Politécnico da Guarda integra rede nacional de resposta a incidentes informáticos

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) integra o Centro de Resposta a Incidentes de Segurança (CSIRT), uma rede nacional de resolução de problemas informáticos que tem como objetivo aumentar a cibersegurança.

“A entrada do IPG no CSIRT foi feita através do CSIRT.PolitecnicoGuarda, uma unidade que tem como missão a promoção de uma cultura de segurança nos meios informáticos dentro da sua comunidade académica”, informou a instituição.

O IPG é o segundo Instituto Politécnico do país a entrar nesta rede, depois de Bragança.

Através de ações de sensibilização e de aconselhamento e do desenvolvimento das respostas mais adequadas para os incidentes verificados, o IPG “terá como missão contribuir para a segurança nos meios informáticos da academia”, referiu o Politécnico em comunicado enviado à agência Lusa.

“A segurança informática é uma área estratégica para o Politécnico da Guarda, razão pela qual tem criado novas ofertas letivas e estabelecido parcerias com empresas nacionais e multinacionais de referência no setor”, afirmou Joaquim Brigas, presidente do IPG.

E acrescentou: “A cibersegurança passou a ser central nas sociedades contemporâneas e é fundamental que todos – Estados, academia, empresas, cidadãos – se empenhem em promover um maior nível de segurança dos sistemas informáticos nas organizações. o IPG quer estar na vanguarda desta exigência em Portugal”.

A rede nacional CSIRT tem como objetivo aumentar a cibersegurança em Portugal ao proporcionar a cooperação entre os responsáveis nacionais pela segurança informática.

O CSIRT, atualmente com 59 associados, tem como missão desenvolver os instrumentos necessários para prevenir e responder rapidamente a incidentes nas redes e nas bases de dados.

Visa também criar indicadores e informação estatística nacional sobre incidentes de segurança, com vista a uma melhor identificação de contramedidas pró-ativas e reativas.

O IPG tem contribuído para aumentar a literacia em proteção informática e formado profissionais para a área, pois foi a primeira instituição de ensino superior nacional a oferecer um Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) em Cibersegurança e está a aguardar aprovação para um mestrado.

O Politécnico é também parceiro da Fortinet, uma das maiores empresas mundiais na área da cibersegurança, e no polo da Academia Fortinet na Guarda estão a ser formados especialistas para desenvolver redes seguras.

A instituição também irá receber, em breve, cursos da Academia do Centro Nacional de Cibersegurança (C-Academy).

“Entrar na rede nacional CSIRT é um importante passo para o IPG, uma vez que esta rede é uma alavanca para a transferência de conhecimentos e para diminuir a vulnerabilidade da sociedade no que diz respeito às ameaças informáticas”, afirmou Pedro Pinto, docente, investigador, responsável pela cibersegurança do Politécnico da Guarda e coordenador do CSIRT.PolitecnicoGuarda.

Na opinião do responsável, “o centro de resposta a incidentes do IPG ajudará a ter uma comunidade mais segura, aumentando o nível de proteção dos dados dos cidadãos e a segurança dos sistemas”.

O IPG, que entrou esta semana na rede CSIRT, faz também parte da Metared, uma rede colaborativa de instituições de ensino superior portuguesas para fomentar a transformação digital.

Projeto europeu de sistemas informáticos liderado pela FCT NOVA recebe investimento de sete milhões de euros

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.