Próxima semana à lupa: Dos mercados à economia – e outras coisas que precisa de saber

A próxima semana será marcada pelos dados de emprego não agrícolas na sexta-feira (8 Julho), pela decisão de taxa de juro por parte do RBA (terça-feira), a divulgação dos PMI de serviços na zona euro (terça-feira), os dados do ISM não industrial nos EUA (quarta-feira), as minutas referentes à reunião de Junho da FOMC (quarta-feira) e as minutas do BCE (quinta-feira).

 

O crescimento do emprego deve estabilizar em torno dos níveis atuais

A baixa taxa de desemprego aumenta o emprego futuro, mas os ventos contrários económicos podem forçar os trabalhadores a voltarem aos desafios da força de trabalho. Notavelmente, a taxa de participação ainda está um ponto percentual abaixo do nível anterior à pandemia. As expectativas económicas estão a deteriorar-se, mas até ao momento os dados económicos permanecem saudáveis. As vagas de emprego do JOLTS (divulgadas a 6 de julho) mostram mais de 11 milhões de vagas de emprego e a Federação Nacional de Empresas Independentes informa que 61% das pequenas empresas tinham cargos que não conseguiam preencher.  Nessa perspectiva, a forte procura por trabalhadores e uma maior oferta de mão de obra devem manter os dados de emprego não-agrícola saudáveis em torno dos 300.000 (divulgado a 8 de julho). Existem alguns sinais preliminares de que veremos uma procura menor por trabalhadores durante o verão, mas é improvável que se transforme em algo significativo.

 

O crescimento da manufatura vai desacelerar

Certamente, algumas partes da economia já estão a desacelerar nos EUA. Com o dólar perto do seu nível mais alto desde a década de 1980 e a economia global afectada pela guerra na Ucrânia e os bloqueios na China, a manufatura está a enfrentar muitos ventos contrários. O aperto das condições financeiras é outro fator contrário, que induzirá uma desaceleração substancial na manufatura (o índice de manufatura ISM é divulgado a 6 de julho). Por enquanto, porém, os baixos stocks devem manter a produção robusta nos próximos meses

 

 

Decisão de taxa de juro pelo RBA

As minutas do RBA referentes à reunião do mês de Junho mostraram que o Banco vê necessidade de mais aumentos de taxas para combater a inflação e normalizar as condições monetárias na Austrália. No entanto, o Conselho do RBA observou que uma subida da taxa de 25 pontos base em cada reunião restante deste ano seria demasiado rápida. Entretanto, as expectativas de mercado começaram a apontar para um aumento até 4% no final deste ano! Estas expectativas acabaram por ser diluídas durante o discurso do Governador Lowe, ao dizer que as taxas de juro a 4% até ao final de 2022 é um cenário bastante improvável. No entanto, Lowe referiu que uma subida de 25 ou 50 pontos base está a ser considerada para a reunião de Julho. O mercado antecipa uma subida de 50 pb para os 1,35%.

 

Nuno Mello
Analista XTB

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.