XX Barómetro Executive Digest: José Gonçalves, Accenture Portugal

A análise de José Gonçalves, Presidente da Accenture Portugal

Tal como tem sido tendência, a maioria destas conclusões evidencia o optimismo das empresas em relação a este último trimestre do ano. De forma geral, os executivos estão confiantes, com quase todos (98%) a assumirem crescer pelo menos um dígito e sendo que mais de 40% vão aumentar o investimento face ao período homólogo do ano passado, o que está alinhado com os esforços de superação da pandemia e com as notícias de alívio da grande maioria das restrições. No entanto, 65% revelam-se pouco ou nada confiantes nas medidas de apoio ao combate à crise, o que pode significar que apesar da aprovação do PRR para Portugal no valor de 16,6 milhões de euros, os líderes nacionais não consideram estes fundos europeus suficientes para a recuperação. Uma conclusão bastante animadora e que está alinhada com a estratégia da Accenture, é de que mais de 56% das organizações sentem pouca ou nenhuma limitação nas exportações, o que reforça a ideia de um mercado global com enorme potencial. Em Portugal, a exportação de serviços tecnológicos de alto valor acrescentado e a exportação de processos têm uma grande atractividade porque o talento tem uma grande qualidade a um custo muito competitivo. E terminaria exactamente com o tema do talento, denota-se uma preocupação crescente, sendo que a qualificação dos recursos e, diria eu, a requalificação dos mesmos, surge em segundo lugar nas medidas de gestão internas mais relevantes, logo a seguir ao investimento em novos conceitos e produtos. O mundo do trabalho está a mudar de modo muito acelerado e não vai ser possível esperar pelo novo talento, vai ser necessário requalificar o talento existente, e investir claramente nesta área.

Testemunho publicado na edição de Outubro (nº. 187) da Executive Digest, no âmbito da XX edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.