XX Barómetro Executive Digest: Nelson Pires, Jaba Recordati

A análise de Nelson Pires, General Manager da Jaba Recordati

As empresas, segundo o barómetro, suportaram-se (84,62%) na tecnologia para superar a pandemia e as suas consequências. Mas não encontraram, de forma generalizada, na tecnologia a solução para o futuro. Mesmo inclusive quando muitas já estão a implementar o plano pós-COVID que tinham desenvolvido (61,54%). Ou seja o mundo vai continuar a ser “human with a digital touch”, como sempre referi. A inteligência artificial não vai substituir o ser humano, a integração de sistemas não vai superar a rapidez e intuição da decisão humana, mas apenas suportá-la e torná-la mais objectiva. Outro ponto importante para uma economia como a portuguesa, é o receio de limitação das exportações ser muito baixo (46,15%). A nossa balança comercial e o nosso tecido produtivo dependem disso, mesmo quando a TAP (um dos grandes exportadores do país) sofre uma contração que terá de ser compensada por outros negócios. Finalmente reforço a pouca confiança dos empresários nas medidas de recuperação da crise. Talvez seja uma falha de comunicação, provavelmente é. Mas o facto é que muito poucos empresários vêem os seus negócios beneficiados pelas medidas a serem tomadas. Talvez por isso, cerca de metade das empresas vai actuar como no pico da crise (trimestre quatro de 2020) e manter o nível de investimento deste último trimestre (48,72%). Mas a confiança dos empresários é baixa, mesmo sem razão sustentada pois estamos a crescer acima do estimado no trimestre dois de 2021. Ou seja não há estímulo para o investimento interno e o directo estrangeiro. E a falta de investimento gera “esclerose de conhecimento, inovação e económica” que prejudica Portugal de forma substancial!

Testemunho publicado na edição de Outubro (nº. 187) da Executive Digest, no âmbito da XX edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.