pub

Um percurso digitalmente ágil

A transformação digital é uma realidade em todos os sectores e em todas as áreas de negócio. Na EDP não é excepção. A transformação digital está a acontecer de forma transversal em todo o Grupo, não só nas áreas comerciais e técnicas que sustentam o negócio core da empresa, mas também nas actividades de suporte, como os Recursos Humanos, Assessoria Jurídica ou Fiscalidade. A velocidades diferentes, é certo, porque a natureza dos negócios tem exigências diferentes, mas já foram lançados projectos digitais em todas as unidades de negócio.

A EDP iniciou o percurso de transformação digital com o projecto de Aceleração Digital em 2017, evoluindo para a necessidade de alterar a estrutura da própria organização para fazer face aos desafios deste novo contexto e pelos objectivos ambiciosos a que se propuseram. A constituição da Digital Global Unit em Junho de 2018 foi um movimento no sentido de centralizar e acelerar a transformação digital, garantindo o alinhamento com a visão do Grupo e apoiando os projectos digitais através de meios financeiros, funcionais e humanos.

O envolvimento de toda a organização tem sido muito importante, pela dimensão e dispersão num universo com mais de 12 mil colaboradores, mais de 40 nacionalidades e presença em 16 países. «Aqui, a comunicação e a passagem de conhecimento assumem um papel fundamental. Lançámos no passado dia 15 de Outubro o primeiro e-learning interno sobre Transformação Digital, temos formações frequentes em Agile e contamos já com mais de 700 pessoas formadas nesta metodologia, parte delas certificadas como Scrum Masters e Product Owners, realizamos sessões regulares com convidados internos ou externos, para falarem de casos de sucesso em matéria Digital ou de IT, tendo chegado a mais de 2000 participantes. No início de Outubro visitámos as principais geografias do Grupo EDP: Porto, Lisboa, Madrid e Oviedo, e em Dezembro iremos a Houston e São Paulo. O objectivo é dar a conhecer ao vivo os projectos que já foram desenvolvidos e trazer convidados de empresas de referência como a Google X, Revolut, Uber ou Microsoft», assegura Ferrari Careto, Digital & Information officer da EDP.

Uma iniciativa com grande sucesso e que tem sido relevante para a disseminação do Digital e para a partilha de conhecimento são as comunidades virtuais. Ou seja, grupos informais de especialistas em tecnologias digitais (Robotics, Data analytics, Realidade Virtual), pertencentes a qualquer unidade de negócio do Grupo, que se reúnem numa plataforma digital para partilhar informação sobre projectos, discutir problemas ou interagir com outras empresas de referência na área. Neste momento tem activas sete comunidades, num total de cerca de 700 membros.

ALAVANCAS TECNOLÓGICAS

A estratégia para a digitalização do Grupo EDP passa por alavancar no ADN de inovação que já existe na empresa e por conjugar esforços no sentido de acelerar a adopção do digital por toda a organização.

A visão da EDP para a Transformação Digital tem duas componentes essenciais. Por um lado, a criação das condições base para que a transformação digital aconteça, a que chama de “Digital Enablers”. Estamos a falar de alavancas tecnológicas como a migração para a Cloud, o desenvolvimento de API e de Data Lakes, mas também da constituição de um ecossistema de parceiros com quem desenvolve projectos nas várias tecnologias digitais. Por outro lado, o desenvolvimento de projectos digitais propriamente ditos, enquadrados em três eixos de actuação: clientes, activos e operações e organização.

«O momento de transformação tecnológica que estamos a viver é diferente dos anteriores pela velocidade a que a transformação acontece e que exige que as organizações sejam mais rápidas na sua resposta», adianta ainda Ferrari Careto. Essa rapidez passa por ter uma visão, clara e integrada, um roadmap bem definido e uma organização preparada em termos funcionais e humanos para conseguir adaptar-se à mudança e explorar o potencial tecnológico.

«Estamos a materializar e entregar uma visão digital integrada para o Grupo EDP, aproveitando sinergias resultantes da fertilização cruzada entre unidades de negócio e do desenvolvimento de iniciativas e de enablers transversais. Esse trabalho tem sido feito através do envolvimento crescente de toda a organização, da transformação cultural e da adopção de novas formas de trabalhar. A mudança nem sempre é fácil, principalmente em organizações de grande dimensão como a EDP, mas no nosso caso, podemos dizer que, ao dia de hoje, as pessoas ganharam maior consciência sobre o digital e estão despertas para a necessidade de experimentar e adoptar novas metodologias de trabalho. Isto é visível nos 130 projectos digitais que estão em curso de forma transversal a todo o Grupo, na co-localização das equipas de projecto em espaços de trabalho comuns e na utilização de ferramentas colaborativas que facilitam o trabalho à distância e a partilha de conhecimento que, de outra forma, estaria compartimentado. O resultado é uma maior qualidade do produto entregue, num menor espaço de tempo. Este esforço tem sido reconhecido também externamente», acresce o Digital & Information officer da EDP. De notar que os projectos EDP foram premiados pelos Outsystems Innovation Awards 2018, na categoria de “ROI Award”, pelo World Agility Forum, na categoria de “European Agility” em 2018 e na categoria de “Overall Transformation Initiative” em 2019 e pelos Prémios ACEPI Navegantes XXI, nas categorias “Melhor estratégia Digital” e “Melhor Site/App Automóvel”.

A tecnologia enquanto enabler dos negócios tem como áreas prioritárias as que mais relevam para as diversas unidades de negócio, em áreas que criem mais valor, por exemplo pela optimização de processos, por uma melhor utilização de dados e de modelos analíticos, que permitam melhores processos de decisão e pelo aproveitamento das potencialidades criadas pela internet das coisas, nomeadamente em ambientes industriais. «A melhoria da experiência dos colaboradores da EDP tem sido um dos nossos focos, através de disponibilização de ferramentas que visem a produtividade, o trabalho colaborativo mas também o conforto na relação com a empresa e o desenvolvimento profissional. A nível comercial, a experiência dos clientes EDP é e continuará a ser uma das nossas principais prioridades. A introdução de novas tecnologias já produziu efeitos muito significativos na qualidade e rapidez do serviço ao cliente, e abre também oportunidades no desenvolvimento de novos produtos e serviços», esclarece Ferrari Careto.

Vivemos numa era em que a experiência dos clientes é fortemente influenciada pela sua interacção com os grandes players tecnológicos como a Amazon, Netflix ou Uber. As expectativas dos consumidores em relação ao fornecedor de energia evoluíram no mesmo sentido e, portanto, a experiência que a EDP proporciona aos seus clientes também tem de mudar para corresponder a essas expectativas. «Estamos a usar a tecnologia para melhorar a qualidade de interacção e estreitar a relação com os nossos clientes. Exemplos disso são os simuladores interactivos para explorar novas soluções adaptadas ao cliente, o uso de chatbots que permitem reduzir os tempos de atendimento e resposta, e o desenvolvimento de novos serviços de smart home e smart mobility. Reduzir o time-to-market, maior agilidade e respostas mais rápidas são pontos essenciais para a mudança.»

A Transformação Digital reflecte-se ao longo de toda a cadeia de valor. Desta forma, e em linha com a posição da EDP no mercado não só português como internacional, «queremos ser pioneiros e continuar a destacarmo-nos pela inovação, eficiência e qualidade, nomeadamente na gestão de activos e na relação com os nossos clientes», vaticina.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...