«Terrorismo telefónico» chega a Moscovo. Falso alerta de bomba obriga à deslocação de 10 mil pessoas

Moscovo apelidou de «terrorismo telefónico» um falso alerta de bomba que levou à deslocação de aproximadamente 10 mil pessoas. De acordo com o «La Vanguardia», que cita meios locais, foram recebidas várias ameaças nesta segunda-feira contra locais públicos da capital russa.

As autoridades evacuaram 80 escolas, 16 infantários, três tribunais, centros comerciais, várias cadeias de supermercados e toda a rede metropolitana da capital russa, mas não foram encontradas bombas.

A vaga de falsos alertas de bomba em Moscovo terá começado a 28 de Novembro passado. As chamadas anónimas mantiveram-se durante duas semanas, afectando cerca de um milhão de pessoas.

Em 2017, praticamente meio milhão de pessoas foram evacuadas em quase 100 cidades russas. Os falsos alertas foram feitos através de telemóveis. Na altura, as autoridades descobriram que os responsáveis eram cidadãos russos que se encontravam fora do país.

Entretanto, o código penal russo foi reformulado e as penas máximas aumentaram de cinco para 10 anos de prisão. Contudo, isto não impediu novos ataques. Em Fevereiro do ano passado, o fenómeno afectando também dezenas de regiões de Sacalina. As ameaças eram feitas por principalmente via e-mail e através de bots.

Mais tarde, em Dezembro, um tribunal de Arkhangelsk condenou um homem a três anos de liberdade condicional, depois de este ter admitido que, em Maio, telefonou para os serviços de emergência da cidade, dizendo que havia bombas num centro comercial e no aeroporto.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Quer ir ao Burning Man? Cuidado com os bilhetes falsos
Automonitor
#Ensaio – Mercedes-Benz GLC 220d – A medida perfeita