Português BPI e angolano BFA contribuíram com 214 milhões para o CaixaBank em 2020

O BPI contribuiu com 214 milhões de euros para os resultados de 2020 do grupo espanhol CaixaBank, dos quais 40 milhões resultam sobretudo da participação no angolano BFA, revelou hoje a entidade bancária espanhola.

filial portuguesa do CaixaBank contribuiu com 174 milhões de euros e as suas atividades internacionais com 40 milhões, sendo a maior parte deste montante dividendos da participação que tem no BFA (Banco de Fomento Angola).

“A avaliação que faço da evolução do BPI em 2020 é extraordinariamente positiva”, disse o presidente executivo do CaixaBank, Gonzalo Gortázar, na videoconferência de imprensa em que apresentou os resultados do grupo.

Apesar de os resultados do BPI apenas serem divulgados na próxima quinta-feira, 4 de fevereiro, na apresentação feita já foram avançados alguns dados da instituição portuguesa.

O presidente executivo do CaixaBank considerou que tem havido “uma boa gestão dos ativos problemáticos” do BPI, que no último dia do ano passado tinha 576 milhões de euros de crédito de cobrança duvidosa, menos 15,5% do que um ano antes, e um rácio de crédito malparado de 2,3%.

Por outro lado, Gonzalo Gortázar assegurou que 99% das moratórias “estão a ser cumpridas”, afirmando estar “muito confiante em como [esta questão] não vai significar um problema para o BPI em 2021”.

O número de moratórias em vigor no último dia de 2020 no BPI era de 97.488 com um valor total de 5.620 milhões de euros.

Por outro lado, a carteira de créditos (bruto) teve uma variação de mais 5,5% ao longo do ano passado, um acréscimo de 6,6% no crédito às empresas e de 9,5% nos recursos de clientes.

Gonzalo Gortázar pensa que, assim como em outros países, em Portugal há espaço para haver uma consolidação no setor bancário, mas assegurou que “o BPI não vai fazer parte desse processo”.

A integração do espanhol Bankia no grupo CaixaBank “não vai afetar diretamente o BPI”, mas segundo gestor bancário vai dar à filial “uma matriz ainda mais forte, mais robusta, e uma maior proteção”.

O grupo dono do BPI obteve lucros de 1.381 milhões de euros no ano passado, uma diminuição de 19% em relação a 2019, depois de constituir provisões de 1.252 milhões para enfrentar o impacto da covid-19.

Segundo informação enviada à Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários (CNMV) espanhola, a instituição bancária destaca que, apesar da queda dos lucros, as receitas “core”, as que resultam da sua atividade principal – rendimentos de juros, taxas líquidas e rendimentos de seguros – permaneceram praticamente estáveis, tendo diminuído apenas 0,1%, para 8.310 milhões.

No último trimestre de 2020, a atividade apenas bancária aumentou 2,8% em relação ao trimestre anterior e 1,7% em relação ao mesmo período de 2019.

O grupo bancário fechou 2020 com o maior volume de negócios da sua história: 659.332 milhões de euros, o que representa um crescimento de 7,8% em relação a 2019.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...