Presidente do Irão lança aviso: tropas europeias e norte-americanas estão «em perigo»

O Presidente do Irão, Hassan Rouhani, alertou as tropas da Europa estabelecidas na região do Médio Oriente para perigo iminente. Num discurso emitido pela televisão estatal iraniana, Rouhani disse que os combatentes europeus «podiam estar em perigo no dia de amanhã», segundo o “The Guardian”.

Entre os países europeus, o Reino Unido tem cerca de 400 tropas no Iraque, espalhadas por Irbil, Bagdade e Taji, bem como no Conselho de Cooperação do Golfo (GCC, na sigla em inglês) e na Síria, onde conta com o apoio dos soldados franceses.

O líder iraniano disse ainda que os Estados Unidos devem um pedido de desculpas ao Irão «pelos crimes que cometeram», acusando o país de promover a insegurança na região.

A escalada de tensão entre o Irão e os Estados Unidos teve início depois da morte de Qasem Soleimani, o general iraniano abatido pelos Estados Unidos a 3 de Janeiro, a mando de Donald Trump.

Acrescentando que as tropas norte-americanas também não estão «seguras»,frisou que «hoje o soldado americano está em perigo, amanhã o soldado europeu pode estar em perigo».

 

Irão garante que acordo nuclear «ainda não está morto»

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, assegurou que o acordo nuclear assinado em 2015 com algumas das maiores potências internacionais «ainda não está morto».  «Estamos prontos para voltar a cumprir totalmente o acordo, dependendo do fim das sanções e dos benefícios económicos», disse o também negociador Javad Zarif, citado pela “Reuters”.

Na terça-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha (Heiko Maas), França (Jean-Yves Le Drian) e do Reino Unido (Dominic Raab) emitiram um comunicado conjunto sobre o acordo nuclear assinado com o Irão. No texto, relevaram que iriam accionar, no imediato, o mecanismo de resolução de conflitos do JCPoA (o Plano de Ação Conjunto Global, chamado de acordo nuclear), abrindo assim portas ao regresso de sanções económicas sobre o Irão, levantadas depois da assinatura do documento em 2015.

No mesmo dia, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, revelou que está disposto a substituir o acordo nuclear de 2015 com o Irão por um novo pacto negociado por Trump. «Se vamos acabar com ele [o acordo], então vamos substituí-lo e vamos substituí-lo com o acordo de Trump. É disso que precisamos e penso que seria um grande progresso», disse Johnson, salientnado que «o presidente Trump é um grande negociador».

Recorde-se que o acordo nuclear assinado em 2015 entre o Irão e potências internacionais permitiu o levantamento de algumas das sanções internacionais. O acordo nuclear foi assinado entre o Irão e cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) e a Alemanha, o grupo 5+1. Contudo, em Maio de 2018, Donald Trump anunciou a saída dos Estados Unidos do acordo. Assim, poderiam voltar a aplicar sanções ao Irão.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
O segredo para um anúncio de sucesso com 6 segundos é…
Automonitor
Hyundai Kauai bate recorde do GUINESS… na Índia