Suposto “messias” da Bitcoin foi preso por hackear contas de Joe Biden, Barack Obama, Ellon Musk e Kim Kardashian

Joseph O’Connor foi preso esta quarta-feira, em Espanha, por hackear contas do Twitter de personalidades, como Joe Biden, Barack Obama, Elon Musk, Bill Gates, Jeff Bezos e Kim Kardashian e mais 115 pessoas.

O objetivo, segundo o Departamento de Justiça dos EUA, era enganar os seus seguidores na rede social, que achavam que era “um messias” da Bitcoin, com capacidade de dar lições sobre enriquecimento no mercado dos criptoativos.

O mandato de captura foi emitido pelas autoridades norte-americanas, mas a operação de detenção foi levada a cabo pela Polícia Nacional espanhola. O individuo de nacionalidade britânica aguarda agora que os EUA apresentem, formalmente, um pedido de extradição.

O jovem de 22 anos é acusado pelo Tribunal Federal da Califórnia de vários crimes de invasão de privacidade agravada, de extorsão e burla e de atividade persecutória e cyberstalking. Para além do Twitter, O´Connor também tentou enganar várias pessoas no TikTok e no Snapchat, onde intimidou dois menores de idade.

Segundo o Ministério Público, o arguido entrava nas contas das vítimas, que chegaram mesmo a incluir organizações como a Apple e a Uber, e escrevia mensagens do género “quero agradecer à comunidade de Joseph O’Connor, por me ensinar a investir”. A acusação afirma ainda que o jovem “incentivava as vítimas a enviarem-lhe dinheiro em Bitcoin, argumentando que depois seriam pagas em dobro”.

Para além de O´Connor três outras pessoas, incluindo um jovem de 17 anos da Flórida, foram acusadas nos EUA de invasão de privacidade. Segundo as autoridades norte-americanas este esquema rendeu mais de 100.000 dólares (86,7 mil euros, à taxa de conversão de hoje), ao grupo de arguidos.

No ano passado, o Twitter denunciou publicamente o caso, onde adiantou que tinha a certeza “que os criminosos tiveram acesso às credenciais dos nossos funcionários e às ferramentas do back office da rede social”.

Na altura, alguns especialistas, como Rachel Tobac, CEO da empresa de segurança informática SocialProof Security, chegaram mesmo a defender que este “era o maior ataque alguma vez realizado contra o Twitter”.

 

 

 

 

Ler Mais


Comentários
Loading...