XXI Barómetro Executive Digest: João Paulo Velez, Santander Portugal

A análise de João Paulo Velez, Diretor de Comunicação e Marketing Corporativo do Santander Portugal

40% dos empresários portugueses afirmam já ter níveis muito significativos na recuperação do seu volume de negócios desde o confinamento enquanto 32% declaram ainda não ter sentido qualquer aproximação aos antigos níveis. Já a projecção do crescimento do volume de negócios para 2021 merece mais consenso: quase todos admitem subidas – metade dos inquiridos apontam para valores entre os 2,5% e os 10% e um terço indicam subidas iguais ou superiores a 10%. Com o aproximar do final do ano é já possível aos empresários indicarem as perspectivas de investimento verificadas em 2021: 33% falam em valores entre 2,5% e 10% e outros 29% em 10% ou mais. Nesta caracterização 28% revelam ter assumido a expansão como estratégia de negócio, 20% terem dado primazia à reestruturação e 18% à diversificação. Quanto ao futuro, uma enorme maioria (70%) diz estar a pensar criar uma estratégia de inovação e digitalização para tornar o negócio competitivo ao mesmo tempo que metade dos empresários pretender as suas práticas na formação e retenção de talento. Já no que respeita ao enquadramento político e económico, uma maior flexibilização da lei laboral é apontada como maior desafio do Portugal pós-pandemia pela maioria dos empresários (52%) enquanto a criação de incentivos fiscais para os empresários investirem nas suas empresas vem em segundo lugar (43%). A principal ameaça à economia nos próximos tempos é o aumento significativo da dívida pública (34%) seguida da evolução da pandemia (para 20%). Finalmente uma nota de alguma confiança dos empresários para 2022 quando 39% acreditam num crescimento do PIB ainda inferior a 3% e 34% entre 3% e 4%, não muito distante das previsões oficiais.

Testemunho publicado na edição de Dezembro (nº. 189) da Executive Digest, no âmbito da XXI edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.