Reputação e sustentabilidade empresarial

Num mercado em que cada vez mais a conquista e manutenção de clientes está assente em pequenos detalhes e pormenores, a afirmação da idoneidade da empresa e do reforço da reputação da marca no mercado que esta certificação representa, geram confiança nos clientes e assim potencial para ter um impacto positivo nas vendas. Em entrevista à Executive Digest, Carlos Gouveia, CEO da SCORING, explica como funciona a certificação e quais as garantias de rigor e isenção que esta classificação apresenta.

A avaliar pela lista de empresas certificadas que vai publicar nesta edição, é um projecto com muita aderência junto das empresas?

É verdade. Num ano e meio, certificámos perto de 1000 empresas, cuja soma do volume de negócios aproxima-se de 1% do PIB. Trata-se de uma certificação com mais-valias claras para as empresas, sendo alicerçada num método validado cientificamente e aplicado com rigor e isenção (sendo inclusivamente auditado anualmente pela Bureau Veritas).

Contou, desde a primeira hora, com a adesão de muitas empresas, de norte a sul de Portugal, algumas bem conhecidas da generalidade das pessoas, e dos mais diversos sectores de actividade. Sem dúvida que esta parceria com a Executive Digest foi também muito importante.

Sentimos, muito claramente, por parte das empresas e entidades com quem falamos, uma grande adesão à ideia, ao seu propósito e à ligação que apresenta à realidade concreta das empresas. Fazia falta esta iniciativa que projecta a comunidade de empresas que partilham os valores da gestão rigorosa e equilibrada, da solidez e da idoneidade, capaz de contribuir para a confiança das empresas e dos negócios.

Esta iniciativa é relativamente recente. Como foi o percurso até chegar aqui?

Sim, trata-se efectivamente de uma iniciativa recente. A SCORING foi criada em 2018, 100% nacional, e estivemos praticamente dois anos em investigação para o desenvolvimento do “ScorePME”, o método de classificação económico-financeira que está na base da certificação Top 5% Melhores PME de Portugal. Teve a participação de diversos especialistas, designadamente doutorados em gestão e de consultores na área financeira e marketing, num projecto que teve o apoio financeiro do Portugal 2020.

Quando, há cerca de pouco mais de um ano, estávamos prontos para dar seguimento ao nosso plano de divulgação, fomos confrontados com a situação pandémica que todos conhecemos, pelo que fomos obrigados a adiá-lo. Só para ter uma ideia, a nossa primeira campanha de mailing foi colocada no último dia antes de começar o primeiro confinamento, sem qualquer garantia que as cartas seriam sequer entregues pelos serviços postais e, muito menos, se haveria pessoas nas empresas a tempo de as abrir em tempo útil!

A máxima que aprendemos do desporto, de que o pior que nos pode acontecer numa derrota é deixar que a mesma nos diminua a possibilidade de ganhar o próximo desafio, deu-nos o mote e a força para trabalhar junto das empresas e tentar implementar o projecto, apesar das dificuldades.

Como funciona a certificação?

Sob o ponto de vista das empresas certificadas, é um processo muito simples. A SCORING, a partir da IES (que é a informação das contas anuais, determina quais são as empresas que estão no Top 5% Melhores PME de Portugal, em termos de desempenho e solidez financeira.

Este é um processo que cabe exclusivamente à SCORING, sem qualquer intervenção das empresas. Utilizamos os indicadores económico-financeiros que avaliam os dois principais objectivos das empresas, neste domínio: gerar resultados e ter solidez financeira. Com base no método ScorePME, as empresas que cumprem determinados requisitos (nomeadamente volume de negócios mínimo, entre outros), são classificadas em comparação umas com as outras, sendo atribuído um Índice de Desempenho e Solidez Financeira (IDS). Ora, só 5% das PME nacionais cumprem simultaneamente os requisitos e têm uma notação SCORING/IDS “Excelente”: são as Top 5% Melhores PME de Portugal.

Salientar que não se trata de um ranking de vendas. À escala de cada empresa, este método apura as que têm capacidade de gerar resultados e, simultaneamente, ter solidez financeira. De entre as Top 5%, não existem empresas com prejuízo, antes as que se afirmam pelo equilíbrio e rigor da sua gestão, e por isso merecedoras de confiança junto do mercado.

Quais as garantias de rigor e isenção que esta classificação apresenta?

São várias. Desde logo a independência face às empresas avaliadas e a veracidade dos dados, são asseguradas pelo facto de estes serem obtidos a partir de uma fonte oficial (IES).

Depois, o rigor e a isenção da aplicação do método ScorePME, são confirmados anualmente em auditoria pela Bureau Veritas (multinacional, com presença em Portugal, devidamente acreditada junto do IPAC). Não se trata de uma auditoria com base no referencial ISO 9001 (muito conhecido como a “Certificação da qualidade”). Antes, um referencial específico desenvolvido pela entidade auditora, para se pronunciar sobre o método ScorePME. Pode ler-se no texto do certificado emitido pela Bureau Veritas que a «base de dados é fiável com os dados contidos na IES», que o «algoritmo utilizado para deter-minar o IDS cumpre o método especificado» e que a notação «ScorePME foi comprovada matematicamente e por métodos alternativos».

Dispomos igualmente de um parecer científico emitido por docentes do ensino superior doutorados em gestão, que atestam a validade do modelo face à teoria de gestão enquadrável, e que o mesmo tem aptidão explicativa face ao que avalia: as empresas com notação mais elevada, apresentam claramente maior desempenho organizacional, evidenciado pelo maior desempenho económico e solidez financeira.

Finalmente, as classificações são depositadas na ASSOFT – Associação Portuguesa de Software, que também emite certificado, reforçando a originalidade e os direitos de autor das classificações, mas também a integridade dessas mesmas classificações.

Certamente entregam um Selo de Certificação às empresas. E que mais?

Sim. As empresas ao fazerem a adesão, recebem um conjunto de recursos, sobre tudo de comunicação, que lhes permite justamente comunicar e partilhar esta distinção com os seus públicos, e assim gerar as mais-valias que poderei pormenorizar mais à frente.

Desde logo, selos Top 5% Melhores PME de Portugal – 2020, um simples e outro mais completo, personalizados com o NIF e designação social da em-presa. As empresas podem usá-los na assinatura de email, site, redes sociais, estacionário, viaturas, etc., onde a sua política de comunicação aconselhar a utilização dos valores inerentes a esta distinção (reputação, idoneidade e confiança). Acaba por ser mais um símbolo da empresa, a juntar ao seu logótipo, à sua assinatura e a outros símbolos que projectam a empresa no mercado.

Deixe-me aqui ressalvar que esta é mais uma inovação que a SCORING trouxe ao mercado, uma vez que os selos que conhecemos (ISO 9001 e outros) não fazem qualquer referência às empresas a quem foram atribuídos.

Emitimos também certificado comprovativo da classificação atribuída, subscrito por docentes universitários doutorados em gestão. Sabemos que as empresas os usam na comunicação interna, mas também por vezes os anexam à apresentação institucional ou a acompanhar propostas comerciais.

A acompanhar o certificado, envia-mos o relatório financeiro que mostra a evolução da empresa nos últimos três anos e como chegámos à classificação no último ano. Acrescento que a SCORING é muito discreta quanto aos dados financeiros das empresas certificadas. Nesta lista, apenas divulgamos a identificação das empresas. Em nenhum lado, e por nossa iniciativa, divulgamos volume de negócios, número de trabalhadores, etc., apenas divulgamos que se trata de uma empresa classificada com bom desempenho e solidez financeira.

Temos também uma plataforma digital para divulgação das empresas certificadas, acessível em toppme.pt. Cada empresa tem a sua página, com o nome, imagem e logótipo, e testemunho com foto (se assim o pretender). Funciona como um certificado digital que qualquer cliente das empresas certificadas pode aceder para comprovar a distinção, mas ao mesmo tempo como um cartão de visita para que os muitos acessos diários a esta plataforma possam resultar em contactos para as empresas. Permite a pesquisa por três filtros: parte do nome da empresa, região e sector de actividade.

E, finalmente, em resultado da parceria que estabelecemos em Novembro de 2020 com a Executive Digest, a divulgação das empresas certificadas nesta edição da revista. As empresas reconhecem-vos como uma publicação prestigiada na área da economia, gestão e empresas, onde querem associar a sua empresa e a qual contribui também para a notoriedade da própria certificação que alcançaram.

Quais as mais-valias que as empresa certificadas procuram com esta certificação?

Num mercado em que cada vez mais a conquista e manutenção de clientes está assente em pequenos detalhes e pormenores, a afirmação da idoneidade da empresa e do reforço da reputação da marca no mercado que esta certificação representa, geram confiança nos clientes e assim potencial para ter um impacto positivo nas vendas.

Também os colaboradores se sentem mais motivados: o orgulho de pertencerem a uma equipa ganhadora e a uma empresa estável. Em particular, aqueles que participam mais activamente nas vendas e fidelização, têm ao dispor mais uma “ferramenta” de trabalho e comunicação para atingirem os seus objectivos.

Obviamente que as equipas de gestão também se sentem valorizadas por terem conduzido e liderado as suas empresas a um patamar de excelência objectiva. E isso também lhes dá mais força e legitimidade, se me permite o exagero da expressão, para continuarem a implementar as estratégias que têm vindo a ser seguidas e a merecer a confiança das suas equipas e do mercado em geral.

Qual tem sido a reacção das empresas, ao saberem desta classificação?

Têm sido muito boas, excelentes. No plano mais racional, muitas dão-nos conta de que efectivamente o facto de passarem a usar a distinção na sua comunicação, sentiram benefícios nas vendas e fidelização de clientes. Por exemplo, um empresário confidenciou-nos que tinha a certeza que tinha ganho dois contratos importantes, em virtude desta certificação. É por isso que as equipas comerciais são as primeiras a pedir para que a empresa lhes coloque a imagem do selo nas suas assinaturas de email.

Mas também no plano emocional, tem sido muito gratificante para as empresas tomarem conhecimento desta classificação. Uma gestora revelou-nos que se emocionou quando recebeu a notícia: nas suas palavras, era um reconhecimento aos mais de 10 anos da sua empresa. Ou outro CEO que, após um dia difícil na gestão dos projectos junto dos seus clientes, ao tomar conhecimento da nossa classificação, sentiu reforçado o seu papel na economia e o sentido de dever cumprido, dando-lhe obviamente ainda mais motivação para continuar.

Nos inúmeros testemunhos que recebemos das empresas certificadas, e que são públicos nas nossas plataformas, destaco três tónicas: o reconhecimento da confiança dos clientes e das equipas, como principais obreiros desta certificação; o orgulho que representa para a gestão e para todos; e a assunção da responsabilidade em tudo fazer no dia–a-dia para a merecer continuamente.

Quais os projectos futuros?

No curto prazo, já a partir de Abril, vamos lançar a distinção Top 10+ Sectores e Top 10+ Regiões. Queríamos que fosse mais cedo, mas a situação pandémica no início deste ano, obrigou-nos a adiar por uns meses. Muito sucintamente, esta distinção destina-se a empresas elegíveis Top 5%, mas com maior volume de negócios, e que entendem que têm perfil de liderança e afirmação como referências nos seus sectores ou regiões. Serão apuradas as 10 maiores empresas de cada categoria em função do valor resultante do volume de negócios a multiplicar pelo índice de desempenho e solidez financeira. Trata-se da distinção mais selectiva em Portugal, uma vez que, como acabei de referir, é apenas acessível a 10 PME por categoria. As candidaturas já estão abertas e começaremos a divulgar os resultados a partir de Maio.

Vamos ainda avançar com um conjunto significativo de iniciativas, com os objectivos de apoiar as empresas no reforço das suas competências de gestão, comunicação e networking. A seu tempo daremos conta de cada uma.

Quem acompanha a área de inovação e empreendedorismo, sabe que os projectos empresariais são idiossincráticos, isto é, não existem dois projectos iguais, cada uma é o que é pelo caminho que percorreu (talvez por isso, não existam fórmulas para o sucesso empresarial). Parte significativa dessa idiossincrasia, reside nos clientes que as empresas vão angariando. Estamos muito gratos às empresas que nesta 1.ª fase nos deram a sua confiança, a todas e a cada uma. Cumprir as expectativas dos que já ade-riram ou vão aderir a uma das nossas iniciativas é, claramente, o nosso projecto mais importante no curto, médio e longo prazos.

Conheça aqui a participação da SCORING e das empresas certificadas TOP 5% 2020 na edição de Abril da EXECUTIVE DIGEST.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 181 de Abril de 2021

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.