Randstad Insight: Randstad Workmonitor – Terceiro trimestre 2018

Colaboradores estão mais dispostos a fazer voluntariado durante o horário de expediente.

65% dos inquiridos globais, no último Randstad Workmonitor, consideram importante contribuir para a sociedade através de trabalho voluntário, mas apenas 34% o fazem activamente. Contudo, se os empregadores oferecessem horas pagas para trabalho voluntário, 73% estariam dispostos a fazê-lo. Na China (66%) e na Índia (60%) a maior parte dos inquiridos faz trabalho voluntário, enquanto as percentagens mais baixas encontram-se no Japão (17%) e na República Checa (15%).

Os colaboradores não são realmente encorajados pelos empregadores a fazerem trabalho voluntário fora do horário de expediente. Apenas 27% afirmam isto, com o encorajamento mais alto na China (55%) e o mais baixo na Dinamarca (13%). No que toca a receber horas pagas para benefício de uma causa, 19% dos inquiridos afirmam que podem escolher a sua própria causa e 18% afirmam que só recebem essas horas pagas se trabalharem para uma causa escolhida pelo empregador.

Responsabilidade social

Para os empregadores é importante ter um forte programa de responsabilidade social, já que 79% dos inquiridos afirmam que só querem trabalhar para uma empresa que o tenha. E quando procuram um novo emprego, 58% acreditam ser importante que a empresa participe em iniciativas de caridade e filantropia. Na Turquia e na Índia, (ambas com 80%) é muito importante, enquanto no Japão (36%) e na Suécia (38%) tem menos peso. Globalmente, 53% declaram que o seu empregador apoia activamente pelo menos uma boa causa, com a Índia a ter a percentagem mais alta (77%) e o Japão a mais baixa (27%).

Diversidade

No que diz respeito à diversidade, 70% revela que o seu empregado quer que a força de trabalho reflicta os mercados laborais locais e nacionais. Curiosamente, 46% indicam que o seu empregador tem uma política de diversidade/ inclusão. O número maior de empregadores com políticas de diversidade está na Malásia (69%), China (68%) e Índia, e o mais baixo na Hungria (17%), República Checa (19%) e Holanda (25%).

Índice de mobilidade

O número de colaboradores em todo o mundo que espera trabalhar para um empregador diferente nos próximos seis meses também aumentou ligeiramente, o que resultou num Índice de Mobilidade 111. Os dados confirmam que a mobilidade aumentou mais na República Checa (+9), Suíça, (+8), Roménia (+7) e Portugal (+6), e desceu mais no Brasil (-9), Hong Kong (-4) e Singapura e México (ambos com -3).

Não há qualquer alteração na mobilidade nos EUA, Reino Unido, China e Holanda.

Mudança de emprego

A mudança efectiva de emprego também subiu ligeiramente, para 23%, e mais uma vez o valor mais alto encontra-se na Índia (49%) e na Malásia (48%). Em comparação com o trimestre anterior, a mudança efectiva de emprego aumentou na China, Dinamarca, República Checa, Malásia, Noruega, Suécia, Suíça, Holanda e Reino Unido.

Na Alemanha e no México, a mudança efectiva de emprego diminuiu em comparação com o trimestre anterior.

Tal como aconteceu no último trimestre, a mudança efectiva de emprego continua a ser mais baixa no Luxemburgo (8%), seguindo-se a Roménia (15%), um novo país a participar no inquérito.

Mudar de emprego

A vontade de mudar de emprego aumentou no Canadá, Índia, Itália e Malásia em comparação com o último trimestre do ano passado.

No Chile, na Dinamarca, Portugal, Espanha e Holanda, a vontade de mudar de emprego diminuiu, continuando contudo mais alta na Índia (48%) e mais baixa no Luxemburgo (16%), Áustria (17%) e Turquia (18%).

Satisfação com o emprego

Em comparação com o trimestre anterior, a satisfação profissional aumentou na Argentina, Bélgica, República Checa e Malásia, mas diminuiu na Austrália, Áustria, Canadá, Itália, Japão, Polónia e Turquia em comparação com o trimestre passado. Tal como no último trimestre, verifica-se que a satisfação profissional mantém índices mais elevados no México (82%), e Índia e EUA (ambos com 80%), e mais baixos no Japão (44%) e Hong Kong (46%).

O Randstad Workmonitor foi lançado na Holanda em 2003, a que se seguiu a Alemanha. Neste momento cobre 34 países espalhados por todo o mundo. O último país a entrar foi a Roménia, no segundo trimestre deste ano. O estudo engloba Europa, Ásia-Pacífico e América e é publicado quatro vezes por ano, tornando visíveis as tendências locais e globais na mobilidade. O Índice de Mobilidade do Workmonitor, analisa a confiança dos colaboradores e indica a probabilidade de mudar de emprego nos próximos seis meses, oferecendo um panorama abrangente de sentimentos e tendências no mercado de trabalho. Além da mobilidade, este inquérito aborda a satisfação dos colaboradores e a motivação pessoal, para além de um conjunto diversificado de perguntas temáticas.

FICHA TÉCNICA | O estudo é feito online a colaboradores com idades entre os 18 e os 65 anos, que trabalham no mínimo 24 horas por semana num emprego pago (excluindo empresários por conta própria). A amostra mínima é de 400 entrevistas por país.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 151 de Outubro de 2018.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Matrics quer revolucionar mercado do gaming em Portugal
Automonitor
Alpine A110S é uma versão ainda mais exclusiva