Remax vê investimento de estrangeiros em Portugal crescer 3%

O investimento de clientes estrangeiros em imobiliário em Portugal, através da Remax, saltou cerca de 3%, no ano passado. Os brasileiros surgem em destaque pelo terceiro ano consecutivo, chamando a si 6,2% do total de transacções realizadas. Logo depois aparecem os franceses (1,78%), angolanos (1,08%), chineses (0,99%) e ingleses (0,95%).

Ainda assim, sublinha a Remax, os portugueses continuam a ser os principais clientes. Foram eles os responsáveis por 81,3% das transacções do ano passado, incluindo arrendamento e compra de imóveis. Segundo a imobiliária, este dado “confirma o bom momento que a economia nacional atravessa e o resultado de um maior acesso ao crédito”.

No total do ano, a Remax movimentou 5,20 mil milhões de euros (volume de preços), num total de aproximadamente 68 mil transacções – 78,6% das quais referentes a compra e venda de imóveis. Os resultados de 2019 corresponde a um aumento na ordem dos 19% no volume de preços e de 9% no volume de total de operações.

Lisboa e Porto na linha da frente

Ainda sobre 2019, a Remax adianta que Lisboa e Porto representaram mais de metade do volume de transacções. A capital portuguesa aparece em primeiro lugar, com um total de 30.681 operações, o que corresponde a 45,2% do total.

Porto é o distrito que se segue (13,2%), à frente de Setúbal (9,7%), Faro (5,4%), Braga (5,2%), Leiria (3,5%), Santarém (3,3%), Coimbra (3,1%), Aveiro (2,9%) e Évora (1,3%). Estes 10 distritos representaram 92,8 % dos imóveis transaccionados pela Remax em 2019.

Quanto ao tipo de imóvel predilecto, a tendência aponta para apartamentos e moradias, com 62,6 e 20,5% do total de transacções, respectivamente.

Remax quer ser responsável por quatro em cada 10 transacções em 2023

O plano da Remax para o futuro é ambicioso. A CEO Beatriz Rubio garante que a quota de mercado continuará a crescer, na sequência de uma aposta nos 125 concelhos portugueses onde a imobiliária percebeu que praticamente não estava presente.

«Falamos de zonas populacionais mais pequenas, onde a actividade de mediação imobiliária terá certamente êxito, mas que necessitam de profissionais que as conheçam bem. Esse é o nosso foco a curto prazo, o de estar presente de forma uniformizada ao longo de todo o País», adianta a responsável em comunicado.

Para 2023, o objectivo é outro: a Remax quer se responsável por quatro em cada 10 transacções imobiliárias realizadas em Portugal.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Quer ir ao Burning Man? Cuidado com os bilhetes falsos
Automonitor
#Ensaio – Mercedes-Benz GLC 220d – A medida perfeita