pub

Randstad Insight: O evolucionismo

Por José Miguel Leonardo | CEO Randstad Portugal

O motivo nada teve a ver com a produtividade, conciliação ou redução de custos de instalações, foi sim uma resposta à crise petrolífera, uma forma de garantir a continuidade do negócio sem que as pessoas precisassem de se deslocar.

O contexto acelera a mudança mas não garante a transformação. Leva a uma adaptação mais rápida mas não necessariamente à sua implementação. E está certo que assim seja o que não faz sentido é retirarmos a aprendizagem desta equação.

Temos de analisar resultados, perceber que obstáculos existiam no passado que conseguimos superar e não necessariamente voltar ao que éramos porque tudo passou. Nunca podemos mesmo voltar atrás, devemos sempre construir em cima de.

Em 2019 a A CIP – Confederação Empresarial de Portugal apresentou o estudo “Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal”, elaborado em parceria com o McKinsey Global Institute e a Nova School of Business and Economics. O estudo debruça-se sobre o impacto da automação no futuro do trabalho e mede o potencial de automação da economia portuguesa até 2030 e previa até num cenário tecnológico conservador que a adopção da automação em Portugal pudesse levar à perda de 1,1 milhões de empregos na indústria e comércio, mas criar outros tantos na saúde, assistência social, ciência, profissões técnicas e construção. A mesma consultora no seu estudo “The future of work in Europe” de Junho deste ano vem mostrar a relação entre a pandemia e a automação. Considerando a totalidade do emprego em 2018 na Europa 27% e Reino Unido, 22% está em risco pela automação e 26% em risco pelo impacto da pandemia. Estes dois grupos sobrepõe-se em 10% ou seja 24 milhões de empregos, o que poderá acelerar esta eliminação. Estes números são apenas números se não fizermos o processo de aprendizagem e não tomarmos decisões para o futuro. Estes números são apenas números se não definirmos uma estratégia para o emprego que não se baseia em modelos presenciais ou remotos, mas em modelos presenciais e remotos. Que não signifique tudo ou nada automatizado, mas automatizado onde o humano não acrescenta valor e humanizado em as pessoas fazem a diferença.

As mudanças de contexto não devem apenas criar episódios excepcionais como têm de nos fazer evoluir num sentido mais positivo, não contrariando o que tem sido a evolução humana. Temos de deixar a mesquinhez dos rótulos para olhar para o cenário no seu todo, compreendendo o impacto das decisões e como estas vão impactar na nova realidade ou se quiserem no novo normal.

Exemplo, quando falamos em teletrabalho, a discussão deve estar nos custos da luz, internet e mobiliário? Ou pelo contrário deve estar centrada na liderança, produtividade e engagement? Não serão estes os temas principais que devem centrar a reflexão da empresa, uma reflexão baseada em resultados mas suportada pela comunicação com as pessoas, encontrando o modelo mais adequado.

E mesmo sem o fim da pandemia, devemos já hoje retirar a aprendizagem do confinamento. O que aprendemos sobre as nossas empresas e as nossas pessoas? Qual o modelo de trabalho que vamos adoptar no depois de amanhã. O que precisamos de adaptar para essa nova realidade, temos os processos e a tecnologia (em especial a segurança) que o permite fazer ou temos de desenvolver? A gestão das nossas pessoas era uma verdadeira gestão? Como está o engagement na minha organização, como foi afectada a produtividade e como podemos gerir a incerteza como um novo normal. Estes desafios têm de estar na mesma folha estratégica semanal em que avaliamos o mercado, tem de ter rubricas no investimento e garantias de continuidade do negócio, reconhecendo a fragilidade do contexto e como este pode rapidamente impactar nas nossas decisões. Voltar para o local de trabalho fingindo que voltamos atrás é irresponsável, porque não só o vírus não se foi embora como o mundo não voltou nem vai voltar ao que era. Gerir o tema da segurança no local de trabalho de forma displicente é uma inconsciência e um risco para a vida das pessoas. Ignorar emoções no actual contexto e exigir o profissionalismo de um autómato impactando de forma negativa na produtividade e na felicidade.

E com isto não estou a querer dizer que não vai ficar tudo bem, eu sei que vai. Eu sei que vai se colocarmos as pessoas em primeiro lugar, se as ouvirmos e se falarmos com elas, se desenvolvermos a liderança individual e colectiva, não aceitando a mediocridade e trabalhando em conjunto. Porque há uma certeza que todos podemos ter, é que um dia isto vai acabar, o “bicho” vai ser derrotado, a dúvida está apenas no quando e por isso até lá temos de ser ainda mais humanos na forma como lidamos com tudo isto.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 172 de Julho de 2020

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...