XXII Barómetro Executive Digest: Nelson Pires, Jaba Recordati

A análise de Nelson Pires, General Manager da Jaba Recordati

O barómetro da Executive Digest reflecte a prudência na gestão das expectativas que os gestores e empresários portugueses estão a ter com o ano de 2022. A pandemia “Netflix” (que sempre que parece que vai acabar, estreia mais uma temporada com uma nova variante) com uma nova vaga da pandemia na Europa, o “coito interrompido” da geringonça governativa, as pressões inflacionistas (apesar das previsões referirem como contida e transitória), o risco do aumento da taxa de juro e os problemas nas cadeias de fornecimento globais, levam-nos a ser cautelosos nas previsões de negócio. Estas variáveis geram incerteza e receio (33% dos inquiridos caracteriza qua a “incerteza” dominará o ano de 2022). Também por isso, 45% dos empresários e gestores, estimam que os seus negócios irão crescer apenas até 10% versus o ano de 2021 (que estava abaixo do ano de 2019, quando não existia COVID-19). Quando o negócio não cresce, o investimento acompanha e portanto, 45% dos inquiridos vai manter ou aumentar apenas até 10% o investimento que farão, face ao ano anterior. Bem sabemos que o investimento público (com o PRR) irá substituir muito do investimento privado, mas sabemos que uma economia como a nossa, deve depender essencialmente do investimento privado (nacional ou estrangeiro). Daí a sua importância e de este ser um indicador de abrandamento económico, pois mais uma vez estamos a comparar com 2021, um ano negativo também neste “Milestone”. O objectivo, claro está, será aumentar a rentabilidade e ir buscar muitos dos lucros e resultados que se perderam nestes dois últimos anos. Conclusão reflectida na questão seguinte do barómetro, sobre qual o grande objectivo para 2022: 39% dos participantes refere precisamente o aumento da rentabilidade como primeiro objectivo e 59% não está a pensar expandir a sua organização para outros mercados (ou seja internacionalizar e exportar). Portanto este ano está a ser um grande “ponto de interrogação” para os actores da economia portuguesa, talvez com a prudência de quem antecipa um cenário imprevisível e difícil. A economia portuguesa deverá ter crescido 4,8% em 2021 e prevê-se 5,8% em 2022 (Banco de Portugal), mas que vem na sequência da queda histórica de 2020 (-8,4%). A confiança é o factor crucial do crescimento económico e esta está pelas “ruas da amargura” em termos de saúde pública, de indicadores económicos, de cenários políticos e de expectativas macroeconómicas. Talvez a maior prioridade da Europa seja reestabelecer a confiança dos agentes económicos e dos consumidores, pois assim a economia retoma!

Testemunho publicado na edição de Fevereiro (nº. 191) da Executive Digest, no âmbito da XXII edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.