XXVII Barómetro Executive Digest: Álvaro Nascimento

A análise de Álvaro Nascimento, Economista e Professor Universitário

Um pouco por todo o lado se vai respirando um sentimento de que o Estado e as políticas públicas falham. Existe uma perceção de que as respostas são insuficientes e inadequadas à conjuntura e aos condicionalismos – muitos deles estruturais – do momento. Não é fenómeno inédito em Portugal, mas quando inquiridos sobre a utilidade do pacote de 1400 milhões de euros de apoio às empresas, quase metade dos gestores revelam o seu descontentamento sobre a utilidade das medidas. Aproveito o mote apenas para ilustrar o fosso que se cava entre a “economia civil” e a “economia política”, numa vaga presumivelmente de fundo, a julgar pelas aparências entre a espuma dos dias. Uma ordem social emergente e paradoxal, em que que o poder político parece asfixiante ao mesmo tempo que transfere a responsabilidade da esfera pública para o domínio privado. Não do indivíduo, mas de “novas e renovadas” comunidades, como as empresas que se propõem – por opção voluntária – ocupar cada vez mais dos vazios, oferecendo espaços de vivência social alternativos. Progressivamente, os Estados vão-se metamorfoseando. Demitem-se das suas atribuições e competem para ser o local de alojamento preferido das novas organizações sociais que, na época da modernidade, assumem o poder quando escolhem o sítio onde realizar as suas propostas de valor e se empenham num “mundo melhor”: i.e., segundo os cânones contemporâneos, mais sustentável e inclusivo. Ainda temos dúvidas sobre uma nova divisão emergente do poder? E, como corolário, que mais responsabilidades florescem com ele?
Esta tese é propositadamente provatória: utópica, distópica… não sei! Vivemos momentos de mudança, com implicações na organização social do futuro. Espero, com esta pequena nota, inquietar empresários e gestores – estimulando-os para além dos meros palavrões da modernidade de “propósito” e “sustentabilidade”! Se recorrermos à história, podemos procurar paralelismos com outros movimentos de rearranjo de poderes, como o que esteve na origem da laicização do Estado, para ilustrar uma das divisões mais radicais. A menos que alguém não partilhe desta tese antropológica da empresa, não vislumbrando por isso a transformação de fundo que está a acontecer no tecido social. O que não parece ser o caso, como de resto o sinalizam outras tantas respostas deste barómetro!

Testemunho publicado na edição de Dezembro (nº. 201) da Executive Digest, no âmbito da XXVII edição do seu Barómetro.




loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.