Urânio entra em alta após golpe da covid-19 atingir a oferta

No início deste semana a mineira Kazatomprom, no Cazaquistão, reduziu a sua previsão de produção para 2020 em até 10,4 milhões de libras, equivalente a 8% da oferta global, devido às medidas impostas pelo governo para mitigar a propagação do coronavírus.

O mercado já reagiu a esta decisão com o aumento do preço do urânio para 28,70 dólares por libra-peso, na passada quarta-feira. Este é um aumento de mais de 20% em relação ao praticado em março.

A última vez que o metal foi negociado acima de 30 dólares foi em fevereiro de 2019.

“Os acertos no fornecimento continuam a aumentar”, disse o analista da Numis, Justin Chan, ao Financial Times. O analista estima que entre 30% a 35% da produção global de urânio tenha sido agora afetada pelo confinamento provocado pelo coronavírus, levando as mineiras a rever os seus inventários.

A Kazatomprom já fez saber que continuará a cumprir as suas obrigações contratuais até 2020, esgotando assim os seus stocks.

O corte nas suas operações segue o encerramento da maior mina de urânio do mundo, Cigar Lake, por um mês e a decisão da Namíbia, um fornecedor importante da enorme indústria nuclear da China, de interromper toda a atividade de mineração.

Os analistas esperam que estas interrupções reforcem ainda mais as condições do mercado.

A indústria está sobrecarregada por grandes stocks desde o desastre de Fukushima, em 2011, altura em que o Japão e um conjunto de países como a Alemanha encerraram a produção nuclear e cancelaram os planos de construção de novas fábricas.

Agora, uma redução nos stocks poderá deve proporcionar um novo impulso ao sentimento de confiança neste setor, de acordo com analistas e investidores.

“Antes do anúncio da Kazatomprom, estávamos prevendo um déficit de 30 milhões de libras na balança de oferta / demanda de urânio, que agora parece que pode chegar a 40 milhões de libras”, disse Alexander Pearce, analista do BMO Capital Market, acrescentando que o déficit adicional “acelerará apenas” o esgotamento dos estoques.

A decisão da Kazatomprom de reduzir a produção também será sentida pelo produtor canadiano Cameco, que esperava comprar quase 5 milhões de libras de urânio da Inkai, uma mina que possui em conjunto com a empresa no sul do Cazaquistão. Este país foi responsável por mais de 40% da produção mundial de urânio no ano passado.

Se o fornecimento da Inkai for atingido poderá forçar a Cameco a adquirir metal de reposição diretamente no mercado ou no stock da Kazatomprom.

A procura global anual de urânio é de 150 milhões de libras, 85% da qual é atendida por meio de contratos de fornecimento de longo prazo entre produtores como Cameco, Kazatomprom e empresas de serviços públicos.

Normalmente, os compradores de combustível nuclear para concessionárias procuram garantir contratos aproximadamente dois anos antes. Com a queda de vários contratos a partir de 2021, é provável que os compradores entrem no mercado este ano com outro suporte aos preços.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...