Portugueses cumprem recolher obrigatório: 97% não saem de casa à noite

O Governo voltou recentemente a decretar Estado de Emergência colocando a população novamente em confinamento, ainda que não de forma integral como aconteceu na primavera. Nos primeiros dias do recolhimento obrigatório, entre as 23h e as 5h da manhã, 97% dos portugueses ficaram confinados, segundo um estudo da empresa de estatística PSE.

O estudo, a que a ‘Executive Digest’ teve acesso, concluiu que «naturalmente, os portugueses já têm confinamentos elevados no período entre as 23:00 e as 05:00», estipulado pelo Governo como recolher obrigatório da população, em virtude do Estado de Emergência.

«Mesmo no período pré-pandemia, o confinamento noturno encontrava-se já entre os 88% e 90% de população em casa a partir das 23:00», revela o estudo acrescentando: «Durante o período de Abril, esse valor subiu para uma média de 96% das pessoas em casa».

Importa ainda referir que durante esta semana (a primeira do novo estado de emergência com recolher obrigatório), «com dados até ao dia 10 de Novembro, o valor do confinamento noturno atingiu já 96%. Os mesmos valores do primeiro estado de emergência», segundo o relatório.

«Dado que segunda-feira, dia 9 de Novembro, foi o primeiro dia do recolher obrigatório, podemos ver que os portugueses cumpriram naturalmente as orientações do governo nos dois primeiros
dias úteis da semana», afirmam os autores, concluindo que «tanto na segunda-feira como na terça-feira, o confinamento noturno a partir das 23:00 foi de 97% da população».

Portugueses já tinham antecipado confinamento antes do novo Estado de Emergência

Para além das conclusões acima, a pesquisa revela ainda que mesmo antes da implementação do Estado de Emergência os portugueses já tinham antecipado o confinamento, de forma geral.

O regime entrou em vigor no passado dia 9 de Novembro, mas «os dados da mobilidade dos portugueses, medidos pela PSE, são claros ao indicar que houve uma antecipação do confinamento mesmo antes de ser declarado este novo estado de emergência», a partir do dia 11 de Outubro, pode ler-se no comunicado.

A análise revela que no final de Setembro, inícios de Outubro o nível de confinamento médio dos portugueses em dias úteis era de 29%, no entanto essa percentagem subiu para 32,5% na semana de 25 de Outubro e depois para 32,7% na semana de 1 de Novembro, dias antes da implementação do regime, «um nível de confinamento muito distante do verificado em dias úteis durante o primeiro estado de
emergência», segundo a empresa.

«Há uma parte da população, que mesmo antes da pandemia, já tinha tendência em ficar em casa, num qualquer dia. Chamamos a isso “Confinamento Natural», escrevem os autores do estudo da PSE, acrescentando que «antes da pandemia o confinamento no lar era, em média semanal, entre os 25% e 28%».

Neste sentido, os autores decidiram analisar o «confinamento adicional», ou seja, «a percentagem de população que confina para além dos portugueses que já estão confinados naturalmente», razão pela qual foi realizado este estudo.

As conclusões ditam que a partir do dia 11 de Outubro nos dias úteis, «os portugueses iniciaram um movimento de antecipação de confinamento anterior à semana das restrições em 121 concelhos críticos», pode ler-se na nota. Esta antecipação traduziu-se numa subida de 6% do confinamento adicional e «correspondeu «ao movimento de cerca de 420 mil portugueses, efetuado essencialmente pela população ativa entre os 25 e 45 anos».

«Neste movimento de antecipação do dever cívico de confinamento e de obrigatoriedade de teletrabalho, confinou antecipadamente quem tinha possibilidade de confinar e de ficar em teletrabalho», acrescenta o comunicado.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.