Grupo Casais: Criação de valor

Sabe-se que a construção do futuro é seguramente mais sofisticada, complexa e exigente, mas é também mais motivadora e mais gratificante porque é possível fazer mais e melhor, nomeadamente, consumindo menos recursos naturais, usando mais fontes renováveis, executando edifícios mais flexíveis e adaptados às necessidades do dia-a-dia, bem como utilizando sistemas e técnicas de construção que permitam maior valor acrescentado. «Somos construtores de organização e de empreitadas. Sabemos montar, desmontar e adaptar. Há mais de 60 anos que construímos casas e edifícios técnicos, entre eles alguns dos mais avançados do mundo. Trabalhamos em muitas latitudes, sempre pautados pela inovação e tecnologia ao serviço da construção, exportando conhecimento e saber português para todos os continentes!», explica António Carlos Fernandes Rodrigues, CEO do Grupo Casais.

Para o responsável, as habitações e os edifícios em geral necessitam de soluções que os permitam ser: mais saudáveis, mais confortáveis, mais sustentáveis e mais desejáveis. Em relação ao primeiro ponto, é fundamental a garantia da qualidade do ar interior, com controlo da toxicidade dos materiais (“source control”) e dos níveis de poluentes resultantes da utilização do espaço (biofluentes), graças à operação de sistemas de ventilação eficientes.

Sobre o segundo ponto o destaque vai para a garantia de conforto acústico, lumínico e de temperatura no interior da habitação, tendo em conta as variações inerentes às estações do ano e características da localização, optimizando a utilização dos recursos locais e colmatando as restantes necessidades através de equipamentos eficientes.

Sobre a sustentabilidade, é imprescindível a construção com visão integrada do ciclo de vida do edifício, considerando os recursos necessários à construção e operação para o horizonte temporal e o tipo de utilização definidos pelo cliente, reduzindo o consumo energético e garantindo um grau adequado de independência energética. Por último, uma construção que corresponde ao seu estilo de vida e antecipa a regulamentação europeia de edifícios, garantindo assim a preservação do valor do seu investimento.

INDUSTRIALIZAÇÃO

A industrialização é a ferramenta da Casais para aumentar a eficiência e será essencial para a transição da construção onde, cada vez mais, veremos produtos e sistemas pensados e produzidos de uma forma integrada, permitindo assim transformar a construção num processo de montagem de componentes que podem ser configurados de diferentes formas para atingir o resultado final contratado.

«As nossas equipas utilizam tecnologias como o BIM para simulação de diversos cenários de durabilidade e comparação de custos. Para a Casais é já uma realidade a utilização de software que nos permite ter um foco mais incisivo nos principais indicadores de desempenho do edifício, tal como o seu custo ao longo do todo o ciclo de vida. Estamos a desenvolver soluções que nos permitem acrescentar à tecnologia BIM processos construtivos off-site que se foquem na oportunidade de aproximação do sector da construção às melhores práticas de outras indústrias», afirma o CEO.

A face visível deste processo de industrialização é a BluFab que dá corpo à unidade de construção off-site e que está a abastecer as obras com elementos fabricados e montados em fábrica (paredes infra-estruturadas, tecto acústico, armários modulares, são alguns dos exemplos já aplicados em obras Casais).

Este é o grupo com maior capacidade integrada para a área da edificação. E tem consciência de que também tem um papel na liderança da sustentabilidade global, desmultiplicando e orientando o esforço e recursos para a criação de valor, reforçando a acção com objectivos que guiam este propósito. «O surto epidémico COVID-19 trouxe um desafio para a organização, para cada um de nós, e respectivas famílias, por isso, estamos profundamente comprometidos em tomar todas as medidas necessárias para salvaguardar a segurança, saúde e bem-estar dos nossos colaboradores, clientes, parceiros e sociedade em geral. Percebemos que trouxe também grandes oportunidades de desenvolvimento de negócio e que acelerou de forma evidente diversos processos de inovação em vários sectores de actividade, incluindo o da construção», sublinha António Carlos Fernandes Rodrigues.

O responsável apela, por isso, a que se façam escolhas responsáveis, tanto na utilização dos materiais como nos sistemas construtivos, para que a transformação que o sector produz no meio ambiente seja menos impactante. Para além de estarem completamente focados no desenvolvimento de infra-estruturas de qualidade, de confiança, sustentáveis e resilientes, pensadas para apoiar o bem-estar humano e o desenvolvimento económico, o grupo tem vindo a promover a industrialização inclusiva e sustentável, fomentando em todos os momentos os processos de desenvolvimento tecnológico, a investigação e a inovação. «Alinhamos a nossa estratégia com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e criamos e partilhamos o Manifesto pela Sustentabilidade e pela Construção de um amanhã melhor», conclui.

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Imobiliário”, publicado na edição de Abril (n.º 181) da Executive Digest.

Ler Mais


Artigos relacionados
Comentários
Loading...