Sobre a moda de pagar as compras online a prestações

Não faltaram razões para termos ido às compras nos últimos meses ou foi a Black Friday, Natal ou Passagem de Ano, e agora chegam os Saldos. E com as compras chegam os pagamentos e os créditos.

Já se fala da possibilidade de pagar as compras online a prestações, sem juros e taxas associadas, algo possível com compras de valores mais baixos. Numa primeira perspetiva, podemos prever que recorrer a este tipo de formato pode levar a um aumento das compras por parte do consumidor e, com isso, a longo prazo, uma maior instabilidade financeira, porque pagar a prestações é naturalmente sinónimo de ter dinheiro em dívida. Se não acarretamos juros ou taxas, melhor. Mas para muitos portugueses pode significar: vou comprar mais. Ou seja, gastar mais e, pagando de forma faseada, endividar-se mais tempo. Por isso, cuidado com informações ‘sem taxas e juros’; primeiro entenda o que lhe estão a propor e só depois avance, apenas se sentir 100% de segurança para o fazer.

Nos dias de hoje, especialmente considerando iminentes crises económicas, ter consciência das suas finanças pessoais importa e muito. Mais do que aderir a pagamentos a prestações, em primeiro lugar, é necessário compreender o que isso traz, da responsabilidade a que se está a propor para os próximos meses, anos, décadas. Será este um compromisso que terá condições de cumprir?

As entidades bancárias concedem créditos para ajudar os seus clientes a ter liquidez, seja a comprar uma casa, um carro ou mesmo as compras de Natal. A ideia é solucionar o problema do cliente e permitir que ele tenha como pagar no momento, mas com valores mais avultados é inevitável ter taxas e juros, porque significam um compromisso assumido por parte do cliente.

Voltando às compras e à época dos saldos, além das prestações sem taxas ou juros, pondere onde vai comprar. As burlas estão sempre à espreita principalmente nas promoções e garantir que está a fazer uma boa compra é hoje, felizmente, fácil de perceber. Há plataformas que lhe indicam os preços dos produtos dos últimos meses e visitar esses sites por antecipação pode traduzir-se numa decisão consciente no amanhã.

Outro tema que não posso deixar de salientar é que tal como ponderar pagar a prestações, deve ponderar ter ou não um cartão de crédito. Para muitos a palavra crédito é assustadora, mas optar por um é legitimo. No entanto, mais uma vez, importa saber com o que está a comprometer-se, porque no mercado há múltiplas opções. Escolher com consciência e de acordo com as suas reais necessidades é o que vai retrair o medo de optar por um cartão de crédito porque nesse momento saberá o que isso representa. Recordo ainda que existem cartões com vantagens como o cashback em que recupera uma percentagem do que gastou, uma boa forma de ter um benefício extra nas compras que efetuar nesta época de saldos.

O desafio é saber qual é a melhor opção para as próximas compras. Aconselho sempre a pedir recomendações. Não se deixe influenciar por algumas notícias. Informe-se, peça ajuda a quem sabe, de preferência a um especialista independente que seja isento de qualquer empresa ou entidade bancária e que olhe para uma solução dentro das suas possibilidades. Na área em que atuo, da intermediação de crédito, já assisti a centenas de pessoas atormentadas pelas suas prestações; muitas delas começaram com umas simples compras que se tornaram uma autêntica ‘bola de neve’. Sublinho: antes de decidir pagar a prestações seja o que for neste novo ano, procure conhecer todas as opções do mercado. Decida com consciência.

 

 

Marta Almeida

Diretora Coordenadora Nacional da DS Intermediários de Crédito

Ler Mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.