Telefónica vai despedir 500 trabalhadores de topo

A Telefónica, que já deu início às negociações com a empresa brasileira Oi para a compra da rede móvel, planeia cortar 500 postos de trabalho, noticia esta sexta-feira a imprensa espanhola, citando fontes próximas ao processo.

A empresa liderada por José María Álvarez-Pallete prepara-se para arrancar com as negociações para a saída de cinco centenas de funcionários, sobretudo altos cargos, em Espanha e em alguns dos países onde opera (Alemanha, Inglaterra, Colúmbia, Brasil, Argentina e, entre outros, México), sabe o jornal espanhol “El Confidencial”. Os trabalhadores serão convidados a ocupar lugares nas centrais telefónicas de Madrid ou a reformar-se antecipadamente.

Recorde-se que, a 9 de Setembro, a Telefónica Espanha propôs aos sindicatos um Plano de Suspensão Individual (ISP) do emprego a partir dos 53 anos e com mais de 15 anos de experiência, que irá afectar cerca de 4600 trabalhadores ao longo de um ano, o equivalente a 21,3% da força de trabalho da empresa. Este corte tem um custo estimado de 1876 milhões e a poupança média anual nos custos são estimados em 220 milhões a partir de 2021.

Na semana passada, a operadora revelou que, em apenas um mês, recebeu 2636 inscrições ao ISP, cuja adesão é voluntária.

Outras fontes indicam que pode ainda haver uma mudança de papéis entre Emilio Gayo, presidente da Telefónica em Espanha, e María Jesús Almazor, CEO da empresa em Espanha.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
As ideias (brilhantes) da Skoda