Próximos tempos nos mercados serão de ‘estagnação’. Estas 3 razões explicam porquê

Apesar do otimismo que reina por estes dias nas bolsas, e pode ter vindo para ficar a curto prazo, os analistas do Citigroup emitiram um relatório, no qual a palavra chave é “estagnação”, e no qual excluem novos aumentos de ações. Após 12 meses, a empresa prevê agora um sinal completamente plano em todo o mundo, com pequenos cortes de 1% na Europa e leves avanços de 2% nos EUA.

Coincidindo com o início do segundo semestre do ano, os analistas do Citigroup divulgaram agora um relatório trimestral de perspetivas sobre ações globais.

A força dos aumentos registados no mercado de ações desde os mínimos de março, 34% em todo o mundo, alimenta o debate sobre a continuidade e o futuro. Várias empresas de investimento continuam comprometidas com setores cíclicos como um sinal de otimismo em relação à recuperação, enquanto outras lançaram mensagens mais cautelosas nas últimas semanas.

O Bank of America, por exemplo, avança com previsões de aumentos ainda fortes, principalmente em setores como o bancário. Pelo contrário, entre os mais céticos está o Credit Suisse, que há apenas cerca de uma semana aconselhou a levantar os lucros obtidos nos últimos meses e evitar a turbulência esperada no verão.

O Citigroup expande agora o horizonte de investimentos para os meados de 2021, e a sua perspectiva de 12 meses dissipa o otimismo em relação a novos aumentos. As suas previsões apontam para uma “estagnação” dos lucros no mercado de ações em todo o mundo.

A perspectiva de rentabilidade também é de 0% para os mercados emergentes como um todo, com taxas ligeiramente negativas na Europa (-1% no Stoxx 600), limitando o potencial de alta no Japão (Nikkei) para 1% e esse percentual chega a 2% no Reino Unido (Ftse 100) e nos Estados Unidos (S&P 500).

Os analistas do Citigroup apresentaram três argumentos para descartar novos aumentos do mercado de ações num horizonte de investimento de 12 meses.

Ameaça constante de coronavírus
A empresa de investimento inclui na sua análise o risco de uma segunda vaga da pandemia na China e destaca, acima de tudo, que os casos de coronavírus continuam a crescer mesmo globalmente, com uma incidência especial na Índia e, em maior medida, nos Estados Unidos. Essa tendência põe em risco as medidas de reabertura realizadas na economia dos EUA, com a incerteza adicional de como a situação será gerida nas eleições de novembro.

Otimismo excessivo sobre os resultados
Os analistas do Citigroup traduzem as projeções para a contração da economia nas suas projeções para os resultados dos negócios, e o resultado são números muito mais pessimistas do que aqueles considerados pelo mercado. A contração de 3,5% na economia mundial prevista para 2020 se traduziria, segundo o Citi, em uma queda de 50% nos lucros globais das empresas , com a Europa e o Japão como as maiores vítimas. Esse percentual fica muito aquém do declínio de 19% previsto pelo consenso do mercado.

As projeções macro e de lucro para 2021 são muito mais animadoras, mas o Citi destaca que, embora o consenso do mercado calcule um aumento de 4% nos lucros das empresas no final de 2021 em comparação com o final de 2019, os seus cálculos apontam para uma diminuição no 30% em comparação com a referência de 2019. Segundo o Citi, as previsões de mercado são ” muito altas ” e, em particular, “muito altas” para 2021 nos casos do Japão e emergentes.

Avaliações ‘caras’
O crescente pessimismo do Citi sobre a evolução dos ganhos corporativos altera completamente as projeções sobre a avaliação das empresas cotadas. Neste caso, as previsões “sugerem que as bolsas de valores mundiais estão a ser  negociadas em níveis mais caros do que os investidores podem imaginar”. O Citi prevê que as ações globais como um todo seriam negociadas 24 vezes mais que seus ganhos até 2021, em vez das 17 vezes que seria consensual. Essas avaliações estariam bem acima dos valores ‘cotados’ imediatamente antes das medidas de contenção, que foram limitadas a 15 vezes.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...