Fidelidade: energia renovadora

EXECUTIVE DIGEST CONTENTS

A inovação e o empreendedorismo são hoje conceitos intrínsecos em todo o grupo fidelidade e que, por isso mesmo, vão sendo diariamente cultivados por todos, nas actividades diárias.

Fidelidade acredita na inovação como valor maior, capaz de dar um novo fôlego à economia e à sociedade. Está assim ao lado dos empreendedores para apoiar os que querem investir nas suas ideias e nos seus projectos, gerando negócio. Acredita que os empreendedores são criadores de novas dinâmicas de trabalho e de uma nova economia, capaz de impulsionar as empresas e Portugal.

«Queremos aprender com quem pode fazer a diferença. Ao lado dos empreendedores, sabemos que podemos descobrir novas ideias, novos métodos de trabalho e aplicá-los no desempenho da nossa actividade, gerando uma energia renovadora e por consequência uma maior produtividade para a Fidelidade», afirma Sérgio Carvalho, director de marketing da Fidelidade. Abrir as portas aos empreendedores e à inovação para crescer tem sido assim uma das prioridades da Fidelidade, nomeadamente com a criação e desenvolvimento do Protechting.

É preciso alargar horizontes, pensar como alguns projectos podem contribuir para o desenvolvimento da actividade, da eficiência e do negócio. O Protechting, programa de aceleração para startups da Fosun e da Fidelidade, em parceria com a Beta-i, teve, desde o início, como propósito maior promover a aproximação e criação de relação com um público-alvo de elevado valor – os jovens empreendedores, posicionando assim a Fidelidade neste ecossistema do empreendedorismo, onde nenhuma outra seguradora marcava ainda presença.

Com a criação do Protechting pretendiam fomentar a criação e desenvolvimento de ideias de negócios que poderiam vir a ser incorporadas nos negócios da Fosun e/ou Fidelidade ou serem entregues à sociedade como um produto inovador, contribuindo para uma estratégia de “Open Innovation”. «O sucesso do programa Protechting é um grande motivo de orgulho para nós e o facto de termos realizado a final da 3.ª edição no Protechting na Web Summit atesta a relevância que o programa tem ganho, não só no seio das empresas que o apoiam, mas também em todo o ecossistema de empreendorismo em Portugal e pelo mundo fora», acrescenta Sérgio Carvalho.

As várias edições do Protechting têm permitido assim incrementar fortemente a cultura de inovação na Fidelidade, com um envolvimento muito positivo de vários colaboradores da Fidelidade e de todos os parceiros do Protechting, o que tem catalisado as dinâmicas de trabalho na área da inovação. Outro ganho deste programa tem sido a oportunidade para antecipar tendências tecnológicas e de modelos de negócio disruptivos, o que contribui para o reforço da posição competitiva da empresa nos mercados onde estão inseridos. O lançamento do Protechting 4.0 atingiu um recorde de 400 candidaturas oriundas de 53 países.

Foram seleccionadas 12 startups finalistas, que vão integrar a fase de aceleração desta edição do programa que pretende apoiar o desenvolvimento de projectos internacionais que contribuam para melhorar a protecção das pessoas em áreas estratégicas, como Healthtech, Insurtech, Fintech, mas com uma preocupação acrescida nas temáticas do desenvolvimento sustentável. «Estas conquistas são resultado de uma conjugação de factores como a crescente notoriedade conquistada pelo programa Protechting e o afincado esforço de scouting internacional de startups durante a fase de candidaturas, junto de parceiros e em eventos de empreendedorismo na Europa, América do Sul, Africa e China», explica o director de marketing.
SUCESSO

O próprio processo de mentoria e aprendizagem com profissionais da Fidelidade, Luz Saúde e Hauck & Aufhause, o acesso a dados reais de clientes, com a obrigação de manter a privacidade dos dados e possibilidade de virem a integrar o seu negócio na Fosun, Fidelidade, Luz Saúde e Hauck & Aufhäuser são alguns dos factores que as startups mais valorizam.

Os candidatos seleccionados para o Protechting têm a possibilidade de participar num bootcamp, cujo objectivo passa por uma interacção mais profunda entre as startups e os parceiros, de forma a identificar os modelos de negócios mais adequados para a fase posterior do programa, expondo também as startups a workshops de inovação, eventos orientados para estas temáticas e palestras de gestão e motivação.

Os três melhores projectos finais, neste caso do Protechting 4.0, serão premiados com um roadshow na China, com acesso a alguns dos maiores investidores mundiais, podendo ainda beneficiar de uma participação de capital, ou integrar o seu negócio na Fosun, Fidelidade, Luz Saúde e Hauck & Aufhäuser.

O vencedor, com o melhor projecto de negócio, será ainda distinguido com um prémio monetário no valor de 10 mil euros. Para maximizar o valor do Protechting, estão agora a apostar na criação de uma comunidade de Alumni com iniciativas e oportunidades únicas para todas as startups que já integraram o programa, nomeadamente através da participação activa dos Alumni em próximas edições do Protechting, como mentores ou guides, da criação de meios de partilha de informação regular e da realização de Networking Events.

«Na Fidelidade, por exemplo, realizámos pilotos com duas startups: a “Visor.ai” que nasceu no Protechting e actua na área dos Chatbots e Inteligência Artificial e com a “Bdeo”, uma startup espa- nhola vencedora ligada à utilização do vídeo e videochamada para efeito de seguros. A Luz Saúde, por seu lado, investiu e estabeleceu parcerias com várias startups derivadas do Protechting.

A UpHill que apareceu com um projecto de formação de médicos e divulgação de boas práticas; a Ectosense que desenvolve devices para combater a apneia do sono e ainda a Skin Sole que desenvolveu um sistema de detecção precoce do cancro da pele e o seu tratamento», sublinha Sérgio Carvalho. Por outro lado, o Protechting tem sido reconhecido. Foi distinguido com o prémio «Sustainable Development 2018 Enterprise Best Practice» pela delegação Chinesa do Pacto Global das Nações Unidas (UNGC China Network), que reconhece o seu contributo para o desenvolvimento sustentável do ecossistema empreendedor.

O programa foi também reconhecido pela 21st Century Media, em parceria com o Belt and Road Research Institute of SFC, como um dos casos de sucesso da implementação da iniciativa de expansão Chinesa “One Belt, One Road”, tendo sido considerado um exemplo a seguir no que diz respeito à promoção da inovação. «Recebemos ainda o Prémio de Excelência em Responsabilidade Social Corporativa, na cerimónia Social Value Co-Creation Corporate Social Responsibility Excellence Award, pelos seus resultados, mas também devido ao processo de criação de “valor social” e a nível de gestão de “cooperação transfronteiriça”, sendo distinguido a quatro níveis: visão global, experiência em participação, valor partilhado e inovação criativa», diz o director de marketing.

Neste universo de startups, as áreas consideradas estratégicas são as Insurtech, Fintech, Healthtech e agora também sustentabilidade. A edição Protechting 4.0, como acima referido, adicionou a sustentabilidade no negócio como critério de selecção das startups candidatas ao programa, exigindo um compromisso em trabalhar no futuro com projectos que tenham um impacto mais sustentável para a sociedade.

INOVAÇÃO

A inovação e o empreendedorismo são hoje conceitos intrínsecos em todo o Grupo Fidelidade e que, por isso mesmo, vão sendo diariamente cultivados por todos, nas activi- dades diárias. Contudo, existem algumas áreas na Fidelidade que, pelas suas funções concretas, estão obviamente mais empenhadas no impulsionar destes dois objectivos: inovar e empreender. Áreas como o Center for Transformation e a Direcção de Advance Analytics juntaram-se à Direcção de Marketing, à Direcção de Desenvolvimento de Negócio e à própria Fidelidade Informação e Tecnologia e todas estas áreas, por motivos diversos, assumem responsabilidades num ecossistema de Inovação que procura integrar todos os stakeholders da Fidelidade para garantir que a inovação não é um “quintal”, mas sim uma atitude e valor base da forma de estar na Fidelidade no seu sector e na sociedade em geral.
«Por exemplo, o Center for Transformation procura zonas de disrupção com foco em novas áreas de actuação em ecossistemas que já hoje integram a Fidelidade, como a mobilidade, a casa e os séniores, procurando assim responder a necessidades dos nossos clientes que vão para lá da gestão do risco, território normal das seguradoras, pelo menos na perspectiva dos nossos clientes.

Estas equipas, pelas suas características, são compostas de perfis diversos que misturam a experiência em seguros, mas que aportam sobretudo novas competências associadas à inovação, como competências no digital e foco na experiência do cliente e utilização de metodologias de trabalho como o agile ou design thinking», diz Sérgio Carvalho.

Sobre o Protechting que é o símbolo do empreendedorismo no Grupo Fidelidade, pode dizer-se que ao longo das três edições já realizadas, interagiram com mais de 400 startups, de 50 países. Mas com o Protechting 4.0 bateram recordes. Receberam 400 candidaturas de 53 países. Estas interacções dão origem à realização de muitos pilotos que envolvem colaboradores e áreas das empresas que apoiam este projecto.

Para o responsável de marketing, este processo «gera assim conhecimento com um impacto relevante na cultura de inovação e empreendorismo das nossas empresas, tornando-nos mais capazes de enfrentar os desafios de um mundo em rápida evolução». Por outro lado, a aposta num programa de perfil internacional tem captado um número muito interessante de startups provenientes de diferentes geografias. Isso responde totalmente ao posicionamento de internacionalização do Grupo, antecipando e reforçando assim o posicionamento de liderança que as empresas do grupo pretendem ter em cada mercado onde actuam.

Para maximizar o valor do Protechting, a Fidelidade está agora a apostar na criação de uma comunidade de Alumni com iniciativas e oportunidades únicas para todas as startups que já integraram o programa, nomeadamente através da participação activa dos Alumni em próximas edições do Protechting, como mentores ou guides, da criação de meios de partilha de informação regular e da realização de Networking Events. «Olhando para o futuro, a Fidelidade e Fosun querem continuar a participar como motor do ecossistema de empreendedorismo e inovação sediado em Portugal», conclui Sérgio Carvalho.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...