Risco de bolha imobiliária acelera na Europa como não era visto há seis anos, alerta suíço UBS

O risco de bolhas imobiliárias acelerou em toda a Europa, com o fim da pandemia, e a injeção de estímulos promovidos pelo Banco Central Europeu e pelos programas governamentais de apoio à economia.

Com Frankfurt no topo da lista, as cidades europeias foram responsáveis ​​por seis dos nove mercados imobiliários mais desequilibrados do mundo, de acordo com o Índice de Bolhas Imobiliárias Global do UBS Group AG, divulgado esta quarta-feira.

O risco de bolha também acelerou em Toronto, Hong Kong e Vancouver.

Embora todas as cidades pesquisadas pelo UBS, exceto quatro, tenham assistido a um aumento nos valores, o banco alertou que esses aumentos podem parar abruptamente na maioria dos mercados, à medida que as políticas de crédito começam a apertar com o fim da pandemia.

“Em média, o risco de bolha aumentou durante o ano passado, assim como a possibilidade de uma correção dos preços em muitas cidades analisadas”, escreve o banco suíço.

“O agravamento da acessibilidade, os empréstimos hipotecários insustentáveis ​​e uma divergência crescente entre preços e arrendamentos têm servido historicamente como precursores de crises imobiliárias”, alerta o UBS.

 Risco de bolha (> 1,5), sobrevalorizado (0,5 a 1,5), valor justo (-0,5 a 0,5), subvalorizado (-1,5 a -0,5) Fonte: UBS

Risco de bolha (> 1,5), sobrevalorizado (0,5 a 1,5), valor justo (-0,5 a 0,5), subvalorizado (-1,5 a -0,5) Fonte: UBS

Ao contrário da crise financeira global de 2008, as cidades norte-americanas estão fora da zona de perigo. Moscovo e Estocolmo registraram os maiores aumentos de risco, enquanto Tóquio e Sydney também subiram na classificação, à medida que seus mercados imobiliários prosperavam.

Em todas as cidades analisadas, o crescimento dos preços acelerou para 6% em termos ajustados pela inflação, entre meados de 2020 e meados de 2021, o maior aumento em sete anos.

À medida que as famílias tomam emprestado cada vez mais dinheiro para acompanhar os preços das casas, o crescimento das hipotecas pendentes e da relação entre dívida e renda também acelerou, especialmente no Canadá, Hong Kong e Austrália.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.