Randstad Insight: Contratar e desenvolver líderes digitais

Segundo o estudo Workplace 2025: The Post-Digital Frontier, da Randstad EUA, muitas organizações ainda têm dificuldade em conquistar a fronteira pós-digital.

Empresas em desenvolvimento: nível baixo de transformação digital, utilização mínima de ferramentas digitais, lentas a abraçar iniciativas digitais e liderança lenta a adaptar-se à mudança.

Empresas experientes: nível moderado de transformação digital, utilização média de ferramentas digitais, maior empenho nas iniciativas digitais e liderança acima da média na adaptação à mudança.

Empresas superiores: nível avançado/completo de transformação digital, utilização avançada de ferramentas e estratégias digitais, nível alto de empenho num futuro digital, excelente domínio de estratégias digitais para um ROI alto e liderança pronta a estimular a excelência digital.

O estudo concluiu que a maioria das empresas (52%) ainda se encontra nas primeiras etapas da transformação digital. Uma transformação completa envolve a implementação total de tecnologias digitais como a automatização, IA e ferramentas de colaboração digital. Apenas 10% das empresas são consideradas superiores nos esforços para se transformarem digitalmente e estão a colher os benefícios.

Em comparação com as empresas em desenvolvimento, as empresas superiores têm:

28% mais probabilidade de reportarem um aumento nas receitas nos últimos 12 meses;

132% mais probabilidade de cumprirem objectivos empresariais;

159% mais probabilidade de terem sucesso nos esforços de cortes nos custos;

193% mais probabilidade de reportar um ROI positivo em investimento tecnológico;

69% de probabilidade de acreditar que é fundamental abraçar a transformação digital;

Quatro vezes mais probabilidade de se adaptarem a mudanças criadas por tecnologias digitais.

Resumindo, as organizações superiores estão a seguir a estratégia certa.

Seria de pensar que as empresas que encaixam na categoria “superior” estão limitadas ao sector tecnológico ou a grandes organizações com capital para investir, mas não foi o caso neste estudo.

Quase metade (47%) são empresas mais pequenas, com menos de 13 milhões de euros de receitas anuais, e englobam quase todos os sectores – com apenas 19% a representarem o sector das TI.

O PONTO COMUM: LIDERANÇA DIGITAL

O que têm em comum as empresas de sucesso e rentáveis? Depois de analisarmos as melhores práticas e os melhores processos das empresas superiores, descobrimos um ponto em comum entre todas – um líder digital à frente da empresa. Os líderes digitais podem vir de qualquer lado da organização, mas têm mais impacto quando pertencem à administração.

É previsível, então, que a pesquisa da Randstad tenha revelado que embora 34% das organizações experientes concordem que têm um forte líder digital, esse número desce para cerca de 10% nas empresas que ainda estão em desenvolvimento.

A revolução digital resultou em mudanças significativas para muitos empregos, assim como no aparecimento de novos cargos. Para além das competências técnicas e digitais, estas alterações incluem competências e comportamentos de liderança necessários para sobreviver no panorama pós-digital. As organizações precisam agora de depender de fortes líderes digitais para estimularem iniciativas digitalmente inovadoras.

MUDAR A NATUREZA DAS FUNÇÕES DOS LÍDERES

95% de todas as organizações concordaram que “é preciso um tipo novo e diferente de liderança para abordar eficazmente  as mudanças nas estruturas organizacionais e nos modelos operacionais devido à digitalização”. Como parte do Workplace 2025, a Randstad decidiu identificar os traços característicos dos futuros líderes. Segundo colaboradores de todos os níveis, os líderes digitais do futuro devem:

Ter a capacidade de manter as pessoas ligadas e envolvidas (76%);

Ser ágil e digitalmente perspicazes no uso de ferramentas digitais para estimular o sucesso empresarial (77%);

Incentivar uma cultura de inovação, aprendizagem e melhoria contínua (76%);

Gostar de correr riscos (60%).

É claro que a liderança digital é uma necessidade premente para muitas organizações de hoje. Porém, não é fácil encontrar líderes digitais inovadores. Mas os riscos de não ter uma liderança digital incluem:

Menos probabilidade de que as iniciativas digitais atinjam todo o seu potencial a estimular o sucesso da empresa;

Uma abordagem ineficaz e táctica para a digitalização sem uma estratégia ou enfoque coeso;

Dificuldade em atrair e reter talento de topo;

Incapacidade de oferecer inovação e ferramentas digitais.

É simples, na verdade. Os colaboradores sabem que a tecnologia está a criar o futuro, e querem trabalhar para organizações que fornecem ferramentas que tornam os seus empregos mais eficazes. Querem também trabalhar para empresas com uma estratégia empresarial inovadora, e líderes que estejam empenhados na inovação para permanecerem competitivos.

CRIAR LÍDERES DIGITAIS PARA O FUTURO

Como podem as organizações identificar e desenvolver líderes digitais? Para responder, a Randstad juntou-se à XBInsight, empresa de avaliação de talento e desenvolvimento de liderança. Com base em avaliações a cinco mil líderes de uma vasta gama de sectores, a XBInsight identificou as seguintes cinco competências de líderes de sucesso.

COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA NÚMERO 1

Inspirar os outros

É, simplificando, a capacidade de manter as pessoas interligadas e empenhadas – competência fundamental para o desenvolvimento dos futuros líderes digitais. Unir a organização com uma visão e uma direcção arrojadas e claras é essencial para atingir os objectivos de transformação digital. Infelizmente, parece que a maioria dos líderes não consegue envolver os seus colaboradores no trajecto digital. Apenas 43% dos colaboradores concordam completamente/ veementemente que os seus empregadores tornaram a experiência do colaborador uma prioridade, e apenas 36% concordam completamente/ veementemente que os seus empregadores lhes comunicaram a visão digital geral. Mas é imperativo inspirar os outros para manter os colaboradores empenhados e entusiasmados quando se trabalha em conjunto para um objectivo digital.

COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA NÚMERO 2

Potencializar a tecnologia

Os líderes digitais eficazes devem ser pioneiros na utilização de ferramentas e inovações e devem esperar o mesmo dos seus pares do conselho de administração. Para lá de uma disponibilidade geral para abraçar novas tecnologias, isso significa compreender e apreciar os efeitos que a tecnologia tem no ambiente geral dos negócios. 94% dos colaboradores concordam que “as inovações tecnológicas estão a influenciar o que é exigido num líder para que tenha sucesso”.

Todavia, 27% dos colaboradores descrevem a utilização de capacidades digitais dos seus empregadores como estando “três a cinco anos atrás da curva”. E outros 45% afirmam que os seus “empregadores mantiveram-se a par, mas não são líderes digitais ou inovadores”. O que é pena, porque potencializar a tecnologia é uma das principais componentes da liderança eficaz.

COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA NÚMERO 3

Encorajar a colaboração

Quase três quartos (72%) dos empregadores concordam completamente/veementemente que “ter conhecimentos e competências excepcionais para a colaboração e o trabalho em equipa” é um traço fundamental para os futuros líderes digitais. À medida que a disrupção digital continua a alterar a forma como os negócios estão estruturados e operam, mais líderes se afastam das estruturas organizacionais tradicionais e hierárquicas para um modelo mais centrado em equipas e na partilha de conhecimentos. De facto, 81% dos colaboradores concordam que, no futuro, as redes irão substituir a hierarquia e os líderes farão parte da rede.

Embora mais de 80% dos colaboradores acreditem que o trabalho de equipa é mais valioso e bem-sucedido do que o individual, 54% afirmam que gostariam de ter mais oportunidades de colaborar nas suas empresas.

Compreender os papéis que a tecnologia e as pessoas têm na organização é essencial para desenvolver esta competência. Mas as empresas que tentam adoptar modelos mais centrados em equipas acabarão por fracassar se não tiverem líderes capazes de encorajarem a colaboração.

COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA NÚMERO 3

Estimular a inovação

Os executivos devem abordar as oportunidades e os problemas empresariais com curiosidade e mente aberta para gerarem ideias, soluções e oportunidades criativas. Devem estabelecer uma cultura de inovação, aprendizagem e melhoria contínua. Os líderes que conseguem estimular a criatividade e persuadir os outros a fazerem experiências ajudarão as organizações a encontrarem alternativas inovadoras para programas ultrapassados. Num recente estudo Conference Board, os CEO classificaram a “inovação” como um dos seus principais desafios. Mas só 37% dos colaboradores descrevem os seus empregadores como “líderes na inovação digital”, segundo os dados do Wokplace 2025. Apesar da importância, a inovação continua a ser uma qualidade difícil de cultivar.

Segundo o estudo da XBInsight, os líderes com classificação alta no factor “estimular inovação” também têm classificação mais alta em outras competências que relacionadas com a inovação, em comparação com líderes não inovadores. O que os líderes inovadores fazem melhor do que os não inovadores.

E qual a área em que ficam aquém das expectativas, com base em inquéritos feitos a quase cinco mil líderes de uma vasta gama de sectores.

COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA NÚMERO 5

Gerir o risco

Os líderes digitais devem livrar-se do medo de falhar. Os que querem proteger as suas práticas, ou que hesitam em pensar em novas ideias que possam ameaçar a sua experiência, provavelmente não chegarão a líderes digitais. A liderança digital exige que se corram riscos saudáveis – e isso não acontece com o medo de falhar. Uma das principais competências relacionadas com os líderes inovadores é que têm uma classificação 25% mais alta na competência da gestão de risco face aos não inovadores. Torna-se claro que uma abordagem saudável para o risco é fundamental para um líder inovador.

SABEM ONDE SE ENCONTRAM?

Pensem em avaliar a vossa liderança. As avaliações de talento identificam as lacunas nestas competências principais e analisam as de cada líder em comparação com cada área exigida para a liderança digital. Mais importante, as avaliações à liderança podem criar uma via para estratégias de desenvolvimento eficazes.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 152 de Novembro de 2018.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Matrics quer revolucionar mercado do gaming em Portugal
Automonitor
Alpine A110S é uma versão ainda mais exclusiva