CEOs portugueses subscrevem guia sobre Direitos Humanos

O Guia do CEO sobre Direitos Humanos conta com a assinatura de líderes nacionais como António Mexia (EDP), Ângelo Ramalho (Efacec), Cláudia Azevedo (Sonae), João Castello Branco (The Navigator Company) e Vasco de Mello (Brisa) – alguns deles subscreveram a versão original e outros a versão portuguesa.

No caso da versão portuguesa, a responsabilidade cabe ao BCSD – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. É esta a organização responsável por adaptar o manual que visa promover um maior desenvolvimento da gestão das empresas na melhoria das condições de vida dos colaboradores e comunidades.

A ideia é que a estratégia das empresas vá além da gestão de risco e do cumprimento dos quadros legislativos e regulatórios, na busca de transformações positivas na vida das pessoas, segundo é explicado em comunicado.

«O respeito pela dignidade humana é um princípio que deve presidir a todas as relações, incluindo as que têm lugar na esfera empresarial. Num mundo em que vivemos situações de risco permanentes, quer no plano ambiental, com a emergência climática, quer no plano social, com as migrações, apenas para dar alguns exemplos, é crucial que as empresas integrem o respeito pelos Direitos Humanos na gestão responsável do seu negócio e potenciem os impactos positivos que podem ter na sociedade», sublinha João Castello Branco, CEO da The Navigator Company e presidente do BCSD Portugal.

João Wengorovius Menezes, secretário-geral da organização, acrescenta que partilhar experiências empresariais auxilia as lideranças no reconhecimento de oportunidades e necessidades de actuação ao nível dos direitos humanos.

A versão original do Guia do CEO sobre Direitos Humanos foi desenvolvida pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) e conta já com 43 empresas de 17 países, com 2,8 milhões de colaboradores directos.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Domino’s Pizza vai deixar quatro mercados europeus
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo