EDP: Eficiência energética

EXECUTIVE DIGEST CONTENTS

O Grupo EDP está comprometido com oito dos dezassete objectivos de desenvolvimento sustentável. Isto traduz-se numa estratégia a longo prazo em diversos vectores, sendo a eficiência energética um dos seus pilares fundamentais.

No contexto de pandemia que vivemos actualmente, com uma redução drástica de circulação de pessoas e mercadorias e o consequente impacto nas emissões de CO2, a mobilidade tem desafios acrescidos. Agora, mais do que nunca, é preciso dar prioridade a uma transição energética e o sector dos transportes assume um lugar de destaque. Sendo imperativo actuar não só ao nível das emissões de CO2, mas também na redução do consumo de combustíveis fósseis.

A mobilidade eléctrica é estratégica para a EDP Comercial e tem sido feito um investimento significativo no desenvolvimento de produtos e soluções para dar resposta a um mercado cada vez mais exigente. «Actualmente, os nossos clientes já têm necessidades muito claras de mobilidade eléctrica e olham para a EDP como o parceiro natural, pelo que acreditamos que este será um vector de crescimento de negócio importante a longo prazo.

Todos os dias investimos na criação de parcerias com players de vários sectores tendo não só em vista o alargamento da infra-estrutura de carregamento, mas também a electrificação de frotas. Em 2019, anunciámos um conjunto de parcerias para o alargamento da nossa rede de carregamento público, em que nos comprometemos com o investimento na instalação de 300 pontos de carregamento até final de 2020», explica fonte oficial da EDP. Enquanto Comercializadora de Electricidade para a Mobilidade Eléctrica (CEME), a EDP Comercial garante que a energia carregada com o cartão Mobilidade Eléctrica EDP é de origem 100% renovável.

No final do primeiro trimestre, mais de 17 mil cartões CEME activos já usufruem de carregamento com energia 100% verde e sem emissões de CO2. A EDP pretende assumir um papel de liderança no âmbito da transição energética que passa pela mobilidade eléctrica, área através da qual tem a ambição de atingir um milhão de clientes com soluções de mobilidade eléctrica. A própria EDP dará internamente passos nesse sentido e quer electrificar 100% da frota ligeira (mais de 3000 veículos), com o objectivo de reduzir 70% das emissões de CO2 até 2030. Reforçando este compromisso, a EDP aderiu à iniciativa EV100, do The Climate Group.

Os membros desta iniciativa, são empresas focadas na aceleração da adopção de veículos eléctricos e que se comprometeram com a descarbonização, definindo objectivos concretos de renovação das suas frotas para veículos eléctricos até 2030. SUSTENTATIBILIDADE O grupo EDP está comprometido com oito dos dezassete Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. Isto traduz-se numa estratégia a longo prazo em diversos vectores, sendo a eficiência energética um dos seus pilares fundamentais.

Uma das apostas nesta área de actuação é a electrificação de consumos através da oferta de produtos e serviços inovadores como a Geração Solar, promoção da mobilidade eléctrica e a app edp re:dy. Esta estratégia deverá permitir aos clientes em todas as geografias poupar 5 TWh de energia eléctrica até 2022. Este objectivo inclui igualmente as medidas levadas a cabo pela EDP no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica, coordenado pela ERSE. A EDP, principal dinamizador deste programa voluntário, concorre desde 2007 e já realizou mais de 70 projectos (entre medidas tangíveis e intangíveis), permitindo uma poupança global acumulada de cerca de 3 TWh de energia eléctrica e evitando a emissão de mais de 800 mil toneladas de CO2.

O compromisso maior em relação a todos os nossos stakeholders é que a eficiência energética se materialize em menos consumo de energia, mas sempre com o foco em manter ou melhorar o nível de conforto. «Um dos valores da nossa marca é ser humana e isso passa por sermos profundamente fiéis aos nossos clientes, comunidades e parceiros. Acreditamos que uma das formas de contribuir é estabelecer parcerias deste género. No caso da eficiência energética, a aposta está em projectos de gestão como o caso de sucesso “Save to Compete”. Lançado em 2012 em parceria com a Confederação da Indústria Portuguesa, tem como objectivo melhorar a competitividade das indústrias através de um consumo mais eficiente de energia», diz fonte oficial da empresa. Com este modelo de negócio inovador, a EDP investe directamente no projecto dos seus clientes, identificando potenciais medidas para redução do consumo de energia, sendo o investimento pago através das poupanças geradas.

Ao longo destes anos, o programa já permitiu às empresas aderentes uma poupança de cerca de 30 milhões de euros, 321 GWh de energia poupada e 116 mil toneladas de emissões de CO2 evitadas. A estratégia passa igualmente por desenvolver parcerias com os municípios para o desenvolvimento de soluções de iluminação pública eficientes e de telegestão que permitam essa poupança.

Em finais de 2019, foram instaladas aproximadamente 683 mil luminárias LED, correspondentes a cerca de 22% do parque total de luminárias IP em Portugal. Desta forma, a EDP está a contribuir para aceleração de um modelo de desenvolvimento mais sustentável e, em última análise, para cidades mais eficientes.

OFERTA

A EDP tem procurado dar resposta às necessidades de carregamento dos clientes nas suas casas (moradias ou condomínios), mas também às empresas que pretendem investir na mobilidade eléctrica, através do desenvolvimento de soluções para frotas e da celebração de parcerias com players do sector, nomeadamente fabricantes de automóveis e gestoras de frotas.

«Vamos continuar a investir na nossa oferta para a rede pública, através da disponibilização de tarifários competitivos e no aumento significativo do número de pontos de carregamento, com o objectivo de levar a mobilidade eléctrica a cada vez mais pontos do País e a mais pessoas», explica fonte oficial da empresa. Assim, disponibiliza a EV.X – uma aplicação que simula o dia-a-dia dos utilizadores com um veículo eléctrico.

A EV.X está disponível para Android e iOS e através do registo das viagens efectuadas por cada utilizador, é possível consultar as poupanças ocorridas caso o utilizador conduza um veículo eléctrico, por comparação com o seu veículo a combustão. A app já distinguida pela ACEPI como “Melhor App Automóvel” e pelo Laboratório Nacional de Energia Renovável dos EUA (NREL) como o único caso de sucesso de uma tecnologia desenvolvida por uma utility europeia, conta já com mais de 410 mil viagens e mais de 7.6M km registados. Desde o lançamento da app, os utilizadores da app EV.X teriam poupado no total 315k euros por terem optado por uma opção de mobilidade mais sustentável.

Mais concretamente e tendo como base os dados médios de utilização, 82% das viagens realizadas não tiveram necessidade de carregamento e 0,76 euros é a poupança média em cada viagem. Dados que pretendem desmistificar um dos principais receios na compra de um veículo eléctrico: a autonomia. Mas o impacto ambiental é também um factor a ter em conta, cada utilizador pode também consultar o CO2 poupado nas suas viagens. No total, os utilizadores da app teriam evitado mais de 290 ton de CO2.

RENOVÁVEIS

As energias renováveis, têm uma grande influência nas comunidades locais. Os activos são normalmente construídos em locais remotos, trazendo benefícios económicos positivos directos ou indirectos para as comunidades locais, ao mesmo tempo que contribuem para a luta global contra as alterações climáticas. A visão da EDP Renováveis é ser uma empresa global de energias renováveis, líder na criação de valor, inovação e sustentabilidade.

«Na EDP Renováveis, trabalhamos para promover o bem- -estar e o desenvolvimento não só das comunidades onde actuamos mas também da sociedade em geral, centrando-nos nas pessoas que contribuem para a sucesso do nosso negócio e como a sociedade pode beneficiar com ele», sublinha fonte oficial da EDP.

Importa ainda referir que a EDPR tem também um compromisso com a «Global Compact», uma iniciativa de responsabilidade corporativa promovida pelas Nações Unidas. Ao incorporar os princípios do «Global Compact» na sua estratégia, políticas e procedimentos, e ao estabelecer uma cultura de integridade, a empresa cumpre não só com suas responsabilidades básicas perante as pessoas e o planeta, mas garante também uma estratégia a longo prazo.

A EDP Renováveis é também líder mundial na geração de energia eólica e, hoje, um dos objectivos estratégicos da companhia é crescer e diversificar as áreas de negócio. Entre eles, um dos objectivos é crescer na geração solar, a nível global, aproveitando a crescente competitividade desta tecnologia. Dado os actuais activos solares operacionais da EDPR e os 1,2 GW de projectos solares já contratados, o portefólio da EDPR aumentará a sua diversificação tecnológica e alcançará 1,5 GW de capacidade solar em 2022.

Actualmente, a EDPR tem assegurado 80% dos 7,0 GW de capacidade build-out eólica e solar prevista para o período de 2019-2022, conforme anunciado no Strategic Update de março de 2019. Destacando alguns projectos, recentemente a companhia assinou um contrato de compra e venda de energia eléctrica (PPA, na sigla em inglês) com a Royal DSM, uma empresa científica global em nutrição, saúde e vida sustentável, para fornecer 59 MW de electricidade renovável para as operações da empresa na Europa.

A carteira é composta por um parque eólico e dois parques de energia solar. No México a empresa também assegurou um Contrato de Compra de Energia (“CAE”) a Ammper Energía S.A.P.I. de C.V. (“AMMPER”) para a venda da electricidade a ser produzida pelo parque solar pv Los Cuervos de 200 MW.

Actualmente a EDP Renováveis está a desenvolver um projecto, localizado no estado brasileiro de Paraíba, com uma capacidade total de 66 MW e o início de operações está esperado para 2022. O novo projecto solar aumenta a diversificação tecnológica do portefólio da EDPR e sua capacidade solar total deverá atingir 1,3 GW em 2022. Também destacar que a EDP Renováveis está a fazer progressos significativos na área de armazenamento de energia, nomeadamente por via dos projectos desenvolvidos no parque eólico de Cobadin e na central solar de Bailesti, ambos na Roménia.

Apesar de se encontrar em fase de amadurecimento, esta tecnologia tem permitido corrigir o chamado “imbalance” da rede, o que a torna exportável para outros países onde a rede pode ser deficitária, como ocorre em algumas regiões dos Estados Unidos da América.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...