Telemóveis são perigosos nos voos? Em alguns aviões da Boeing, sim

3D imagery, 737 MAX, MAX, 737 MAX 7, 737 MAX8, 737 MAX 9

Autoridades do governo dos Estados Unidos revelaram em 2014 um alarmante problema de segurança: telemóveis de passageiros e outros tipos de sinais de rádio poderiam aumentar as probabilidades de acidentes em alguns modelos de aviões Boeing 737 e 777, conta a agência Bloomberg.

Mais de 1.300 jatos registados nos EUA foram equipados com ecrãs de cabine vulneráveis à interferência de Wi-Fi, telemóveis e até mesmo de frequências externas como radares meteorológicos, segundo um relatório da Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês), que deu um prazo até novembro de 2019 para que as companhias aéreas substituam as unidades fabricadas pela Honeywell International.

Dados críticos de voo como velocidade, altitude e navegação podem desaparecer e “resultar na perda do controlo do avião a uma altitude insuficiente para a recuperação”, revelou a FAA no boletim de segurança, conhecida como diretiva de aeronavegabilidade.

A Honeywell diz que não foi informada de nenhum ecrã que se tivesse desligado por interferência de telemóveis ou outras frequências de rádio durante o voo de um avião, mas na resposta, a FAA afirmou que concluiu que havia riscos de segurança com base nas avaliações recebidas de um fornecedor e de um operador.

A Boeing descobriu a interferência num teste de laboratório em 2012 e não identificou problemas semelhantes noutras aeronaves, revelou um porta-voz da empresa. A Honeywell tem conhecimento de apenas um caso em que os seis ecrãs existentes numa cabine de um 737 ficaram em branco, disse a porta-voz da empresa, Nina Krauss. O problema, causado por uma falha de software, foi corrigido e atualmente está a ser testado, acrescentou.

Os 737 afetados fazem parte do chamado modelo da Próxima Geração, um antecessor do Boeing Max, que esteve envolvido em dois acidentes em menos de cinco meses. Os ecrãs da cabine do Max foram fabricados pela Rockwell Collins, agora uma unidade da United Technologies, e não pela Honeywell. Os 777 da Boeing também foram incluídos na ordem da FAA.

Vários telemóveis que ficam ligados durante um voo “podem realmente ser um problema”, afirmou o professor Tim Wilson, chefe do departamento de engenharia elétrica, computadores, software e sistemas da Universidade Aeronáutica Embry-Riddle. Quanto maior o número de telefones a emitir sinais de rádio, maior é o potencial de interferência no sistema de voo de um avião.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
178 restaurantes juntam-se à Rota de Tapas Estrella Damm
Automonitor
Quer o novo Peugeot 208? Encomendas abrem hoje…