XXIV Barómetro Executive Digest: Alberto Ramos, Bankinter Portugal

A análise de Alberto Ramos, Country Manager da Bankinter Portugal

A incerteza continua a fazer parte das preocupações dos empresários e gestores que, ao longo dos últimos dois anos, têm sabido enfrentar com resiliência e criatividade as adversidades de uma pandemia ainda por debelar e que agora são confrontados com os múltiplos impactos de uma guerra na Europa, que se julgava improvável, mas que é hoje uma realidade sem fim à vista. A nuvem de dúvidas que pensávamos estar a dissipar-se, à medida que as sociedades e economias reabriam por força dos avanços da vacinação, volta assim a pairar na ordem do dia, fruto do agravamento das tensões geopolíticas e consequentes implicações que se repercutem pelos quatro cantos do mundo. É o que podemos verificar neste barómetro, com quase metade dos inquiridos a apontar as previsões económicas e a incerteza da procura de produtos e serviços como o maior desafio e com 38% a planear “navegar à vista” em função da evolução da conjuntura, o que poderá ter impacto nas decisões das famílias e empresas, com implicações ao nível do consumo e investimento. Neste contexto, será natural que parte dos recursos e da atenção dos empresários e decisores seja concentrada na gestão das questões conjunturais que irão surgindo. Ainda assim, é fundamental que não se percam de vista as prioridades de médio e longo prazo, pois só assim poderemos, quando este momento for ultrapassado, garantir uma trajectória de sucesso para as empresas e para o país. Num tom mais positivo é de destacar, ainda assim, que mais de metade dos participantes prevê um aumento de vendas no segundo semestre, com crescimento superior a 10%, e apenas 6% espera um decréscimo. Estes sinais de optimismo são, no entanto, temperados com três notas de preocupação:

  • Em primeiro lugar, a expectativa de uma subida dos custos de produção acima dos 10%, que poderá influenciar o volume de vendas e, eventualmente, margens, se esse acréscimo de custos não puder ser repercutido no preço final dos bens e serviços;
  • Em segundo lugar, a indicação por parte de 57% dos participantes de que o apoio à recuperação das empresas deveria ser uma das principais prioridades do Orçamento do Estado para este ano. Algo que parece não acontecer na exacta medida das necessidades sentidas;
  • Por último, uma crescente preocupação com o emergente cenário de subida das taxas de juro, que certamente terá repercussões nos orçamentos das famílias e empresas, assim como nos custos a suportar pelo próprio Estado.

Em jeito de resumo diria que os dados deste barómetro permitem-nos concluir que aos sinais de optimismo transmitidos se deve juntar uma boa dose de prudência pelos tempos incertos que estamos a viver, mantendo a esperança de que não se verifiquem cenários mais difíceis e exigentes do que aqueles que as actuais previsões indicam.

Testemunho publicado na edição de Junho (nº. 195) da Executive Digest, no âmbito da XXIV edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.