XXV Barómetro Executive Digest: Nelson Pires, Jaba Recordati

A análise de Nelson Pires, General Manager da Jaba Recordati

Foi bastante agradável consultar o barómetro e verificar que a maioria dos líderes espera um crescimento do negócio quando comparado com ano anterior e que só 19% esperam manter ou cair no volume de negócios, sendo que os restantes 81% estimam crescer (e 52% até crescer mais do que 10%). Mas existem preocupações, e o que preocupa os empresários e líderes (54%) é a variação da procura (diminuição claro) face ao mundo BANI que vivemos com uma endemia e um conflito na Europa. Em que a poupança feita durante a pandemia se está a esgotar. A taxa de poupança fixou- -se em 12,6% em 2020, 10,9% em 2021, mas já recuou para 8,3% no primeiro trimestre de 2022, com o aumento do consumo. Outro ponto relevante, menos positivo (do que o aumento do consumo), foram os aumentos dos custos das organizações em 55%. Embora não seja este o maior desafio empresarial, mas outro realmente surpreendente apresentado pelos líderes. Não se trata da rentabilidade ( 39% das empresas) ou a gestão da cadeia de abastecimento (23% das organizações), mas sim a atracção e retenção do talento. Ou seja quando avaliamos o acrónimo PPP (Produtos, Processos e Pessoas) que nos pode trazer valor acrescentado, eficiência e rentabilidade, o “P” das pessoas é o maior desafio empresarial para 64% dos líderes. Talvez porque o mercado de trabalho português se tornou pouco atractivo há muito tempo, as novas formas de trabalho permitem procurar novas oportunidades noutros países e as lideranças são pouco líderes e inovadoras. Esta preocupação e desafio talvez seja empolada pelo facto dos líderes esperarem que (para além do turismo) sejam os centros tecnológicos (57%) e de serviços (48%) o motor da economia futura. E nestes sectores, as pessoas são fundamentais. Finalmente em relação ao que esperam do estado e da governação, no futuro: 73% maior competitividade e estabilidade fiscal, 41% uma melhoria dos serviços críticos do estado e 25% a flexibilidade da legislação laboral. Ou seja, que o estado não “estorve” e faça apenas o seu trabalho. O que me parece muito positivo, pois uma economia que espera que o estado tudo faça e “estado-dependente” é um “default” estratégico no médio prazo.

Testemunho publicado na edição de Agosto (nº. 197) da Executive Digest, no âmbito da XXV edição do seu Barómetro.




loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.