O “sarampo” português

A propósito de uma entrevista sobre o vírus do sarampo, resolvi efectuar um paralelismo com o momento económico do nosso País nos últimos anos e o nosso estado de espírito como cidadãos portugueses.

Por Nelson Ferreira Pires, director-geral da Jaba Recordati

Uma espéciede silepse intelectual para ver como nós, portugueses, somos um povo melancólico que se alimenta da imaginação e do sonho. Não quero com este artigo de opinião, desrespeitar ou minimizar o sofrimento dos doentes que sofrem com esta patologia que pode ser mortal. Muito pelo contrário, até fazer alguma formação para a saúde de uma forma disruptiva, respeitando aqueles que já sofreram ou sofrem com esta doença. Por outro lado, e de forma transparente, manifestar a minha falta total de conflito de interesse político e ideológico neste texto, apenas querendo manifestar, ou alertar, para aquilo que julgo nos está a acontecer a todos. Como bons portugueses que somos, estamos a viver o sonho do crescimento, provavelmente cedo demais!

No início de 2017, um estudo da Aximage mostrava que o grupo de portugueses que achava que a economia iria piorar no ano seguinte era substancialmente mais elevado que em Março de 2018. Pela primeira vez nesta legislatura, as perspectivas económicas sobre o curto prazo (39,4% acham quevai ser melhor e 46,4% igual) são melhores que o longo prazo.

No início de 2017, a diferença chegava aos 17 pontos, dando vantagem ao longo prazo (três anos), mostrando a insegurança em relação ao imediato, ao dia seguinte. Mudamos rapidamente de opinião, como se pode ver. Neste caso pela positiva! E os motivos e sinais que nos entram pela porta, são muitos: em 2017 e já no início de 2018, os juros da dívida portuguesa caíram para mínimos de 2015, as remessas dos emigrantes sobem 3%, o PIB cresce 2,7% essencialmente devido ao aumento da procura interna, o número de dormidas turísticas cresceu +8%, a taxa de desemprego ficou nos 8% em 2017, a saída da classificação de ‘lixo’ por duas das principais agências mundiais de notação de risco… Ou seja, sinais muito positivos na vida macroeconómica, que nos fazem acalentar o sonho de que a crise passou e que vamos viver melhor. E começamos a exigir: mais salários, mais subsídios, mais condições, menos impostos, mais acesso… Porque acreditamos – como cidadãos – nos números e nas análises macroeconómicas que não entendemos bem; ou acreditamos na maior parte dos economistas que falham redondamente nas suas previsões, mas que nos “mostram a luz ao fundo do túnel”.

E assim como a crise, também o sarampo tinha quase desaparecido dos indicadores de saúde. Infelizmente, até há poucos dias atrás… O que nos leva a repetir as mesmas questões, no nosso exercício de silepse intelectual, afinal o que aconteceu?

Supusemos que a vacinação do sarampo era um facto universal e que era eficaz a 100%. O que não é verdade, pois apenas é eficaz em cerca de 90% dos casos e existe uma faixa da população que não é vacinada. O mesmo está a acontecer na economia real, supomos que tudo está bem, as pessoas a viver melhor porque o PIB cresce 2,7%. No entanto os números mais recentes do EU-SILC dão conta que, em Portugal, 10,8% dos trabalhadores estão em risco de pobreza (a taxa para população em geral é 18,3%). E que segundo a Comissão Europeia, pasme-se, Portugal é um dos países onde o rendimento dos agregados familiares se mantém a níveis inferiores a 2008. Então se existe risco, a que sintomas se deve estar atento? No sarampo, à febre, conjuntivite, pingo no nariz, falta de força, erupção cutânea. Ou seja, os mesmos sintomas da gripe, podendo ser mascarados erroneamente. O mesmo pode acontecer ao nosso entusiasmo desenfreado com os indicadores macroeconómicos de redução do desemprego para cerca de 8% por exemplo, quando sabemos que a “taxa de desemprego redimensionada” (entre os “desencorajados” que desistiram de procurar, os indisponíveis para trabalhar, os trabalhadores em part-time à força e os “ocupados” do IEFP), ou seja o desemprego real fixava-se nos 17,5%, no final de 2017. Quando os “Inactivos desencorajados” aumentaram 82%, de 142,7 mil para 259,5 mil Portugueses. Ou, por outro lado, no sector privado os precários já representam cerca de um terço dos trabalhadores. Sinais preocupantes de sintomas microlaborais que se estão a tornar macrolaborais.

Mas, afinal, quais são os perigos reais do sarampo? Ou seja, a doença tem carácter de doença aguda mas pode complicar-se? Pode, se provocar pneumonia ou encefalite (lesão cerebral). Esses casos podem ser graves, até mortais. Sendo um vírus, não há muito tratamento para o sarampo.

A par do sarampo, a mesma “encefalia” agora económica pode acontecer – infelizmente e esperemos que não – com a nossa economia, chamada de dependente. Dependente de outras economias mais fortes, nomeadamente de medidas como a reversão da política monetária do BCE que, a ocorrer, colocará uma maior pressão nas taxas de juro da dívida pública; do risco de abrandamento da economia espanhola, dado ser o nosso mais importante parceiro de exportação; da real subida do preço do barril de petróleo Brent acima dos 70 dólares ocorrida já em 2018; da falta recorrente de financiamento das empresas portuguesas pela Banca; pelo abrandamento do emprego; pelo risco cíclico do turismo; pelo aumento da carga fiscal que se verifica em 2018 (peso no PIB de 25,2%), entre muitos outros factores que não controlamos, por sermos dependentes. Então como controlamos esta doença? Como se transmite o sarampo? O Sarampo transmite-se através do contacto de pessoa para pessoa. Por espirros, tosse, conversa.Controlamos através da vacinação.

O mesmo deve passar na economia e sociedade portuguesa, com medidas estruturais, que sejam transversais e não só conjunturais. Medidas de redução efectiva da despesa pública não efectiva, de estímulo à poupança; de políticas de estímulo ao investimento económico duradouro e de valor acrescentado; de flexibilização laboral que estimulem o emprego e não aumentem a precariedade; de reforma do sistema judicial; criação de um novo modelo educativo de forma a torná-lo mais eficiente e competitivo; de criação de clusters económicos de conhecimento onde possamos ser competitivos; do SNS com o cidadão no centro do sistema, entre outras. Medidas que nos podem permitir “vacinar” para que o impacto de novas epidemias não seja tão nefasto para a nossa vida!

Por último, deixo-vos com uma filosofia de vida – “Em tempos de crise muitos choram, mas alguns vendem lenços de papel”!

Este artigo foi publicado na edição de Abril de 2018 da revista Executive Digest.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Matrics quer revolucionar mercado do gaming em Portugal
Automonitor
Alpine A110S é uma versão ainda mais exclusiva