Randstad Insight: Randstad Workmonitor – Segundo trimestre 2018

As equipas que atravessam várias gerações são inovadoras, criativas e atractivas.

Falando sobre as várias gerações na força de trabalho, 86% dos inquiridos globais preferem trabalhar em equipas compostas por diversas gerações, segundo o mais recente Randstad Workmonitor.

Entre os inquiridos no estudo, 85% declaram-se como estando a trabalhar numa equipa com várias gerações (ou seja, com uma diferença de idade de 10-15 anos) – e revelam que graças a isso conseguem chegar a ideias e soluções inovadoras.

A colaboração entre gerações é considerada mutuamente benéfica na sua empresa, afirmam 85% dos inquiridos. Em relação à comunicação, 80% sentem que a principal diferença de trabalhar num ambiente de trabalho com várias gerações é os estilos de comunicação, enquanto 31% consideram difícil comunicar com colegas de diferentes faixas etárias ou gerações.

Superior hierárquico

Embora 83% dos inquiridos acreditem, em termos gerais, que a idade do seu superior hierárquico não é importante desde que ele saiba inspirar, 69% preferem que o seu superior hierárquico seja mais velho, com Hong Kong a atingir a classificação mais alta (86%).

A maioria dos inquiridos (77%) afirma que o seu superior hierárquico consegue trabalhar com várias gerações e 69% revelam que o seu superior hierárquico se preocupa com o seu percurso profissional, tendo a Índia a classificação mais alta (87%).

Ligação a redes sociais

No que toca às ligações nas redes sociais como o Facebook ou o Instagram, globalmente os inquiridos estão mais frequentemente ligados aos seus colegas (61%) do que ao seu superior hierárquico (35%). Os inquiridos na Índia e do Brasil têm a maior taxa de ligação aos seus colegas (86%). Já os inquiridos de França e do Japão têm as taxas mais baixas (com 36 e 19%, respectivamente).

Ao olharmos para a ligação ao superior hierárquico, a Índia tem de novo a classificação mais alta com 67% e o Japão de novo a mais baixa com apenas 10%.

Ao falarmos de idades, os homens na faixa etária 18-24 anos de idade estão muitas vezes mais ligados ao seu superior hierárquico (47%) do que as suas homólogas femininas (38%).

Índice de mobilidade

O número de colaboradores por todo o mundo que espera estar a trabalhar para um empregador diferente nos próximos seis meses subiu ligeiramente e resultou num Índice de Mobilidade de 110.

A mobilidade aumentou mais na Turquia (+9), Polónia (+7), EUA (+5), Brasil e Itália (ambos com +4).

A mobilidade desceu mais na França e na República Checa (ambas com -5), Suécia e China (ambas com -4). A Singapura e o Reino Unido não demonstraram qualquer alteração na mobilidade.

Mudança de emprego

A mudança efectiva de emprego mantém-se estável nos 22% e mais uma vez é mais alta na Índia (46,6%).

Em comparação com o último trimestre, a mudança efectiva de emprego aumentou no Canadá, México, Polónia, Singapura e Turquia.

Na Austrália, China, República Checa e Itália a mudança efectiva de emprego diminuiu em comparação com o último trimestre, mas continua a ser mais baixa no Luxemburgo (8%), seguido da Roménia (12%), um país novo a participar no inquérito.

Mudar de emprego

A vontade de mudar de emprego aumentou na Austrália, México, Polónia, Portugal, Espanha, Suécia, Holanda, Reino Unido e EUA em comparação com o último trimestre, diminuindo apenas na Itália.

A vontade de mudar de emprego continua a ser mais alta na Índia (42%) e mais baixa na Turquia (16%).

Satisfação com o emprego

Em comparação com o trimestre anterior, a satisfação com o emprego aumentou na Itália e no Japão, mas diminuiu na Bélgica, Canadá, Hong Kong, Malásia, Portugal, Singapura, Suécia e Suíça.

Tal como no último trimestre, a satisfação com o emprego é mais alta no México (84%) e mais baixa no Japão (50%).

FICHA TÉCNICA | O estudo é feito online a colaboradores com idades entre os 18 e os 65 anos, que trabalham no mínimo 24 horas por semana num emprego pago (excluindo empresários por conta própria). A amostra mínima é de 400 entrevistas por país.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 149 de Agosto de 2018.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Artigos de pele portugueses inspiram campanha
Automonitor
Renault apostada na eletrificação em 2020