Randstad Insight: “Freedom in the frame”

Por José Miguel Leonardo | CEO Randstad Portugal

Está em cima da mesa, no bolso do casaco, na mala. Perto, sempre perto. E vivemos todos num estado de sobressalto para que possamos ouvir o seu vibrar, para que saibamos se é o nosso ou não. E quando, por algum motivo, não há Wi-Fi, ou o 4 e o 3G insistem em não funcionar, há um sentimento de vazio, a ansiedade de que tudo pode estar a acontecer e nós aqui, num mundo paralelo, em verdadeiro silêncio, onde não está mais ninguém, onde não sabemos quem está.

Nesta caixa negra está também a nossa vida. Os contactos, o banco, os cartões, os acessos, a lista de compras, ciclos biológicos e aniversários. Um cérebro que não se cansa e que nos acompanha, sem falhas e com lembretes.

A transformação da nossa vida não quer dizer que seja boa nem mesmo que seja má. É o que conscientemente quisermos que seja. Dominada ou dominadora, equilibrada ou dependente. A tecnologia é uma ferramenta, não é a culpada de nunca mais ter ido jantar com os meus amigos ou de simplesmente não falar com os meus filhos ao jantar porque estou a ver e-mails. Quem mudou não foi a tecnologia, foram as pessoas, fomos nós. E esse processo de mudança é controlado por nós; não é a transformação que decide a nossa vida.

Talvez por isso mesmo, o que assistimos hoje é ao regresso da humanidade no conceito mais básico da emotividade. O desespero das empresas de serem mais humanas, de assumirem uma personalidade e de estarem cada vez mais emocionais. Porque se perdemos as pessoas da bomba de gasolina para atestarem o carro, ganhamos mais padarias nas grandes cidades e retomamos os brunch como um momento em social. Se perdemos alguns caixas de supermercado, nunca como hoje a mercearia tradicional e de proximidade se instalou nos grandes centros urbanos. E mesmo os negócios que nasceram online ganham dimensão real, como uma loja de e-commerce francesa que abriu em pleno Chiado apenas para estar com os seus clientes, criando um ponto de encontro.

Somos sociais. Somos humanos e a tecnologia só tem de nos ajudar a ser ainda mais, a regressar ao mais básico, a aproximar-nos. Mas será ela uma nova dependência? Será que vai ser ela a ditar as regras?

Este mês, o Governo apresentou o programa “3 em linha” com o objectivo de conciliar a vida profissional, pessoal e familiar. Como disse no seu discurso o Primeiro-Ministro, são três as dimensões, mas a vida é apenas uma. E, neste contexto, é preciso equilibrar ou, melhor dizendo, conciliar. Fazer as pazes com três dimensões que tantas vezes se chocam, compreendendo o que cada uma implica. Reconhecer o papel que a tecnologia tem na nossa vida, mas sem que nos domine. Saber que podemos trabalhar a partir de qualquer lugar e não necessariamente a toda a hora. Compreender que o que vivemos não é apenas o que partilhamos, mas é muito mais do que isso. Acreditar que não é a tecnologia que mata as nossas empresas, mas sim nós que nos esquecemos do cliente e das suas necessidades. Saber viver com tudo o que temos hoje, nunca deixar de procurar a felicidade e ser cada vez mais responsável nas escolhas, nas nossas e das nossas empresas. A creditar que existe um frame onde nos conseguimos mover, onde pode existir liberdade, mas que não nos destroí. Contribuir para que dentro deste frame haja valores, inovação, criatividade e espaço para uma vida cheia de episódios pessoais, profissionais e familiares. Porque só assim somos verdadeiramente humanos. Só assim conseguimos ser felizes.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 153 de Dezembro de 2018.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Matrics quer revolucionar mercado do gaming em Portugal
Automonitor
Alpine A110S é uma versão ainda mais exclusiva