Semana de trabalho de quatro dias: Espanha adia teste piloto para 2022

O Governo espanhol decidiu adiar o projeto piloto para testar uma semana de trabalho de quatro dias, proposto pelo partido ‘Más País’, pelo menos até 2022, uma vez que o seu arranque depende do orçamento do próximo ano e não dos fundos europeus, avança a ‘Efe’.

Inicialmente, o Executivo tinha dado luz verde à iniciativa, concordando em investir 50 milhões de euros de fundos públicos, num programa nacional de três anos, no entanto, o teste piloto acabou por ser adiado até 2022, confirmou o Ministério da Indústria, citado pela agência espanhola.

Segundo fontes consultadas pela ‘Efe’, a tutela garante que os fundos para apoiar a redução da jornada dependem do orçamento de estado para 2022 e descarta que o acordo com o Más País tenha o financiamento dos fundos europeus, como tinha sido avançado inicialmente.

A decisão parece ter sido tomada repentinamente, uma vez que ainda há dias o Governo avançou que estava à procura de voluntários para arrancar com o projeto este ano.

A ideia deste teste partiu de um pequeno partido político de esquerda chamado Mas Pais, que convenceu o governo espanhol a implementar uma semana de trabalho de 32 horas e a avaliar a experiência.

“Cem anos passaram desde que reduzimos a jornada de trabalho pela última vez, ou seja, quando conquistámos o direito a oito horas”, disse o líder do partido, Inigo Errejon, em entrevista em Madrid, na altura da apresentação do projeto. “Nos últimos 100 anos, continuamos a produzir mais com menos horas de trabalho e, no entanto, essa capacidade de produção graças à tecnologia não gerou mais tempo livre para as pessoas”, afirmou.

O programa de Errejon, prevê que os funcionários recebam os mesmos salários, apesar de trabalharem menos horas. O financiamento do governo compensa as empresas, cobrindo o custo de contratação de trabalhadores adicionais ou instalação de novas tecnologias – mas apenas temporariamente para facilitar a transição.

Errejon já tinha solicitado uma semana de trabalho de quatro dias antes mesmo da pandemia de Covid-19, mas atualmente, o responsável considera que é mais provável de acontecer esta realidade em Espanha, porque a crise de saúde pública mostrou ser possível uma maior flexibilidade no local de trabalho. Ainda assim, parece que agora o projeto vai ter que esperar, pelo menos até ao próximo ano.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...