Putin instala o medo entre os investidores

O otimismo do início de um novo ano não durou muito. Acontece que os investidores têm uma série de razões para se preocuparem, e a eventual invasão russa na Ucrânia está no topo da agenda. Será que vamos todos pagar pelo conflito Ucrânia-Rússia?

A luta dura já há quase uma década

Deve recordar-se que o conflito em torno da Ucrânia já se arrasta há 8 anos. Começou com mudanças democráticas no país após a derrota do Presidente Victor Yanukovych. Enquanto a Ucrânia declarou a independência em 1991, a Rússia ainda vê o país como a sua área de influência estratégica e a mais importante das ex-repúblicas soviéticas. A situação conduziu à anexação da Península da Crimeia, que a Europa e os Estados Unidos não conseguiram travar, e às subsequentes ações militares russas na parte oriental da Ucrânia. As tensões Rússia-Ucrânia têm estado ausentes das manchetes das notícias, mas as tentativas de Kiev para uma maior integração com o Ocidente provocaram a Rússia a tomar de novo medidas.

Situação desconfortável para os líderes europeus

A verdade é que a Europa Ocidental é parcialmente culpada pela situação atual. A transição das políticas energéticas combinada com uma abordagem ingénua da política externa russa tornou a Europa cada vez mais dependente das importações de produtos energéticos da Rússia. Enquanto que 30% das importações europeias de gás natural são provenientes da Rússia há mais de uma década atrás, agora a quota da Rússia nas importações europeias de gás subiu para quase 47%. Sendo que este é um ponto a favor para a Rússia utilizar nos seus jogos políticos. Isto é especialmente verdade agora que o aumento dos preços das matérias-primas estão a alimentar a inflação, tornando a situação desconfortável para os líderes europeus.

Os mercados começam a fixar os preços em risco de guerra

Os mercados começaram a tratar seriamente o potencial da guerra entre a Rússia e a Ucrânia. A atual reação dos mercados já tem sido mais volátil do que em 2014, quando a Península da Crimeia foi anexada. O principal índice bolsista russo RTS50 caiu 30%, mesmo apesar da subida dos preços das matérias-primas que tradicionalmente apoiam as ações russas. Entre os principais prejudicados no mercado russo encontram-se instituições financeiras que correm o risco de serem alvo de sanções, (ou seja, que excluem os bancos russos dos sistemas financeiros mundiais) bem como a Gazprom, que até agora tem beneficiado da turbulência no mercado do gás natural.

É de notar que os riscos geopolíticos são normalmente extremamente binários. A reação do mercado tende a ser de curto prazo e a situação regressa rapidamente ao normal assim que os investidores virem que os piores cenários foram evitados. No entanto, ainda não surgiram sinais que apoiem esse cenário.

Todos saem prejudicados com o potencial conflito

Os conflitos militares trazem consequências negativas para muitos lados. É difícil justificar a perda de vidas ou danos causados a civis, especialmente se for feito apenas por causa das ambições dos líderes. Infelizmente, é assim que as coisas costumam ser. No entanto, a invasão russa na Ucrânia conduzirá também a grandes prejuízos económicos. Enquanto a China é o maior parceiro comercial da Ucrânia, a Polónia e a Alemanha ocupam o segundo e quarto lugares, respetivamente, em termos de importações. As exportações também são importantes, especialmente agora que a economia global está a lutar contra a escassez. A Polónia, Alemanha, Itália, Holanda e Espanha ocupam todos os lugares cimeiros em termos de exportações.

As reservas de gás natural também desempenham um papel importante no conflito. Há meses que a Rússia tem vindo a limitar o fornecimento de gás natural à Europa. Os Estados Unidos tentam fornecer à Europa fontes alternativas de matérias-primas, mas um afastamento total do gás russo parece irrealista. Exportações adicionais de GNL dos EUA para a Europa poderiam ajudar a baixar os preços altíssimos, mas os EUA não podem substituir totalmente o gás russo, especialmente a curto prazo. Em primeiro lugar, os contratos de gás natural são normalmente de longo prazo, especialmente na Ásia, pelo que os Estados Unidos podem não ter mercadoria suficiente para satisfazer a procura dos seus atuais clientes e da Europa. Mesmo que tivesse, a Europa pode não ter infraestruturas adequadas para apoiar o aumento das exportações de GNL dos EUA. Pelo lado positivo, é altamente improvável que a Rússia tome medidas tão radicais. 75% das exportações russas vão, portanto, para a Europa, causando prejuízos significativos a longo prazo para a economia russa. O cenário mais provável é que as partes em conflito tentem “verificar” umas às outras, o que, contudo, pode significar preços de gás bastante elevados na Europa até que a situação se acalme.

 

Por analistas XTB

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.