Um incentivo de bitcoins para os pocasters

A CEO da Castbox, Renee Wang, tem uma nova ideia para financiar criadores de conteúdo digital.

Por Yasmin Gagne, colaborada da Fast Company

Renee Wang, fundadora e CEO da Castbox – empresa  de podcasts gratuitos – tem vindo a testar o blockchain como forma de melhorar o sector do podcasting e, eventualmente, de outras formas de entretenimento. Acompanhe alguns dos passos que já deu:

O problema

Quando a plataforma de podcast de Renee Wang, a Castbox, começou a produzir vários conteúdos áudios originais, no ano passado, a antiga executiva de publicidade da Google enfrentou o problema de todos os podcasters: as receitas com publicidade, por si só, não chegam para financiar um programa, mesmo que este tenha milhões de ouvintes. Por isso, o que é que Renee Wang decidiu desenvolver? Nem mais que uma forma simples de os subscritores financiarem os seus programas preferidos, recompensando-os, ao mesmo tempo, pela sua lealdade à empresa e serviço.

A epifania

Renee Wang começou por pensar em ter como base um serviço como o PayPal para deixar os consumidores apoiarem directamente os seus criadores preferidos. Mas, no final, decidiu que o processo de deixar a aplicação e passar por um intermediário seria aborrecido para os utilizadores e diminuiria os lucros dos podcasters. O blockchain, percebeu Renee Wang, é descentralizado, o que significa que os utilizadores podem definir e receber dinheiro directamente na aplicação, sem carregar numa ligação externa ou sem ter que passar por um serviço externo.

A execução

No passado mês de Junho, Renee Wang equipou então a Castbox, que agora produz 25 programas originais, incluindo o This Sounds Serious – uma popular paródia a documentários sobre crimes reais – com um sistema de pagamentos verdadeiramente personalizado e que permite aos consumidores adquirirem uma subscrição premium sem saírem da aplicação. Além disso, contratou quatro engenheiros para expandirem as capacidades do sistema de pagamentos, criando um ecossistema de blockchain chamado Contentbox, que está ainda na sua fase beta.

O resultado

Com o Contentbox, os utilizadores conseguem enviar e receber “tokens” da sua carteira digital dentro da aplicação. Essas moedas, que podem comprar e, eventualmente, ganhar ao consumirem e partilharem podcasts, podem depois ser doadas aos criadores participantes (que, por sua vez, as trocam por dinheiro). «Quero incentivar e compensar os criadores que fazem grandes conteúdos, quer seja podcasts, música ou vídeos», revela Renee Wang. Neste momento, Renne espera vir a fazer, eventualmente, uma parceria com empresas de Media digitais para que estas possam, também, usar o sistema de pagamentos da Contentbox nas suas próprias plataformas. Um olhar para o futuro?

Este artigo foi publicado na edição de Outubro de 2018 da Executive Digest.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Artigos de pele portugueses inspiram campanha
Automonitor
Renault apostada na eletrificação em 2020