Um Portugal retalhado!

Por Ricardo Florêncio

Em vésperas de eleições autárquicas, marcadas para o dia 26 de Setembro, é altura de voltar a falar neste Portugal “retalhado”. Faz sentido que um País com esta dimensão e população, tenha 308 concelhos (das quais 11 na Madeira, e 19 nos Açores)? E que tenha um total de 3091 freguesias (das quais 54 na Madeira e 155 nos Açores)? Faz sentido toda esta esquadria, esta divisão em tão pequenas parcelas? Faz sentido toda esta estrutura? E servirá efectivamente os nossos interesses? Penso que não. O País, os cidadãos, a economia, teriam muito a ganhar se não houvesse esta divisão em tão pequenas parcelas e em tão grande número. Poderíamos ter melhores serviços, melhores infra-estruturas a diversos níveis, nomeadamente na Saúde, Educação ou Justiça e uma gestão mais assertiva e rápida dos diversos assuntos. E não vale a pena vir com questões ideológicas de centralização e descentralização, pois isso só serve para criar ruído. Se dois ou três concelhos se juntassem, poderiam criar uma rede de distribuição de atribuições e responsabilidade entre si e, em vez de terem duas ou três infra-estruturas do mesmo serviço, mais pequenas e porventura ineficientes ou com escassez de recursos e investimento, teriam umas com uma qualidade muito superior de meios técnicos e humanos. Isto seria o caminho a seguir. Agora, para que isto acontecesse, teríamos de mudar algumas mentalidades de “quintinhas”, e olhar para o todo, e bem comum. Será possível? Espero que sim, e para o bem de todos, que a partir de 27 de Setembro nos debrucemos sobre este tema!

Editorial publicado na revista Executive Digest nº 186 de Setembro de 2021


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.