A crise é geral, o plano tem de ser geral!

Por Ricardo Florêncio

Em Março, a larga maioria das empresas apresentava uma situação estável, equilibrada, pelo que tinha oxigénio, reservas para fazer face ao primeiro embate. Hoje, o panorama é completamente diferente. Já não há reservas, pois foram todas consumidas nestes últimos meses. E as que há, são fruto de empréstimos, que os empresários sabem que, mais tarde ou mais cedo, com mais moratória, menos moratória, terão de pagar. Agora, é preciso um novo esforço. E as empresas, já de si descapitalizadas, terão de pedir novos empréstimos para passar mais esta fase. Algumas já não têm condições para o fazer, noutros casos os empresários questionam-se se valerá a pena pedir, ou se terão interesse, confiança, para os solicitar. Esta é a situação actual. E é geral. Poderá haver sectores mais visíveis, que estejam a ser mais mediatizados. Mas não tenhamos dúvidas nenhumas que é geral, transversal a todos os sectores de actividade, pois esta situação impacta tudo e todos, já que estão todos correlacionados.

O plano tem de ser geral e global, que abranja todos os sectores de actividade, da indústria aos serviços, da produção à distribuição, pois valerá de pouco estar a tentar salvar alguns deles, se depois todos os outros não tiverem condições para continuar a funcionar. Assim, permitam-me voltar a repetir o que tenho insistido neste espaço – sem empresas não há economia, não há produção de riqueza, não há emprego!!!

Editorial publicado na revista Executive Digest nº 176 de Novembro de 2020


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.