Randstad Insight: O tempo (não) volta para trás

Por José Miguel Leonardo | CEO Randstad Portugal

De um edifício de 10 andares no centro da cidade passou para um apartamento que não ultrapassa os 100 metros quadrados, mas onde a língua inglesa domina e atravessa fronteiras, ligando-se a horas tardias quando as conversas ganham sotaque americano ou aceitando a escuridão como o princípio do dia quando as ligações são feitas literalmente para o outro lado do mundo. 10 andares transformados em apenas um.

O carro está lá fora, não é o único que permanece por vezes dias no mesmo lugar. As viagens diárias que muitas vezes se traduziam numa hora, hoje são passos do quarto para a sala, passando pelo café que não é mais do que a cozinha. Dados anuais da Eurofound demonstram que o mercado de trabalho nacional esteve entre os que saltaram mais expressivamente para teletrabalho como resposta à pandemia: de 4,8% em 2019 para 13,4% no último ano. Mas a obrigatoriedade acabou, até a recomendação foi eliminada, por isso voltemos atrás… ou andemos para a frente.

Mas o que está à frente? O desconhecido. O modelo que tem que ser desenhado, testado e ajustado, sem certezas e por isso parece mais fácil, simplesmente, voltar atrás, até porque foi o contexto que nos levou a mudar e o passado até poderia ser uma história de sucesso. Selos de melhor empresa para trabalhar, programas de team building que reforçam as ligações entre as pessoas e a copa em que nos atropelávamos uns aos outros, promovendo as reuniões informais e cruzando olhares com os colegas, sem necessidade de enviar um link ou fazer agendamento. Um passado em que nem sempre a gestão de tempo parecia eficaz, em que a falta de planeamento levava aos sucessivos atrasos e parecia faltar tempo para trabalhar, para pensar e para criar. A concentração era talvez uma das acções mais complicadas de executar quando vivíamos num ambiente comum, mas vestíamos todos a camisola… Será? Será que o engagement que hoje causa tanta preocupação não era tema no passado porque nos encontrávamos no elevador à hora certa? Ou o tema do engagement tem uma outra dimensão que não é a da presença, mas sim a da relação? E não foi o engagement e a ligação ao propósito das empresas também um dos temas que mais tem sido trabalhado ao longo dos anos, mesmo quando a maioria se via e trabalhava lado a lado na empresa.

Ó tempo volta para trás! Mas o tempo não volta atrás. Olhar para trás não é andar para trás. O que vivemos neste processo, empurrados pelo contexto, mudou-nos a todos, alterou as organizações e as pessoas. Não somos exactamente os mesmos de Março de 2020, mas quem somos? E quem queremos ser?

O mundo do trabalho mudou para sempre. Sabemos que acelerou processos de digitalização, aumentou o mercado do talento mas também a concorrência pelo mesmo. Exigem-se novas competências, capacidade de adaptação, o factfullness baseado em dados mas que não se solidifica em verdades absolutas, pelo contrário aceita a volatilidade e vive da agilidade.

As empresas têm de saber quem são e quem querem ser. Desenhar a sua ambição e trilhar um caminho reconhecendo as tendências e colocando as pessoas no centro da equação. A humanização que não é um bloqueio à digitalização, porque a tecnologia é um vento que não se pára com as mãos, nem com o fechar de olhos. É preciso equilibrar, garantir a relevância dos momentos humanos e digitais, focando as decisões na experiência e assumindo as decisões, porque vai ser preciso optar, vai ser preciso decidir.

Num mundo do trabalho em profunda e constante transformação a resposta não está em ser híbrido, remoto ou presencial, a resposta está em compreender a complexidade, em olhar para as competências e expectativas e em ter um plano, uma ambição. A ambição sem desculpas, sem bodes expiatórios, a ambição de quem acredita no valor e na sua proposta de valor, de quem garante a relevância, a sua e a do seu cliente, porque se algo nos ensinou este vírus foi a perceber o que é mais importante e é este valor que devemos não só ambicionar mas também exigir, não tomando a nuvem por Juno, mas querendo sempre mais.

Artigo publicado na revista Executive Digest n.º 187 de Outubro de 2021

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.