activo no ecossistema de startups e fomentar a inovação em diferentes áreas de negócio. Isto também se reflecte na abordagem à inovação aberta que comporta várias formas de trabalhar com as startups. Iniciámos a relação com o ecossistema de startups em 2015, quando desenvolvemos a partir da ideia inicial do fundador da Follow Inspiration, um novo e disruptivo serviço de café – o Qoffee Qar, um robot autónomo autodirigido que permite levar o café ao consumidor.

«Não temos barreiras à inovação e estamos sempre disponíveis para ouvir uma boa ideia. No entanto, a área da Saúde e Bem-estar, o impacto responsável e as novas experiências que respondam às necessidades dos consumidores serão sempre áreas que nos despertam o interesse», acrescenta Cláudia Figueira. Portugal revela bons níveis de empreendedorismo face à média europeia. Um país que na sua génese nunca teve receio em arriscar, nos últimos anos tem- -se destacado no ecossistema da inovação.

As startups portuguesas são cada vez mais dinâmicas e inovadoras e o reconhecimento a nível internacional é cada vez mais significativo. «Acreditamos que este já é o resultado de uma estratégia nacional para o empreendedorismo que tem criado as melhores condições possíveis para apoiar as startups portuguesas. No Web Summit, que a Delta apoia desde a sua primeira edição em Portugal, vejo cada vez mais startups portuguesas a participar o que é um excelente indicador da saúde do nosso ecossistema.

É importante continuarmos a consolidar esta posição!», refere Cláudia Figueira. A nota positiva ao ecossistema português é também fruto da perseverança dos empreendedores portugueses. Sabe-se que a taxa de insucesso das empresas nos primeiros cincos anos de existência é alta. Na maioria das vezes a falta de análise financeira, validação de mercado e planeamento são os principais factores.

Para a Head of Innovation do Grupo Nabeiro, a capacidade de resiliência dos empreendedores tem sido fundamental para ultrapassar as dificuldades iniciais e acredita que nesta nova fase que a sociedade está a viver, devido aos impactos económicos da pandemia a nível mundial, mais do que nunca as capacidades dos empreendedores voltarão a ser um dos maiores activos de inovação para reerguer as economias locais.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...