Delta apresenta cápsula de café sem plástico

O Grupo Nabeiro partilhou esta manhã, em Lisboa, a sua estratégia de sustentabilidade e apresentou vários compromissos nas vertentes económica, social e ambiental. O objectivo é reforçar o seu papel na construção de um Mundo cada vez mais sustentável. Tudo sintetizado na nova cápsula de café Delta Q, 100% orgânica e biodegradável.

Esta nova cápsula – desenvolvida pelo centro de inovação do Grupo Nabeiro, a Diverge, em conjunto com parceiros externos e centros de investigação nacionais –, é feita de um material de base biológica e vegetal. Constituída por cana-de-açúcar, mandioca e milho, a nova cápsula tem uma validade de 90 dias. Além disso, é livre de plásticos, microplásticos e alumínio.

O primeiro blend a chegar ao mercado nesta cápsula será o Delta Q eQo, com lançamento marcado para o segundo semestre deste ano. Trata-se de um produto com tripla certificação sustentável, uma vez que reúne a Certificação Rainforest Alliance, a Certificação UTZ e a Certificação Biológica.

Além da cápsula, o Delta Q eQo distingue-se pela embalagem feita de cartão totalmente reciclável, com certificação FSC (que assegura que o produto provém de uma floresta gerida de forma sustentável) e impressa com tintas biológicas.

O administrador do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, Rui Miguel Nabeiro, sublinha que a sustentabilidade é uma prioridade para todas as marcas que detêm. «Pretendemos continuar com um papel activo na construção de valor para a sociedade, contribuindo para a adopção de comportamentos mais responsáveis, acrescentando simultaneamente valor aos vários momentos de consumo e de partilha proporcionados pelo café», comenta o responsável.

Economia Circular

O Grupo Nabeiro está a dar cartas também no campo da economia circular. Durante a apresentação, foi anunciada a parceria da Delta com a startup NÃM num processo inovador de transformação de borras de café em cogumelos. Partindo do conceito “from waste to taste”, criado em 2018 por Natan Jacquemin, foi desenvolvimento um método de aproveitamento que se inicia logo no momento em que a água quente, na extração de um expresso, passa pelo café, limpando a borra.

Segundo o grupo, o processo de preparação de um café só utiliza 1% da sua biomassa, sendo os restantes 99% considerados desperdício. Contudo, esta borra representa um substrato limpo e rico em nutrientes, ideal para o desenvolvimento de cogumelos. A Delta Cafés irá recolher as borras de café junto dos seus clientes através de recipientes próprios, maximizando a eficiência operacional.

Café dos Açores como sabor a Delta

A terceira novidade do Grupo Nabeiro assenta num protocolo estabelecido com a Associação de Produtores Açorianos de Café (APAC). O acordo prevê o apoio em todas as etapas da produção, preparação e comercialização do café dos Açores, durante os próximos 15 anos, assegurando um novo meio de sustento a comunidades antes muito dependentes da exploração de bovinos (carne e leite).

Compromissos até 2025

O Grupo Nabeiro – Delta Cafés definiu ainda novas metas em diversas áreas do desenvolvimento sustentável. Assim, até ao ano de 2025, a empresa pretende que a totalidade da sua frota automóvel comercial seja composta por veículos eléctricos e que se mantenha o investimento na pesquisa e desenvolvimento de soluções técnicas e materiais inovadores para que toda a gama de blends Delta Q seja sustentável.

O grupo compromete-se também a apoiar 500 cafeicultores em todas as ilhas do arquipélago dos Açores, no seguimento do protocolo celebrado com a APAC.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
As ideias (brilhantes) da Skoda