Randstad Insight: Employer brand research 2021

Relatório global das profissões da saúde

Embora a pandemia da COVID-19 tenha tido um forte impacto nas nossas vidas e no mundo do trabalho, algumas coisas têm permanecido iguais. Os resultados do estudo de employer brand mostram que os profissionais de saúde continuaram a trabalhar normalmente (61%), mais do que os adultos em idade activa em todo o mundo (50%). No entanto, um em cada três profissionais de saúde trabalhou mais horas ou reduziu o seu salário em 2020 devido à COVID-19. Em comparação com os profissionais a nível mundial, apenas 3% dos profissionais de saúde ficaram desempregados em consequência da pandemia (contra 9% a nível mundial).

Os profissionais de saúde têm uma sensação ligeiramente maior de segurança de emprego quando comparados com a força de trabalho global: 20% dos profissionais de saúde receiam a perda de emprego em 2021, em comparação com 26% entre a força de trabalho global. Aqueles que têm medo de perder o seu emprego têm três vezes mais probabilidade de procurar outro empregador do que aqueles que não temem a perda de emprego (30% vs. 11%).

A lealdade dos profissionais de saúde espelha a da força de trabalho global, uma vez que 67% afirmaram ser mais leais ao seu empregador, enquanto apenas 8% disseram ser menos leais.

O factor mais apelativo para os profissionais de saúde é a oferta de salários e benefícios (citado por 60%), seguido de um bom equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (57%) e um bom ambiente de trabalho (56%). Contudo, quando analisamos mais profundamente grupos específicos de cuidados de saúde, vemos que os profissionais associados de saúde classificam o bom ambiente de trabalho, um bom equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, e um salário e benefícios atractivos como os principais factores relevantes (50%, respectivamente). Além disso, os profissionais de cuidados pessoais consideram um bom ambiente de trabalho mais importante do que um salário e benefícios atractivos (60% vs. 58%) e especialmente quando comparados com os profissionais de saúde (66% revelaram que o salário e benefícios atractivos eram importantes para eles). A saúde financeira e uma gestão forte são mais importantes para os trabalhadores dos cuidados pessoais (54% e 53%, respectivamente) em comparação com os profissionais de saúde (49% e 43%, respectivamente) ou para os profissionais associados (43% e 39%, respectivamente).

As ciências da vida (que consistem em farmácia, hospitais, investigação na área da saúde, criadores e fabricantes de dispositivos médicos) são o sector mais atractivo para os profissionais de saúde e o sector para o qual os profissionais de saúde sentem que as suas competências são mais adequadas. A agricultura segue-se como o próximo sector mais atractivo e a hospitalidade e os produtos de grande consumo são os dois sectores seguintes, nos quais os inquiridos dos cuidados de saúde sentem que podem trabalhar.

Cerca de um em cada seis profissionais de saúde globais mudou de empregador no segundo semestre de 2020 (16%) e/ou planeou fazê-lo no primeiro semestre de 2021 (15%). Este é mais frequentemente o caso entre os que têm entre 18 e 24 anos (26% e 23%, respectivamente), e é ligeiramente diferente da mão-de-obra global que tinha menos probabilidades de ter mudado de empregador (12%), mas maior probabilidade de planear fazê-lo (20%). Os profissionais de saúde mudaram de emprego com mais frequência na América do Norte; os da América Latina são mais propensos do que os de outras regiões a tencionarem mudar de empregador na primeira metade de 2021.

Os profissionais de saúde têm mais probabilidades de encontrar o seu próximo empregador em portais de emprego (30%), seguidos pelos recrutadores (26%). As mulheres nos cuidados de saúde e os que têm entre 18 e 24 anos recorrem mais frequentemente a portais de emprego (38% e 66%, respectivamente), enquanto os homens e os mais instruídos utilizam mais recrutadores (35%, respectivamente).

Esperamos que os dados contidos nas páginas seguintes vos ajudem a compreender como atrair talentos dos cuidados de saúde num mundo de trabalho transformado.

O QUE DESEJA A MÃO-DE-OBRA NO SECTOR DA SAÚDE

➜ Equilíbrio trabalho-vida pessoal evidente nos cuidados de saúde

A um nível total, o factor mais importante (salário e benefícios) é consistente tanto para a força de trabalho global média como para a força de trabalho global na área dos cuidados de saúde. Ao olhar mais de perto para os grupos de cuidados de saúde definidos dentro da categoria de cuidados de saúde, começamos a ver diferenças entre grupos. O grupo de profissionais de saúde segue o mesmo padrão que a força de trabalho média; contudo, para os profissionais de saúde e de cuidados pessoais, um bom ambiente de trabalho é considerado o factor mais importante.

O equilíbrio trabalho-vida pessoal pode ser visto globalmente como o segundo atributo mais importante, especialmente para as mulheres. Isto também é verdade para os profissionais de saúde.

Em tempos de crise, é mais provável que se pense na segurança do emprego. A nossa investigação mostra que, globalmente, os adultos em idade activa classificam este factor como o terceiro mais importante (56%). Ao olhar para os grupos profissionais dentro da força de trabalho global da saúde, verifica-se que os profissionais de saúde (59%) consideram isto mais importante do que os seus homólogos, associados de saúde (48%) e trabalhadores de cuidados pessoais (55%).


➜ América Latina e CEI consideram mais atributos importantes

Os inquiridos dos inquéritos de saúde que vivem na América Latina e na região da CEI são mais exigentes em geral, uma vez que consideram importantes até oito atributos para um empregador ideal em comparação com os da Europa, APAC e América do Norte (média de 6,8 factores).

O salário e benefícios atractivos é o factor mais importante entre a força de trabalho global na área dos cuidados de saúde (60%) e tem a maior pontuação entre as mulheres (64%) e os que vivem na América Latina (74%), Europa (67%) e CEI (80%).

O salário e os benefícios são também considerados mais importantes em duas das cinco regiões (Europa e América do Norte). Para a América Latina, APAC e CEI, o salário e os benefícios estão, no entanto, classificados em segundo lugar. Este atributo fica aquém de ser classificado como o factor mais importante para as três regiões.

Para os profissionais de saúde da América Latina, a progressão na carreira (77%) é o factor mais importante, enquanto o equilíbrio trabalho-vida pessoal (51%) é mais importante na APAC, e a saúde financeira (81%) é classificada em primeiro lugar pelos profissionais de saúde na região da CEI.


➜ Trabalho à distância menos importante nos cuidados de saúde do que outras profissões

Ao comparar certos atributos entre as quatro profissões (cuidados de saúde, TIC, administração de empresas e serviço ao cliente), a mão-de-obra dos cuidados de saúde classifica a possibilidade de trabalhar remotamente mais abaixo do que as outras profissões.

Independentemente dos que trabalham na área dos cuidados de saúde, o salário e benefícios atractivos e o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal são os dois factores mais importantes entre os quatro grupos de profissionais.

Em geral, os profissionais de saúde são igualmente exigentes quando comparados com as outras profissões no que desejam de um empregador ideal, com uma média de sete factores importantes para todos os quatro grupos de talento.


ATRACTIVIDADE DA MÃO-DE-OBRA DO SECTOR DA SAÚDE

➜ Percepção da atractividade do sector da mão-de-obra no sector da saúde

As ciências da vida (que consistem em farmácia, hospitais, investigação na área da saúde, e fabricantes e criadores de dispositivos médicos) são o sector mais atractivo para a força de trabalho no sector da saúde. O segundo sector mais atractivo para este grupo é a agricultura. Para além do sector em que trabalham, a maioria dos inquiridos no sector dos cuidados de saúde considera que as suas competências também poderiam ser adequadas para funções dentro dos sectores da hospitalidade (39%) e dos produtos de grande consumo (35%).

Ao examinar mais aprofundadamente os três grupos de profissionais de saúde, o profissional de saúde médio acredita possuir a mais elevada capacidade para trabalhar no sector das ciências da vida, seguido pelo sector da hospitalidade. Notavelmente, os profissionais de saúde sentem que têm mais qualificações para trabalhar no sector dos produtos de grande consumo. Os profissionais de cuidados pessoais sentem que têm mais qualificações para trabalhar no sector da hotelaria e restauração.

Para além dos sectores acima mencionados, a agricultura e as TIC são também vistos como sectores atractivos entre a mão-de-obra do sector dos cuidados de saúde. Menos trabalhadores, contudo, sentem que têm a capacidade de trabalhar nestas áreas quando comparados com as ciências da vida, os produtos de grande consumo e a hospitalidade. O nosso inquérito mostra que os associados de saúde e os trabalhadores dos cuidados pessoais se sentem menos qualificados do que os profissionais de saúde para trabalhar no grupo do sector das ciências da vida. Assim, os empregadores podem querer investigar o que outras competências podem exigir estes dois grupos.


COMPORTAMENTO DE MUDANÇA DE EMPREGO

➜ Um em seis planeia mudar de empregador

15% da mão-de-obra global do sector da saúde mudou de empregador na última metade de 2020, mais entre os jovens entre os 18-24 anos (26%). Globalmente, 16% pretendem mudar de empregador na primeira metade de 2021, o que se verifica no mesmo grupo etário (23%) que pretende fazê-lo mais do que outros.

A América do Norte viu o maior número de trabalhadores a mudar de emprego na última metade de 2020 (22%), seguida pela CEI e Europa (14% e 13%, respectivamente). Em comparação com outras regiões, os adultos em idade activa na América Latina são os mais susceptíveis de considerar mudar de empregador na primeira metade de 2021 (24%).

Aqueles que não mudaram de empregador estavam mais inclinados a considerar um bom ambiente de trabalho e um salário e benefícios atractivos mais importantes do que aqueles que mudaram de emprego na última metade de 2020.

➜ Os portais de emprego continuam a ser essenciais para os talentos que procuram oportunidades

O canal de pesquisa mais frequentemente utilizado pelos candidatos a emprego na área da saúde a nível mundial são os portais de emprego (30%). Isto é particularmente verdade para as mulheres (38%) e para os candidatos mais jovens (66% dos jovens entre os 18-24 anos). Além disso, o Indeed. com é muito mais popular entre as mulheres (84%) do que entre os homens (44%).

Ao olhar para os homens nos cuidados de saúde, os recrutadores (35%) e as agências de recrutamento de pessoal (34%) são muito mais populares para eles quando comparados com as suas colegas do sexo feminino (17% vs. 14%). Os profissionais com formação superior (35%) utilizam mais os recrutadores quando procuram um novo emprego, enquanto os profissionais com formação média (41%) utilizam portais de emprego e os profissionais com formação inferior (32%) tendem a utilizar mais frequentemente as agências de recrutamento de pessoal.


A COVID-19 EM FOCO

➜ A COVID-19 tem causado disrupções entre a força de trabalho global no sector da saúde…

Apesar da disrupção causada pela pandemia, o nosso inquérito constatou que seis em cada 10 trabalhadores do sector da saúde a nível mundial continuaram a trabalhar como habitualmente. Além disso (e não surpreendentemente), os trabalhadores do sector da saúde continuaram a trabalhar mais horas do que o habitual (14%), o que é mais elevado do que a média global (8%). Isto foi particularmente verdade para aqueles que vivem na Europa (20%) e na CEI (21%), que trabalharam mais horas do que o normal quando comparados com o resto das regiões.

Globalmente, 38% da força de trabalho no sector da saúde foi despedida, ficou desempregada, trabalhou horas diferentes do habitual, ou, por outras razões, viu a sua situação de emprego mudar devido à COVID-19.


➜ …e algum impacto considerável nas taxas de emprego

Outra conclusão da investigação foi que o desemprego foi globalmente mais elevado do que o da mão-de-obra no sector da saúde em geral (9% vs. 3%, respectivamente). Uma proporção mais elevada de trabalhadores do sector da saúde que foram dispensados temporariamente ou ficaram desempregados encontra-se entre os trabalhadores com um nível de educação mais baixo (11%), e os da América Latina (8%).

Um maior número dos profissionais de saúde que têm medo de perder o seu emprego em 2021 tenciona mudar de emprego nos primeiros seis meses de 2021 (30%), enquanto para aqueles que não têm medo de perder o seu emprego, apenas 11% tencionam mudar de emprego. Isto não é muito diferente da média global, onde 29% da força de trabalho com medo de perder o emprego tenciona mudar e 12% sem medo tenciona mudar de emprego nos primeiros seis meses de 2021.


➜ Perto de um terço afirma que as medidas remotas são importantes

29% do pessoal de saúde sente-se atraído por empresas que oferecem a possibilidade de trabalhar remotamente. A nível regional, o trabalho à distância pode ser visto como mais importante na América Latina (45%) e na CEI (35%).

Mais pessoas que vivem na América Latina começaram a trabalhar parcial ou totalmente a partir de casa durante a crise da COVID-19 (47%). Por outro lado, houve mais empregos na Europa em que foi necessário estar presente no local do que empregos nas outras regiões (53%).

Dos três grupos de profissionais de saúde, os trabalhadores de cuidados pessoais consideraram impossível trabalhar a partir de casa devido à natureza do seu cargo, com apenas 17% a poderem trabalhar parcialmente ou na totalidade a partir de casa. Para os profissionais de saúde, este número aumenta substancialmente para 37%, e ainda mais para os associados de cuidados de saúde, com 47% a indicarem que poderiam trabalhar a partir de casa durante a pandemia.


➜ A maioria dos trabalhadores da saúde tomou a decisão de trabalhar à distância

Dos 37% dos que começaram a trabalhar à distância, 63% estiveram envolvidos na decisão de o fazer, enquanto para 35% a decisão foi definida pelo seu empregador e/ou autoridades reguladoras. Mais homens (70%) estiveram envolvidos na sua decisão de trabalharem à distância do que mulheres (54%). Na América do Norte, o número mais elevado (71%) de trabalhadores da saúde estiveram envolvidos na decisão de trabalhar à distância, enquanto o número mais elevado em que a decisão foi decidida pelas autoridades pode ser visto na região da APAC (44%).

Entre os três grupos de profissionais de saúde, não houve muita diferença quando se tratou da decisão de trabalhar à distância, com 62% dos profissionais de saúde, 64% para os associados de cuidados de saúde e 68% para os profissionais de cuidados pessoais a fazê-lo.

Artigo publicado na revista Executive Digest n.º 187 de Outubro de 2021

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.