10 fintechs a manter debaixo de olho

Vivemos tempos fascinantes no que às fintech diz respeito. A conclusão é do Business Insider Intelligence, que decidiu criar uma lista com as 10 startups do sector a manter debaixo de olho, uma vez que as fintech já não são apenas uma força disruptiva num mercado tradicional. Já fazem parte do dia-a-dia de muitas pessoas e conseguiram arrecadar 32,6 mil milhões de dólares (29,8 mil milhões de euros) em financiamento.

A lista conta com startups como a Coconut, nascida no Reino Unido e dedicada ao desenvolvimento de soluções de contabilidade para pequenas e médias empresas. A Brex também é apontada pelo Business Insider Intelligence: trata-se de uma fintech norte-americana que disponibiliza cartões de crédito corporativos.

Sem ordem aparente, a lista inclui ainda a TrueLayers e a Raisin. A primeira é britânica e fornece APIs a financeiras, ajudando-as a tirar o melhor partido possível do Open Banking, por exemplo. A segunda chega da Alemanha e funciona como um marketplace para soluções de poupança e investimento.

A britânica Anorak também faz parte desta selecção graças ao aconselhamento que oferece no campo dos seguros de vida, ao passo que a norte-americana SoFi é destacada pelo serviço online de gestão de finanças pessoais que desenvolveu.

Também dos Estados Unidos da América chega a Lending Express, uma plataforma de empréstimos focada nas pequenas e médias empresas que ajuda na captação de financiamento. O Volt Bank, por seu turno, é australiano e assume o título de neobank: é o primeiro banco 100% digital deste país.

Destaque ainda para a Bowtie e para a Wefox. Com sede em Hong Kong, a Bowtie opera na área dos seguros de vida, sendo a primeira insurtech desta geografia a receber uma licença para actividade exclusivamente online. Já a Wefox é uma startup alemã que liga seguradoras a mediadores que atendem os seus clientes através de uma plataforma digital.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Domino’s Pizza vai deixar quatro mercados europeus
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo