«Vai ser muito pior que o Lehman Brothers». Exportadoras receiam efeitos do coronavírus

Fotografia: Lusa

Os sectores empresariais mais expostos ao mercado chinês já sentem os efeitos da paralisação no gigante asiático, desde a falta de matérias-primas, à dificuldade em despachar mercadorias, custos de expedição mais elevados, compradores chineses desaparecidos e encomendas suspensas ao adiamento de feiras internacionais, viagens e reuniões.

«Vai ser muito pior que o Lehman Brothers. A globalização foi sendo feita de forma selvagem e as empresas europeias estão fragilizadas porque estão reféns da Ásia, que abastece 90% do têxtil, vestuário e calçado», prevê César Araújo, porta-voz do sector do vestuário, em declarações ao “Jornal de Negócios”.  O responsável fala num «impacto em cadeia», relatando que os tecidos, forros, telas e etiquetas já começam a escassear nos armazéns das quatro mil fábricas nacionais, que empregam 120 mil pessoas, e «não é fácil» encontrar fornecedores alternativos.

Ana Dinis, directora executiva da Associação dos Industriais do Têxtil, alerta que o fabrico pode mesmo ficar impossibilitado, uma vez que há encomendas que as empresas têxteis já produziram e que não estão a conseguir expedir. Certo é, para já, o custo acrescido nos stocks, no armazenamento e nos contentores.

Do lado do calçado, embora as exportações para a China e Hong Kong tenham crescido a dois dígitos em 2019, ascendendo a quase 30 milhões de euros, Paulo Gonçalves, da Associação Portuguesa Ind. Calçado Componentes Artigos Pele Sucedaneos, faz notar alguma «preocupação» com a hipótese de as centenas de importadores chineses não marcarem presença na maior feira mundial do sector, em Milão.

Em 2019, a China era o 15.º maior cliente e o sexto fornecedor de Portugal, pesando apenas cerca de 1% nas exportações portuguesas de bens. Desde o início do ano até Novembro, as vendas de mercadorias para o destino caíram 10%, aproximando-se dos 553 milhões de euros, o que agravou o défice bilateral para cerca de 2.200 milhões de euros, uma vez que as compras aos chineses subiram 26% nesse período. A taxa de cobertura das importações pelas exportações ficou-se pelos 20%, mostram dados disponibilizados pela Associação Empresarial de Portugal “ao Jornal de Negócios”.

As empresas do sector extractivo e transformador das rochas ornamentais também dão conta de que «a situação tem tendência a piorar» e que «o impacto poderá vir a ser considerável». «No início do ano era natural estarem já em Portugal os compradores chineses para selecionar a pedra que pretendem comprar e ainda não vieram. Como os bancos na China estão fechados também não há cartas de crédito, o que impede os negócios. Os portos estão a trabalhar abaixo da normalidade e as empresas estão com dificuldade em enviar blocos, até pela falta de contentores – e se não retornarem cheios para a Europa, os preços tendem a disparar. E muito material de desgaste para os equipamentos, apesar de adquirido na Europa, é fabricado na China, podendo haver rutura de stocks», resume Francelina Pinto, directora executiva da Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora.

O jornal aponta ainda que não é só a indústria que está a sofrer com o impacto do coronavírus. A Pinto Lopes Viagens, agência especializada em viagens culturais de grupo para maiores de 60 anos, cancelou os quatro circuitos que tinha na China e também os trajectos naquele território, como os cruzeiros, e tem tido alguns cancelamentos para outros destinos asiáticos. A pausa na operação está, para já, prevista até ao início de Junho.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Quer ir ao Burning Man? Cuidado com os bilhetes falsos
Automonitor
#Ensaio – Mercedes-Benz GLC 220d – A medida perfeita