pub

Jane Hoffer: “As pessoas e os produtos precisam de se movimentar”

A GoWithFlow é uma empresa de software e serviços que fornece a primeira solução abrangente de Gestão de Mobilidade Sustentável para empresas e cidades que estão a descarbonizar a sua pegada de mobilidade. A solução tem como base uma tecnologia que coordena os utilizadores e os ativos móveis para fornecer análises e informações em tempo real sobre como são utilizados os ativos de mobilidade da empresa, como veículos, scooters e estações de carregamento.

Com o sistema de Gestão de Mobilidade Sustentável, os decisores podem gerir cinco sistemas críticos: Planeamento de Mobilidade, Gestão de Energia, Gestão de Frotas, Serviços de Mobilidade e Gestão de Transações. O acionista maioritário da GoWithFlow é a Galp, uma das empresas da Europa que lidera a transição para energia renovável e combustíveis sustentáveis.

Qual a importância da mobilidade para as cidades e para as empresas?
As pessoas e os produtos precisam de se movimentar. É uma verdade fundamental nos dias de hoje. Certamente, com a pandemia, estamos a assistir aos impactos económicos do que acontece quando essa função principal é interrompida. As pessoas não conseguem trabalhar, as cadeias de distribuição são interrompidas, os produtos não são enviados e o dinheiro pára de fluir. Mas colocar o mundo novamente em movimento tem uma desvantagem: a poluição. Por isso, por mais crítico que seja colocar as economias das cidades e dos países de volta no caminho certo e colocar novamente as pessoas e os produtos em movimento, temos a oportunidade de fazê-lo mas de uma forma mais inteligente, melhorada e menos prejudicial.

 A mobilidade sustentável pode transformar cidades e empresas? De que maneira? E quais são as vantagens?

Estamos todos a trabalhar para mudar para melhor a maneira como nos movemos. Isto significa reduzir a dependência de combustíveis fósseis, diminuir as emissões de gases de efeito estufa e fazer o possível para adiar ou até reparar os danos causados ​​ao nosso clima. Esta é uma mudança radical na forma como algumas empresas e certamente os políticos se comportam historicamente. Penso que as cidades portuguesas como Lisboa, Porto e Cascais estão na liderança de como tornar mais fácil e conveniente para os consumidores possuir e utilizar veículos com combustíveis alternativos, como as e-scooters e as e-bikes, e carregar os seus próprios veículos elétricos (VEs) ) através de um sistema de carregamento público robusto. Estamos a ver mais empresas que desejam adotar a mesma abordagem, seja através da mudança da composição das suas frotas de veículos ou oferecendo sistemas de carregamento a funcionários e clientes. É uma abordagem muito centrada no ser humano, e as empresas e cidades que estão a fazer isso estão a atrair mais funcionários e mais jovens que adotam novas tecnologias sustentáveis. De facto, atrair profissionais talentosos é sempre um desafio para as empresas, por isso adotar a mobilidade sustentável é uma forma clara para obter esse talento interessado e comprometido. O mesmo vale para as cidades que desejam expandir e crescer.

 Na sua opinião, as empresas e as cidades estão mais preocupadas com a mobilidade sustentável? Porquê?

A mobilidade é uma peça no puzzle da sustentabilidade que os principais países, estados e cidades estão a exigir que sejam alterados rapidamente, e um desafio que empresas inovadoras e os líderes das cidades estão a tentar resolver. A mudança climática está em nós, e os líderes responsáveis ​​estão à procura de maneiras de reduzir as emissões de gases de efeito estufa que contribuem para isso. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, 28% dos gases que contribuem para o aquecimento global vêm do transporte, por isso a mobilidade tem uma enorme importância. E é uma área que é realmente bastante simples de abordar. Ao contrário de outras práticas industriais que contribuem para a nossa crise climática, como a geração de eletricidade, calor, e desflorestação, a mudança em direção à mobilidade sustentável é muito concentrada. Quando os decisores planeiam a sua mobilidade de forma estratégica, podem economizar dinheiro usando a combinação ideal de veículos com motor de combustão interna e veículos de combustível alternativo para as suas necessidades, e podem facilitar a utilização desses veículos aos funcionários ou clientes, provocando um impacto positivo quase imediato no meio ambiente. A mobilidade é uma excelente oportunidade para iniciar o caminho da sustentabilidade.

A atual pandemia causada pela covid-19 mudou o paradigma da mobilidade? De que maneira?

Definitivamente – já vemos menos passageiros nos transportes públicos, como os autocarros e metros, e empresas de consultoria globais como a Deloitte prevêem aumentos na compra de veículos particulares, incluindo carros, scooters e bicicletas elétricas. As empresas inteligentes estão a incorporar essa abordagem multimodal no seu planeamento de mobilidade. Por exemplo, um dos nossos clientes é uma grande empresa portuguesa que está a adaptar o seu plano de mobilidade para oferecer scooters elétricas, além dos seus veículos tradicionais e da frota de veículos elétricos. Eles podem gerir todos os veículos numa plataforma, coordenando reservas, carregamentos e disponibilidade, para que haja veículos disponíveis para os funcionários quando e onde forem necessários. É apenas uma maneira de as empresas reconhecerem que a mobilidade não é apenas sobre carros – é sobre gerir todos os seus recursos de mobilidade.

 Portugal está muito atrás dos seus pares europeus no que diz respeito à mobilidade sustentável?

Não, de forma alguma. Portugal liderou o caminho com a inovadora rede de carregamento pública MOBI.E, que permite que qualquer utilizador carregue em qualquer estação de carregamento acessível, podendo escolher entre diferentes operadoras e escolhendo as melhores condições disponíveis – tendo sempre acesso a toda a rede. Desde a sua criação, a rede MOBI.E forneceu mais de 12 milhões de kWh de energia e economizou mais de 8 milhões de kg de CO2. No lado empresarial, vemos empresas a assumir o desafio com entusiasmo. Uma empresa com a qual estamos atualmente em conversações está a planear uma nova sede e deseja criar uma infraestrutura completa de mobilidade no design. Temos outros clientes que são o braço português de uma empresa pan-europeia ou global que desejam trabalhar conosco como uma companhia portuguesa, porque não só podemos oferecer a funcionalidade que pretendem, como também temos o conhecimento local.

 Considera que existe uma preocupação crescente a nível internacional pela existência de mobilidade sustentável?

Sim, e acho que na Europa estamos a liderar o desenvolvimento e a adoção de programas de mobilidade sustentável. Fala-se muito, especialmente no nível do consumidor e entre algumas geografias importantes nos Estados Unidos, mas as cidades e empresas europeias parecem estar mais à frente. Será interessante ver o que acontece na China e na Índia, onde também há muita discussão sobre o assunto. Creio que não há qualquer dúvida de que as empresas e as cidades estão comprometidas em fazer alguma coisa. A verdadeira questão é quão bem podem fazê-lo de forma económica e sem sacrificar a conveniência e a fiabilidade.

 

 

 

 

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...