Transição verde “requer financiamento” e “traz desafios sem paralelo na história económica”, diz Administrador do BdP

Luís Laginha de Sousa afirmou que alguns temas ligados à sustentabilidade ambiental, como redução das emissões de dióxido de carbono, o combate às alterações climáticas e a proteção da biodiversidade “ainda não são familiares para os bancos centrais”, mas “o caminho está a ser feito”.

Num discurso na conferência “Smart Growth: o Papel da Economia Circular”, decorrida no dia 5 de maio, promovida pela Fundação Serralves e pela ASWP, o Administrador do Banco de Portugal sublinhou que “apesar de a abordagem principal dos Bancos Centrais ser a de olhar para a realidade com o filtro das preocupações, sobretudo no sentido de identificar os potenciais riscos para a estabilidade financeira”, Portugal apresenta oportunidades relevantes.

O responsável aponta como exemplo a Zona Económica Exclusiva do país como uma fonte de importantes “serviços efetivos de biodiversidade a toda humanidade”, bem como o potencial que essa mesma zona tem no que toca à captura de carbono.

Também é possível contrariar a perda de diversidade biológica se se converter os ecossistemas em fontes de rendimento. Quanto maior for a saúde desse ecossistema, maior será o rendimento produzido, o que constitui um importante incentivo à sua conservação. “Encontrar formas de atribuir o rendimento a quem preserva ou aumenta o capital natural e cobrar o preço adequado a quem utiliza e consome esse mesmo capital natural é o que a teoria económica sugere que seja feito”, sublinha Luís Laginha de Sousa.

O sistema financeiro deve transformar-se “para que a economia possa percorrer o caminho da chamada transição energética, que é o caminho que nos pode levar até à neutralidade carbónica”, refere, acrescentando que a União Europeia precisaria de “investimentos adicionais equivalentes a 2,1% do PIB, por ano se quiser alcançar o objetivo de reduzir em 55% as emissões de gases com efeito de estufa até 2030”. As estimativas do FMI apontam para investimentos de 0,6% a 1% do PIB global por ano para se conseguir alcançar a neutralidade carbónica até 2050.

O Administrador do BdP destacou que as políticas públicas são essenciais para colocar o sistema financeiro ao serviço da transição energética, e vice-versa, e para promover e consolidar a dimensão da sustentabilidade ambiental das atividades económicas.

Laginha de Sousa frisou que os bancos centrais não se podem alhear dos assuntos das alterações climáticas, da perda de biodiversidade e da transição energética, principalmente depois de terem tomado consciência de que “as alterações climáticas são uma importante fonte de risco para as instituições financeiras”.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.