Randstad Insight: Employer Brand Research 2021

Apesar do efeito transformador da pandemia no mundo do trabalho, alguns pressupostos sobre a atracção de talentos mantêm-se inalterados. Os resultados do nosso estudo de employer brand mostram que a força de trabalho de gestão e administração continuou a trabalhar normalmente (67%), consideravelmente mais do que os adultos em idade activa em todo o mundo (50%). No entanto, um quarto deles trabalhou mais horas ou reduziu as horas/reduziu o salário em 2020 devido à COVID-19. Em comparação com os profissionais a nível mundial, apenas 2% dos que trabalham em gestão e administração ficaram desempregados em consequência da pandemia (versus 9% a nível mundial).

A força de trabalho de gestão e administração tem uma sensação ligeiramente maior de segurança no emprego quando comparada com a força de trabalho global, com 24% deles a dizerem que temem a perda de emprego em 2021, em comparação com 26% entre a força de trabalho global. Aqueles que têm medo de perder os seus empregos têm quase três vezes mais probabilidade de procurar outro empregador do que aqueles que não temem a perda de emprego (27% vs. 11%).

A lealdade da força de trabalho de gestão e administração espelha a da força de trabalho global, com ambos os grupos a dizerem que eram mais leais ao seu empregador (68%), enquanto apenas 6% disseram ser menos leais.

O factor mais apelativo para a força de trabalho de gestão e administração é a sua oferta de salários e benefícios (citado por 63%), seguido de um bom equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (59%) e segurança no emprego (57%). No entanto, quando analisamos mais a fundo grupos empresariais específicos, vemos que os profissionais classificam todos os factores como mais importantes do que os seus homólogos, enquanto vemos o oposto quando se trata de associados. Os gestores de gestão e administração são, na sua maioria, impulsionados por salários e benefícios atractivos (64%), equilíbrio profissional-pessoal(60%) e segurança no emprego (55%), enquanto os profissionais atribuem consideravelmente mais importância a salários e benefícios atractivos (72%), equilíbrio profissional-pessoal (67%) e saúde financeira (65%). Os associados consideram a saúde financeira de uma empresa tão atractiva num possível empregador como o salário e os benefícios que lhes são oferecidos (51%).

A agricultura e as TIC (que consistem em TI, software, telecomunicações, fornecedores de internet, empresas tecnológicas) são os sectores mais atractivos (63% e 59%, respectivamente) para a força de trabalho de gestão e administração. No entanto, sentem que as suas competências são mais frequentemente adequadas para os produtos de grande consumo (43%). O comércio retalhista e os serviços públicos (42% cada) são os dois sectores seguintes para os quais os inquiridos de gestão e administração se sentem qualificados.

Cerca de um em cada 10 indivíduos que trabalham em gestão e administração mudou de empregador no segundo semestre de 2020 (10%) e um pouco mais (16%) planeou fazê-lo no primeiro semestre de 2021. Os colaboradores de gestão e administração planeavam mudar de emprego mais frequentemente na América Latina (24%), CEI (23%) e América do Norte (22%); os da APAC tinham menos probabilidades de mudar de empregador (13%). Os colaboradores de gestão e administração na América do Norte, mais do que os de outras regiões, mudaram de empregador na última metade de 2020 (17%) e os da APAC mudaram menos de emprego (7%).

Os colaboradores de gestão e administração têm mais probabilidades de encontrar o seu próximo empregador em portais de emprego (33%), seguidos pelos recrutadores (24%). As mulheres na gestão e administração, as de 18 a 24 anos e as mais instruídas recorrem mais frequentemente a portais de emprego (40%, 47%, e 38%, respectivamente), enquanto os homens utilizam mais os recrutadores (26%).

Esperamos que os dados contidos nas páginas seguintes vos ajudem a compreender como melhor atrair talento empresarial e administrativo num mundo de trabalho transformado.

O SALÁRIO E OS BENEFÍCIOS SÃO MAIS IMPORTANTES PARA OS COLABORADORES DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO.

O factor salário e benefícios é consistentemente o mais importante tanto para a força de trabalho média global como para a força de trabalho empresarial. Vemos, contudo, diferenças quando olhamos mais de perto para os grupos empresariais definidos dentro da categoria. Os associados consideram a saúde financeira tão importante como o salário e os benefícios (51% cada) enquanto os profissionais consideram o salário e os benefícios atractivos significativamente mais importantes quando comparados com os outros grupos (72%).

Globalmente, as mulheres têm demonstrado ser mais exigentes do que os homens no que querem de um empregador ideal. Isto também é evidente no sector empresarial e administrativo, onde as mulheres indicam o salário e benefícios e um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (68% e 64%, respectivamente) como os dois atributos mais importantes que procuram. Em média, as mulheres no sector de gestão e administração consideraram que 7,5 factores eram importantes para elas, em comparação com 6,5 para os homens.

Os colaboradores deste sector estão tão preocupados com a segurança do emprego como a força de trabalho global. A nossa investigação mostra que os adultos em idade activa classificam este factor como o terceiro mais importante (56% entre a população em geral contra 57% no mundo dos negócios). Este factor impulsionador é importante principalmente para aqueles com 55-64 anos (67%) e para os de educação média (60%).

OS COLABORADORES DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO CONSIDERAM MAIS FACTORES IMPORTANTES.

Ao olharmos para as diferentes funções dentro da categoria de gestão e administração, vemos que os profissionais atribuem consideravelmente mais importância a factores como salário e benefícios (9% mais do que em comparação com outras funções), equilíbrio profissional-pessoal (8% mais) e saúde financeira (14% mais). Os associados, por outro lado, atribuem menos importância a quase todos os factores, enquanto os gestores são mais propensos a dar prioridade a uma gestão forte.

A força de trabalho de gestão e administração na América Latina e na CEI é mais exigente, considerando quase nove factoers essenciais em comparação com a média de cerca de sete factores considerados nas outras regiões. Os que trabalham em gestão e administração na CEI e na América Latina consideram os salários e benefícios atractivos consideravelmente mais importantes (82% e 71%, respectivamente) do que os seus homólogos na Europa, América do Norte e APAC (69%, 64% e 58%, respectivamente). Na América Latina, o factor mais importante é a progressão na carreira (72%).

O equilíbrio profissional-pessoal é o segundo factor mais importante na Europa, América do Norte e APAC (64%, 61% e 55%, respectivamente); na CEI, o segundo factor mais importante é a saúde financeira (81%), e na América Latina é um salário e benefícios atractivos (71%).

BOM AMBIENTE DE TRABALHO É LIGEIRAMENTE MENOS IMPORTANTE NA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO.

Ao compararmos os cinco principais atributos globais das quatro profissões (cuidados de saúde, TIC, administração de empresas e serviço ao cliente), a força de trabalho de gestão e administração dá uma classificação menor a um bom ambiente de trabalho do que outras profissões.

Independentemente dos que trabalham em gestão e administração, os salário e benefícios atractivos e o equilíbrio profissional-pessoal são os dois factores mais importantes entre todos os quatro grupos de profissionais.

Em geral, os que trabalham em gestão e administração são igualmente exigentes quando comparados com as outras profissões no que querem de um empregador ideal, com uma média de sete factores importantes para todos os quatro grupos de talento.

ATRACTIVIDADE DA MÃO-DE-OBRA DO SECTOR DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO.

O sector automóvel é visto como um sector atractivo, mas o talento tem menos competências para trabalhar neste sector.

A agricultura é o sector mais atractivo para a força de trabalho de gestão e administração. Contudo, quando se trata de ter competências para trabalhar neste sector, apenas os trabalhadores de apoio administrativo classificaram as suas competências como altamente adequadas para a agricultura. As TIC são uma forte concorrente entre todos os subgrupos no que diz respeito à atractividade, embora os gestores e associados de gestão e administração tenham mais probabilidades de ter aptidões para trabalhar nas TIC.

Ao examinarmos mais aprofundadamente os quatro grupos profissionais de gestão e administração, os associados e os trabalhadores de apoio administrativo têm as mais elevadas competências para trabalhar em FMCG, enquanto os profissionais dizem ter mais competências para o sector dos serviços públicos. Deixando o sector das TIC de lado, os gestores dizem que têm um número igual de competências para trabalhar em empresas de energia e utilities, serviços financeiros, serviços públicos e retalho.

Para além do acima referido, a indústria automóvel é vista como um sector atractivo entre a força de trabalho de gestão e administração, embora menos entre os profissionais. Além disso, menos adultos em idade activa sentem que podem trabalhar neste sector. Estes resultados indicam que há espaço para aumentar as competências entre a força de trabalho de gestão e administração.


Comportamento de mudança na gestão e administração.

UM EM CADA 10 MUDOU DE EMPREGADOR NA ÚLTIMA METADE DE 2020.

Cerca de 10% da mão-de-obra global de gestão e administração mudou de empregador no último semestre de 2020, mais entre os jovens de 18 a 24 anos (25%). Globalmente, 16% pretendiam mudar de empregador na primeira metade de 2021. Não existem diferenças de retenção quando se analisa os quatro grupos profissionais de gestão e administração.

A América do Norte viu o maior número de trabalhadores (17%) mudar de emprego na última metade de 2020. Os trabalhadores da América Latina, CEI e América do Norte foram todos mais propensos a considerar mudar de empregador na primeira metade de 2021 (24%, 23% e 22%, respectivamente) do que os da Europa e APAC (16% e 13%, respectivamente).

Para aqueles que tinham planeado mudar de emprego na primeira metade de 2021, a progressão na carreira (54%), uma boa formação (48%), um ambiente de trabalho seguro COVID-19 (45%) e trabalho à distância (43%) destacaram-se como factores-chave para a sua decisão.

MUDANÇA DE COMPORTAMENTO ENTRE A FORÇA DE TRABALHO EMPRESARIAL E ADMINISTRATIVA POR SOCIODEMOGRAFIA.

O canal de pesquisa mais frequentemente utilizado por quem procura emprego de gestão e administração é o dos portais de emprego (33%). Isto é especialmente verdade para mulheres (40%), indivíduos de 18-24 anos (47%), adultos em idade activa localizados na região da CEI (59%), e a APAC (46%). O Indeed.com (45%) é o portal de emprego mais conhecido entre os candidatos a emprego no mundo da gestão e administração. O Indeed. com é igualmente popular entre homens e mulheres (46% e 45%, respectivamente).

As redes sociais (20%) desempenham um papel importante no processo de procura de emprego. As redes sociais, porém, são mais populares entre os que têm entre 18- 34 anos (23%) do que o trabalhador médio com 35 ou mais anos, com apenas 15% de alcance nas redes sociais entre este grupo. O Facebook (57%) e o Instagram (33%) são os mais utilizados entre o trabalhador médio de gestão e administração – e o Facebook e o Instagram são mais populares entre os homens (61% e 39%, respectivamente) em comparação com as mulheres (53% e 27%, respectivamente).

COVID-19 EM FOCO.

Quase nada mudou para a força de trabalho de gestão e administração. Globalmente, 50% da força de trabalho média continuou a trabalhar como habitualmente, enquanto para os que trabalham em gestão e administração, a COVID-19 teve menos impacto, com quase sete em cada 10 trabalhadores a dizerem que continuaram a trabalhar como habitualmente. Isto foi especialmente verdade na APAC (71%) e na região da CEI (70%).

Por outro lado, 32% da força de trabalho de gestão e administração foi deslocada, ficou desempregada, trabalhou horas diferentes do habitual ou por outras razões viu a sua situação de emprego mudar devido à COVID-19 – percentagem inferior à média da força de trabalho global (40%).

A mão-de-obra mais jovem (18 a 24 anos de idade) indicou menos frequentemente que podia continuar o seu trabalho como habitualmente (53%). Uma maior proporção deste grupo viu-se a trabalhar menos horas do que o habitual (27%), o que é mais elevado do que o trabalhador médio de gestão e administração (16%).

… E AS TAXAS DE DESEMPREGO CONTINUAM A SER CONSIDERAVELMENTE BAIXAS.

Os números do desemprego durante a pandemia tiveram pouco impacto na força de trabalho de gestão e administração e foram muito inferiores aos da força de trabalho global (2% vs. 9%, respectivamente). Uma proporção mais elevada de trabalhadores de gestão e administração que foram dispensadas ou ficaram de sempregados encontra-se entre os trabalhadores com um nível de educação inferior a médio (9%), e os da América do Norte (10%).

Um maior número de trabalhadores de gestão e administração que têm medo de perder o seu emprego em 2021 planeia mudar de emprego nos primeiros seis meses de 2021 (27%), enquanto para aqueles que não têm medo de perder o seu emprego, apenas 11% planeiam mudar de emprego. Isto não é muito diferente da média global, onde 29% dos trabalhadores com medo de perder o seu trabalho tencionam mudar e 12% sem medo planeiam mudar de emprego nos primeiros seis meses de 2021.


As mulheres nos negócios inclinam-se para o trabalho à distância.

39% da força de trabalho de gestão e administração é atraída por empresas que oferecem a possibilidade de trabalhar remotamente. As mulheres tendem mais do que os homens a achar isto uma oferta atractiva (42% vs 35%). Os trabalhadores com formação média (44%) estão mais interessados em trabalhar a partir de casa do que os trabalhadores com formação baixa e superior (média de 36%). A nível regional, o trabalho à distância pode ser visto como mais importante na América Latina (50%) e na Europa (49%).

Entre os jovens de 25 a 34 anos, mais estão a trabalhar à distância (64%) em comparação com a média da força de trabalho de gestão e administração (59%). Mais pessoas que vivem na América do Norte começaram a trabalhar parcial ou totalmente a partir de casa durante a crise da COVID-19 (68%). Mais trabalhadores na região da CEI (20%) tiveram de estar no local do que em outras regiões (12%).

Gestores e profissionais (74% e 72%, respectivamente) trabalharam mais frequentemente a partir de casa do que associados e administrativos (55% e 51%). ambiente de trabalho seguro.

A MAIORIA DOS TRABALHADORES DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DECIDIRAM TRABALHAR REMOTAMENTE.

Dos 69% dos que começaram a trabalhar à distância, 58% estavam envolvidos na decisão de o fazer, enquanto para 41% a decisão foi definida pelo seu empregador e/ou autoridades reguladoras. Mais homens (32%) tomaram a sua própria decisão de trabalhar remotamente do que mulheres (23%). O número mais elevado em que a decisão foi definida pelas autoridades pode ser visto na América Latina (58%).

Quando olhamos para os grupos de profissões de gestão e administração, vemos que os gestores estavam mais frequentemente envolvidos na decisão de trabalhar à distância (70%) do que os profissionais (64%), associados (60%) e administrativos (49%). A forma como os empregadores de gestão e administração em todo o mundo têm apoiado os seus colaboradores e gerido a pandemia tem tido um impacto positivo na lealdade. Globalmente, 68% dos talentos sentem-se mais leais ao seu empregador, em oposição aos 6% que se sentem menos leais. Uma elevada percentagem de adultos na gestão e administração com idades entre os 25-54 anos (70%), com educação média- -alta (69%), e empregados localizados na América do Norte (73%), América Latina (73%) e APAC (73%) dizem ser mais leais ao seu empregador. Os trabalhadores com menos instrução (55%), e os trabalhadores na Europa (58%) e na região da CEI (20%) foram menos leais.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 184 de Julho de 2021

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.